Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
3

PESEIRO EM VALSA OFENSIVA

É um Sporting obrigado a não vacilar aquele que aterrou ontem ao início da tarde em Viena, na Áustria, onde esta noite (19h45 em Portugal) defronta o Rapid, em encontro da segunda mão da primeira eliminatória da Taça UEFA.
30 de Setembro de 2004 às 00:00
Mas, de acordo com as palavras proferidas por José Peseiro pouco antes do treino realizado no Estádio Gerhard Hanappi, é grande o optimismo e confiança que os ‘leões’ transportam na bagagem. A vantagem de dois golos alcançada em Lisboa não foi esquecida, mas o técnico garante que “o Sporting não vai defender o resultado”. Antes pelo contrário.
“Temos noção da vantagem que neste momento disfrutamos na eliminatória e um objectivo claro traçado: queremos assegurar a passagem à fase de grupos e, se possível, jogar bem e vencer. No fundo, não vamos perder a nossa identidade. Queremos atacar mais que defender, ter mais tempo a bola em nosso poder e não apenas pelos números, mas por aquilo que são os nossos princípios de jogo”, explicou.
E nem o ambiente ensurdecedor esperado para esta noite – estão vendidos os 18 mil ingressos, o que equivale a lotação esgotada – parece intimidar os ‘leões’. “Qualquer jogador do Sporting prefere jogar num ambiente quente do que o contrário. É bom quando há festa e emoção. Ainda por cima, aqui o público bem pode gritar que nós não percebemos nada”, disse, sorridente, antes de reconhecer os pontos fortes do Rapid – “um adversário difícil, com vários jogadores de selecção e líderes do seu campeonato”. E até pela obrigatoriedade do Rapid jogar deliberadamente ao ataque, Peseiro acredita que a melhor forma de abordar o jogo “é controlando-o”.
Noutro âmbito, com os desastrosos resultados para SuperLiga como pano de fundo, o técnico foi confrontado sobre eventuais excessos quando, antes da bola saltar, manifestou o desejo de vencer tudo, até a UEFA. Mas Peseiro não vacilou. “O treinador de um clube com esta grandeza não pode pensar de outra forma. É esse o nosso desafio, como equipa, projecto e clube. É verdade que há equipas mais fortes, com outras possibilidades, mas nem sempre são essas que ganham”, lembrou.
E assim reiterou o desejo de conquistar a Europa: “Este é um jogo importantíssimo, porque pretendemos que o Sporting volte a ser presença assídua nas competições europeias. Se perdermos deitamos fora algo que queremos vencer. E isto não é demagogia. Queremos ganhar e isso não é falta de humildade”.
A terminar, o técnico mostrou-se um virtuoso na arte de driblar… uma pergunta incómoda: Já pensou no que acontecerá em caso de desaire? “Nem pensei nisso. Sou positivo e penso que o Sporting não vai ser eliminado”.
RAPID QUER "VIRAR ELIMINATÓRIA"
Joseph Hickersberger, o simpático técnico do Rapid Viena, ainda acalenta a esperança de seguir em frente na Taça UEFA, apesar de reconhecer “a vantagem do Sporting” e assegura que o apoio do público pode ser preponderante para concretizar a reviravolta no resultado da primeira mão (2-0).
“Vamos ter uma grande atmosfera no Estádio, muito apoio, e isso é importante porque vamos jogar ao ataque. O Sporting é forte, mas estamos optimistas. Podemos virar a eliminatória e ser a surpresa da ronda”, disse o técnico optimista, preferindo, no entanto, não adiantar muito quanto à equipa que vai apresentar esta noite.
SAD CHEGA A CONTA-GOTAS
Poderia pensar-se, atendendo aos últimos resultados da equipa, que a deslocação do Sporting a Viena fosse marcada por alguma tensão, um nervoso miudinho capaz até de inibir Liedson e companhia. Mas não. A tranquilidade entre a comitiva foi total, com os 20 jogadores – Rochemback incluído seis meses depois – a não se escusarem a algumas fotos e autógrafos para com os adeptos.
A comitiva do Sporting – liderada por Ribeiro Telles e coadjuvado por Carlos Freitas – desembarcou ao início da tarde, com uma temperatura de 20 graus a dar as boas-vindas. Poucas horas depois, um treino ligeiro serviu para os jogadores se identificarem com o palco onde esta noite pretendem carimbar a passagem à fase de grupos da Taça UEFA.
E foi por esta altura que Filipe Soares Franco aterrou em Viena. Também da SAD, o administrador-executivo Paulo de Andrade foi o último a chegar, já a noite ia alta. Dias da Cunha, por afazeres profissionais, não viajou com a equipa, nem estará no jogo.
ECOS DE VIENA
PROCURA-SE...
O motorista do autocarro que transportou ontem os jornalistas para o Estádio Hanappi, apesar de ser vienense, perdeu-se e o resultado foi depararmo-nos no antigo Prater, o tal estádio em que o FC Porto venceu, em 1987, a sua primeira Taça dos Clubes Campeões Europeus. Só mais de uma hora depois chegámos ao nosso destino.
PORTUGAL APOIA
A Liga de Clubes, a FPF, o Benfica, o Gil Vicente e também a Associação Nacional de Treinadores, enviaram ontem um fax a felicitar o Sporting e a desejar boa sorte para a partida de hoje.
SCOLARI E PESEIRO
Já o seleccionador nacional, Scolari, dirigiu as suas palavras, igualmente através de fax, a José Peseiro. Afinal, ele conhece bem as vicissitudes que envolvem a vida de um treinador.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)