Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
6

Pinto da Costa tem julgamento marcado

O Tribunal da Relação do Porto indeferiu o recurso de Pinto da Costa no processo do ‘Apito Dourado’ relativo ao jogo Beira-Mar-FC Porto (0-0), da época 2003/04. O presidente dos dragões pretendia ver revogada a pronúncia de 25 de Março, mas viu as intenções negadas e irá sentar-se no banco dos réus do Tribunal de Gaia.
28 de Dezembro de 2008 às 00:30
António Araújo e Pinto da Costa serão julgados em Março no processo Apito Dourado
António Araújo e Pinto da Costa serão julgados em Março no processo Apito Dourado FOTO: José Moreira e João Miguel Rodrigues

Nos últimos dias foi agendada, a primeira sessão do julgamento para o próximo mês de Março, curiosamente um ano depois de o dirigente ter sido pronunciado pelo Tribunal de Instrução Criminal do Porto.

Neste processo, Pinto da Costa é acusado de corrupção desportiva activa, tal como o empresário António Araújo, que serviu de intermediário entre o presidente do FC Porto e o árbitro Augusto Duarte. Este último foi pronunciado pelo crime de corrupção desportiva passiva.

O caso reporta-se ao Beira-Mar-FC Porto, de 18 de Abril de 2004, a contar para a 31ª ronda Liga. Dois dias antes, Pinto da Costa recebe Araújo e Duarte na sua casa, situada na freguesia da Madalena, em Gaia.

O dirigente portista terá entregue ao árbitro um envelope com 2500 euros. Aliás, tal entrega foi presenciada por Carolina Salgado, na altura companheira de Pinto da Costa, cujas declarações estiveram na origem da reabertura deste processo que já havia sido arquivado pelo Ministério Público de Gaia. O caso volta agora à mesma comarca, onde será realizado o julgamento.

'CASO DA FRUTA' EM ANÁLISE

Ao contrário do processo relativo ao Beira-Mar -FC Porto (0-0), de 2003/04, a Relação ainda não decidiu aquele que ficou conhecido como o ‘caso da fruta’, relacionado com o encontro FC Porto-Estrela (2-1), da mesma temporada.

Nesse processo, os papéis invertem-se. Pinto da Costa não foi pronunciado pelo Tribunal de Instrução Criminal do Porto, numa decisão de 26 de Junho último que mereceu recurso por parte do MP. O juiz de instrução extraiu, então, uma certidão a Carolina Salgado, ex-companheira do presidente do FC Porto, por falsas declarações.

No ‘caso da fruta’, Pinto da Costa está igualmente acusado de corrupção desportiva activa, assim como o administrador da SAD portista, Reinaldo Teles, e o empresário António Araújo. Os árbitros Jacinto Paixão, Manuel Quadrado e José Chilrito respondem por corrupção desportiva passiva.

MERCADO À ESPERA DOS PORTISTAS

Gabriel Mercado está à espera de uma proposta oficial do FC Porto. O CM apurou que o central, de 21 anos, está a par do interesse dos dragões, mas desconhece qualquer avanço formal por parte da SAD dos campeões nacionais.

O defesa do Racing Avellaneda, internacional sub-21 pela selecção argentina, deixa o negócio nas mãos do empresário Fernando Hidalgo, agente de Lisandro e de Farías que possui relações próximas com o FC Porto e que adquiriu o passe de Mercado no início de 2008.

As intenções passam por ficar com um atleta de grande potencial e, ao mesmo tempo, por colmatar a mais do que provável saída de Stepanov. Bolatti e Farías podem ser incluídos como moedas de troca. O FC Porto regressa hoje ao trabalho.

APONTAMENTOS

PRISÃO ATÉ QUATRO ANOS

O crime de corrupção desportiva activa é punível até quatro anos de prisão, enquanto o mesmo crime, na forma passiva, pode levar a uma condenação de dois anos de cadeia.

ILIBADO EM GONDOMAR

Em Outubro, Pinto da Costa foi ilibado no caso relativo ao Nacional-Benfica (3-2), de 2003/04. Após a decisão do juiz de instrução de Gondomar, o advogado de Pinto de Costa, Gil Moreira dos Santos, reagiu: 'Está a chegar aos tribunais a lei de Mouzinho da Silveira que aboliu o morgadio.'

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)