Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
5

PSP revela que seguranças provocaram FC Porto

A investigação da Polícia da Segurança Pública (PSP) sobre os incidentes no túnel do estádio do Luz, a 20 de Dezembro de 2009, concluiu a existência de "mau estar" na equipa do FC Porto provocado pelos seguranças.
4 de Novembro de 2011 às 09:26
Caso do Túnel da Luz levou à suspensão de Hulk por quatro meses
Caso do Túnel da Luz levou à suspensão de Hulk por quatro meses FOTO: D.R.

O relatório da Divisão de Investigação Criminal da 3.ª Esquadra da  PSP, baseado no qual o Ministério Público (MP) proferiu acusação contra  Hulk, Sapunaru, Fucile, Helton e Cristian Rodriguez, refere que "a constante  identificação e acompanhamento do 'staff' do FC Porto (...), bem como o  impedimento a determinados acessos, não era normal".

"É certo que tal situação criou mau estar no 'staff' do FC Porto",  concluiu a investigação, realçando que as supostas atitudes dos seguranças  foram testemunhadas "por elementos policiais".            

A conclusão da investigação, a que a agência Lusa teve acesso, salienta  que Sandro Correia, um dos dois autores da participação judicial, impediu  "a passagem de Fernando Oliveira [responsável pela segurança dos 'dragões']".              

 

Nota-se ainda que o assistente de recinto desportivo insistiu no pedido  de identificação do delegado ao jogo do FC Porto, Reinaldo Teles, e negou  a sua presença na manga do túnel "por não estar devidamente credenciado  para permanecer naquele local", quando aquele elemento dos portistas tinha  autorização para o exercício das suas funções.            

 

Salienta a conclusão da investigação que o "mau estar estará relacionado  com o incentivo de Fernando Oliveira [elemento da comitiva do FC Porto encarregue  da segurança] à desordem", instigando os jogadores portistas "para saírem  do balneário", comprovado com fotogramas extraídos de câmaras de videovigilância.            

 

O apuramento dos factos permitiu ainda refutar a tese do 'staff' do  FC Porto de que a saída dos jogadores do balneário foi motivada pelos elementos  da equipa do Benfica "entoarem cânticos e baterem com os pés" com o propósito  de afrontarem os portistas, derrotados por 1-0.               

 

"Não corresponde ao verificado nas imagens, pois o visionamento não  indica se é perceptível qualquer batimento das botas", refere-se.           

 

Concluiu-se ainda na investigação que não foi possível constatar a  ocorrência de "injúrias entre ambas as partes", porque as quatro câmaras  de videovigilância no acesso aos balneários do estádio da Luz "não são possuidoras  de sistema de recolha de som".           

 

O MP deduziu acusações contra os cinco jogadores do FC Porto, depois  de dar como provadas as agressões, com murros e pontapés, a Sandro Correia,  que lhe provocaram traumatismo na face e num membro inferior, e a Ricardo  Silva.            

 

Os jogadores do FC Porto alegaram que foram injuriados e difamados  pelos seguranças e requereram a abertura da instrução do processo.           

 

Pelos incidentes no jogo da 14.ª jornada da temporada de 2009/10, a  Comissão Disciplinar da Liga suspendeu Hulk por quatro meses e Sapunaru  por seis e arquivou o inquérito ao guarda-redes Helton.         

No recurso para o Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Futebol,  Hulk foi suspenso por três jogos e Sapunaru por quatro.  

FC Porto Hulk PSP
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)