Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
6

Quaresma foi decisivo

Ricardo Quaresma voltou ontem a protagonizar uma boa exibição e foi decisivo na vitória (1-0) que o FC Porto alcançou em Istambul (Turquia), diante do Besiktas. O n.º 7 dos azuis e brancos marcou o golo da vitória, já nos descontos (90 2), e em alguns lances fez a cabeça em água aos defesas turcos.
4 de Outubro de 2007 às 00:00
Ricardo Quaresma marcou já nos descontos
Ricardo Quaresma marcou já nos descontos FOTO: Osman Orsal/Reuters
O jogo começou com o FC Porto e o Besiktas a tentarem dominar no meio-campo, sem que qualquer uma das equipas conseguisse um ascendente evidente. Mas à medida que os minutos iam decorrendo, a equipa treinada por Jesualdo Ferreira foi ganhando confiança. No minuto 17, Quaresma tentou a sorte, obrigando Arikan a defesa apertada. Na resposta (25’), e fruto de uma boa movimentação dos médios do Besiktas, Bobo, de costas para a baliza, cabeceou com intenção, valendo aos portistas a defesa, por instinto, de Hélton. Dois minutos depois, Toraman, na cara do guardião azul e branco, atirou por cima da barra.
Seguiram-se largos minutos com a bola a ser muito trabalhada no meio-campo, sem que qualquer uma das formações fosse capaz de criar grande perigo.
Foi então que Raul Meireles começou a tentar surpreender o adversário com remates de longe (33’ e 39’). Contudo, a pontaria não foi muita, embora tivesse pregado alguns sustos ao guarda-redesHakan Arikan.
Perto do intervalo, Cissé voltou a testar Hélton, mas o internacional brasileiro mostrou estar atento, defendendo com uma palmada para a linha de fundo um livre do jogador francês.
Na segundo parte, as características da partida não se alteraram. A guerra no meio-campo continuou sem vencedores. Todavia, o FC Porto – seguro na defesa com o imperial Bruno Alves – dava a indicação de que tinha a partida controlada e que se carregasse no acelerador tinha condições para somar os três pontos e arrecadar 600 mil contos. Além disso, a atitude dos jogadores também melhorou: passaram a exercer mais pressão.
E, nos minutos 52 e 63, após cruzamentos de Lucho, dois lances de perigo. Só que Raul Meireles chegou atrasado para culminar o lance de cabeça e Quaresma, de pé direito, desviou para fora do alvo.
O FC Porto cresceu ainda mais (no minuto 62, Quaresma desperdiçou uma flagrante oportunidade), enquanto o Besiktas pareceu adormecido, deixando praticamente de incomodar Hélton, com a excepção de um lance fortuito originado por Stepanov que levou a bola ao isolado Cissé. O francês, porém, rematou às malhas laterais. Na resposta, em contra-ataque, Cech centrou (77) direitinho para a cabeça de Adriano que errou por pouco. Os turcos reagiram e, no minuto 81, Hélton teve de sair aos pés de Delgado para evitar um golo já cantado nas bancadas.
Nos derradeiros minutos, o jogo abriu. Portugueses e turcos tinham espaços para gizar lances em profundidade, mas, no momento da finalização, as coisas não saíram bem. Até que já nos descontos, Lucho descobriu Quaresma à entrada da pequena área. Deu-lhe a bola e o Mágico não perdoou.
JESUALDO: "FOI UM JOGO DE CORAÇÃO E CORAGEM"
Jesualdo Ferreira considerou justa a vitória do FC Porto e enalteceu a atitude dos seus jogadores: “Foram duas partes diferentes. Perdemos o controlo do jogo a meio da primeira parte, mas na segunda entrámos melhor, com a nossa estrutura normal e tivemos oportunidades de golo tal como o Besiktas. Mas foi acima de tudo um jogo de muito coração, de muita coragem e de muita luta, em que os jogadores foram colocados nos seus limites e deram uma resposta à altura”, defendeu o técnico do FC Porto no final da partida.
Para Jesualdo, a sua equipa nem sempre esteve em bom plano, mas tal não serve para deslustrar o triunfo. “Nem sempre jogámos bem e há situações sobre as quais teremos de falar e corrigir. O facto de o campo pelo menos parecer mais estreito também dificultou as coisas”, afirmou o técnico. Apesar dos sobressaltos sentidos pelos dragões e de Hélton se ter revelado determinante a defender as redes portistas, o treinador não hesitou em considerar justo o triunfo conseguido fora de casa.
“O FC Porto ganhou aqui com justiça. Nas ocasiões do Besiktas tivemos o Hélton à altura e acabámos por fazer o golo num momento determinante, num lance de grande insistência”, afirmou Jesualdo, considerando que a qualificação está mais próxima. “Com esta vitória colocámo-nos em boa posição para poder discutir o acesso aos oitavos-de-final, que é o nosso objectivo. Mas faltam ainda quatro jogos de muita dificuldade.”
O técnico frisou ainda que “há questões para solucionar”, numa alusão ao nervosismo evidenciado por alguns jogadores.
QUARESMA: "ESTAMOS DE PARABÉNS"
Ricardo Quaresma, autor do golo do triunfo portista, estava radiante no final da partida. “Foi uma vitória excelente, num ambiente fantástico e sinto-me bem por ter marcado o golo. Sabíamos que ia ser um jogo bastante complicado e estamos de parabéns pelo trabalho que fizemos”, afirmou o extremo do FC Porto à Sport TV.
O jogador garantiu ainda que manteve sempre a confiança na vitória: “Nunca sou de ficar nervoso ou ansioso, tenho confiança na equipa e sabia que o golo ia aparecer mais tarde ou mais cedo”.
O guarda-redes Hélton foi decisivo ao realizar um punhado de grandes defesas: “Não foi fácil. Sabíamos que seria complicado, até pelas dimensões do campo, muito estreito, mas graças a Deus deu certo. A equipa está de parabéns pelo empenho, embora este não tenha sido dos melhores jogos que fizemos”, disse o internacional brasileiro, sublinhando: “Jogar a Champions é sempre complicado e agora é relaxar e pensar no próximo jogo da Liga”.
POSITIVO
QUARESMA INCONFORMADO
Ricardo Quaresma foi a figura do jogo ao apontar o golo decisivo. Não se conformou com o empate e andou sempre na procura do golo. Lutou, falhou, lutou e marcou um golo que relança o FC Porto na luta pela fase seguinte na Liga dos Campeões.
NEGATIVO
INDIVIDUALISMO DE BOSINGWA
Embora a equipa tenha garantido a vitória, Bosingwa pecou apenas pelas tentativas de jogadas individuais. Um individualismo que permitiu ao Besiktas ainda sonhar com a vitória e causou alguns calafrios na formação de Jesualdo Ferreira.
ARBITRAGEM
JUIZ HOLANDÊS DISCRETO
O árbitro holandês Peter Vink não se intimidou com o ambiente escaldante criado pelos adeptos turcos. Frio e determinado, fez um trabalho eficaz
e, acima de tudo, discreto.
Uma arbitragem que merece nota positiva.
MOMENTOS DO JOGO
62M: Falhanço inacreditável de Ricardo Quaresma
80M: Hélton imparável defende remate de Delgado e Higuain
90 2M: Quaresma marca o golo que vale o triunfo portista
NOTAS
BESIKTAS AFASTOU V. DE GUIMARÃES
O jogo de ontem marcou o primeiro confronto entre o FC Porto e o Besiktas, que eliminou o V. Guimarães em 2005 (Taça UEFA)
TELLO REENCONTROU HÉLTON
O ex-sportinguista Rodrigo Tello reencontrou Hélton, mas desta feita não lhe marcou nenhum golo, como fez pelos leões no Dragão
KAZMIERCZAK PRETERIDO
O médio polaco Kazmierczak foi o único do 19 convocados do técnico do FC Porto, Jesualdo Ferreira, a ver o jogo na bancada
QUARESMA: ALVO A ABATER
Antes da jornada de ontem da Liga dos Campeões, Quaresma era o jogador com mais faltas sofridas na competição: oito derrubes
MOURINHO DOS 'TURCOS'
Ertugrul Saglam é o jovem treinador do Besiktas e a sua forma de estar no futebol já lhe valeu
o cognome de ‘Mourinho turco’
INONU COM VISTA PARA A ÁSIA
O Estádio de Inonu tem como benefício permitir ver das bancadas outro continente: a Ásia
BESIKTAS É O CLUBE DA ELITE
Kemal Atatürk, o pai da Turquia moderna, é um dos adeptos mais ilustres do Besiktas. O clube com mais adeptos é o Fenerbahçe
MARSELHA SURPREENDE
No outro jogo do Grupo A, o Marselha foi a Liverpool vencer por 1-0, conseguindo assim um dos resultados mais surpreendentes da noite europeia de ontem. Um golo bastou aos franceses para arrecadar os três pontos e fazer gelar a plateia de Anfield Road, onde o técnico Rafa Benítez assinalava o 50.º jogo europeu ao serviço dos reds. Mas quem festejou foi o treinador belga Eric Gerets, que na semana passada assumiu o comando da equipa. Uma estreia a preceito na Liga dos Campeões.
O tento solitário do jogo foi da autoria de Valbuena, aos 77 minutos.
MOURINHO VITORIOSO
O
Ver comentários