Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
6

Roberto com mãos de gelatina

Espanhol já causa embaraços internos. Jesus recusou-se a comentar erros do guarda-redes e há quem se lembre de Quim
24 de Julho de 2010 às 00:00
Roberto com mãos de gelatina
Roberto com mãos de gelatina

Jorge Jesus quis um guarda-redes que garantisse pontos mas o que a pré-época de Roberto tem dado ao treinador do Benfica é um guarda-redes que garante... frangos. O espanhol já foi mal batido em quatro golos nos jogos de preparação - dois na derrota por 2-1 com o Sion e mais dois no triunfo sobre o V. Guimarães, por 5-3, para o torneio da cidade minhota.

Falta de rotina com a defesa, alguma inadaptação à nova bola Jabulani, mas, sobretudo, o preço despendido na aquisição do espanhol - 8,5 milhões de euros - têm pesado na irregularidade exibicional do jogador, que pertencia ao Atlético de Madrid mas esteve emprestado ao Saragoça na época passada.

As estruturas técnica e dirigente do Benfica têm defendido mais o novo guarda-redes da Luz do que Roberto tem defendido as bolas que vão à sua baliza.

Rui Costa, administrador da SAD benfiquista, foi um dos mais enérgicos na defesa do titular encarnado, de 24 anos e 1,93m. "Parece-medemasiado exagerada e precipitada a crítica, porque temos a consciência de ter em mãos um óptimo guarda-redes, um grande guarda-redes. Não o vimos só uma vez, e não o fomos buscar porque era normal sofrer golos desta maneira", disse o dirigente, na Suíça, um dia depois da derrota das águias com o Sion, num jogo em que o espanhol foi mal batido nos dois golos, com saídas extemporâneas.

Entre os adeptos benfiquistas, e mesmo na estrutura dirigente, há quem esteja muito apreensivo e preocupado com o guarda-redes, que ainda estranha a dimensão do clube da Luz em comparação com o Saragoça. A opção de deixar sair Quim (Sp. Braga) criou algumas fracções internas, pois Luís Filipe Vieira não compartilhava da ideia de Jorge Jesus de dispensar o internacional português. Para o técnico, um guarda-redes alto inspira-lhe mais confiança.

JORGE JESUS RECUSA CRUCIFICAR GUARDA-REDES

"Conheço-o bem [Roberto]. Não veio para o Benfica por acaso. O Roberto foi um jogador que nós observámos durante o campeonato espanhol e que nos chamou a atenção, principalmente nos jogos com o Barcelona e o Real Madrid", explicou Jorge Jesus, que não se tem cansado de dar palavras de protecção ao guarda-redes. "Ele está a conhecer a equipa, está a conhecer os movimentos da equipa. Foi atraiçoado no primeiro golo com este modelo de bola, que é muito leve e toma trajectórias complicadas para os guarda-redes", diz, referindo-se à Jabulani .

DEPOIMENTOS

Costinha, ex-guarda-redes: "A questão da estatura não me diz nada"

"Têm sido muitos os erros cometidos mas é preciso dar tempo ao Roberto para conhecer melhor os companheiros, e até para se adaptar à língua. Acho que ele está a ser muito massacrado, está a ter uma pressão medonha, mas não pode ter medo de falhar por ter cometido erros. A questão da estatura não me diz nada, pois as bolas também entram por baixo. Um guarda-redes grande não é sinónimo de um grande guarda-redes – e o contrário também é verdade".

Vladan, ex-guarda-redes: "tem de ser mais comunicativo"

"É muito bom tecnicamente e fisicamente. Falta--lhe adaptação ao futebol português e ao jogo em Portugal, e tem de ser mais comunicativo. Esta bola tem um impacto diferente do das bolas anteriores. Tem de se adaptar à bola. O futebol aqui em Portugal é apoiado, e querem entrar com a bola dentro da baliza. Roberto tem de colocar a defesa mais à frente. Parece muito bem tecnicamente, tem de ser forte psicologicamente e orientar bem os defesas. Ele tem de ser um ‘patrão’".

Carvalho, ex-guarda-redes: "Patrício é, de longe, melhor do que Roberto"

"O que vi deste guarda-redes nunca vi no nosso país. Não tem convicção nas saídas, sai mal, vai mal ao chão, bloqueia mal a bola. Não sei o que é que o Benfica viu nele. Nunca vi dar tanto dinheiro por um guarda-redes como este. Ele não tem jeito. Falta-lhe vocação. Ser guarda-redes não é para todos. Este é mesmo mau. Foi um negócio da China para quem o vendeu. Vejo o Patrício, de longe, melhor do que o Roberto. Até o Moreira, do Benfica".

Ver comentários