Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
4

Selecção vence com exibição miserável

Um golo de Bruno Alves a meio do período final de compensação manteve ontem a Selecção de Carlos Queiroz agarrada à máquina de calcular, valendo um triunfo por 2-1 na Albânia, em mais uma exibição miserável e em que não se vislumbrou nenhum dos atributos anunciados pelo seleccionador, à excepção da vontade. Ajudado pela derrota da Suécia, Portugal escapou da eliminação anunciada no jogo em que a surpresa inexplicável se chamava Boa Morte, mas será impossível vencer em Copenhaga jogando tão pouco.
7 de Junho de 2009 às 00:30
Momento decisivo do jogo, quando Bruno Alves faz o golo que dá a vitória a Portugal
Momento decisivo do jogo, quando Bruno Alves faz o golo que dá a vitória a Portugal FOTO: Armando Babani/Epa

A vitória surgiu quando já parecia impossível – e a Albânia não merecia –, num lance de exclusividade portista, com Raul Meireles a centrar para o cabeceamento do defesa-central, a redimir-se do erro no golo albanês e a tornar-se um dos melhores marcadores da era Queiroz.

Portugal tinha estado cerca de dois minutos em vantagem (entre os 25 e os 27’), graças a outro golo de cabeça de Hugo Almeida, aproveitando o único cruzamento decente de toda a primeira parte (Bosingwa), mas na jogada de reatamento, o golpe de teatro: jogada pela esquerda, perante a apatia de Bosingwa e Pepe, cruzamento para o centro da área e flop de Bruno Alves, batido clamorosamente por Bogdani, no salto!

Desde muito cedo se desenharam as dificuldades portuguesas. Falta de automatismos, individualismo exacerbado e atitude displicente, até um pouco medrosa, face à entrada intimidatória dos albaneses. Pelos 20 minutos, já Ronaldo estava ‘arrumado’ e o meio-campo português a empastelar, sem flanco esquerdo, bastando à equipa local o controlo da zona: entre os 20 e os 47 minutos, os albaneses não cometeram sequer uma falta e acabaram por chegar ao intervalo com menos faltas averbadas do que os portugueses! No segundo tempo, puderam até trocar a bola, perante a falta de pressão do meio-campo nacional.

ANÁLISE

POSITIVO: GOLO À FC PORTO

De Raul Meireles para Bruno Alves, um golo totalmente à FC Porto e um pouco à revelia do mastigar inconsequente e sem dinâmica que Carlos Queiroz vem implantando na Selecção.

NEGATIVO: INVENÇÕES DE QUEIROZ

Ressuscitar Boa Morte passa à história como mais uma invenção de Queiroz, a juntar à de Pepe. Dois jogadores sem ritmo e, por razões diferentes, completamente inadaptados à equipa.

ARBITRAGEM: DEIXOU JOGAR

Não foi brilhante, mas soube controlar o jogo e a agressividade inicial dos albaneses. Em duas jogadas suspeitas de Ronaldo (17’) e Bogdani (58’) manteve o critério usado fora da área e, na dúvida, deixou jogar.

PORTUGAL SÓ DEPENDE DE SI PARA O 2º LUGAR

No outro jogo do Grupo 1 ontem realizado, a Dinamarca foi ganhar a Estocolmo à Suécia, um resultado que coloca os dinamarqueses cada vez mais destacados na liderança do grupo. Portugal continua a sete pontos do primeiro lugar, mas aproximou-se do segundo, sendo que ainda tem de jogar duas vezes com a Hungria. A derrota da Suécia deixa Portugal a depender apenas de si para chegar ao segundo lugar (desde que mantenha a vantagem na diferença de golos), e esse foi o aspecto mais positivo desta jornada, pois tal posição pode dar acesso ao playoff de apuramento.

CRISTIANO RONALDO À LUPA

13’. Jogada individual pelo centro e na hora de rematar à baliza atrapalha-se com Bosingwa.

17’. Cai na área após slalom individual. Fica a reclamar penálti.

19’. Isola Boa Morte de calcanhar mas o extremo do West Ham remata por cima.

55’. Uma bomba de livre directo, com a bola a sairà figura de Hidi.

59’. Remata à meia volta com a bolaa passar por cima da barra.

Passes certos: 17

Passes errados: 14

Passes errados: 1

Faltas sofridas: 5

Faltas cometidas: 1

Remates : 6

Assistências: 0

Golos: 0

BRUNO ALVES CHEGOU DO CÉU

Bosingwa. Grande trabalho para o golo de HugoAlmeida, aos 27’. Arriscou,o cruzamento saiu bem e os meses da Selecção sem marcar ficaram para trás. O lateral do Chelsea foi quem percebeu melhor o que era preciso fazer para levar a bola perto da baliza albanesa.

Eduardo. O guarda-redes do Sp. Braga pareceu pouco tranquilo.

Ricardo Carvalho. Grande erro aos 58’. Acabou por tocar Bogdani na área, mas o árbitro deixou seguir.

Bruno Alves. Deveria ter sido ele a bater-se com Bogdani na jogada do empate. Fantástico no 2-1, no papel de ponta-de-lança! Foi lá acima, mais alto do que o guarda-redes, e saiu feliz. Um golo chegado do céu só pode ser aquilo.

Duda. Ficou a ver Bogdani, muito mais alto, saltar para o empate. Sem influência no ataque.

Pepe. Evitou um golo sobre a linha de baliza, aos 25’, mas foi batido por Skela no 1-1. Não se percebe por que motivo Portugal actuou com três centrais durante 75 minutos, mas isso não é problema do jogador do Real Madrid.

Raul Meireles. Grande oportunidade de golo aos 38’. O mais intenso dos médios, o único com o ritmo necessário. Muito bom o passe para o 2-1.

Deco. Tentou segurar a equipa e impor-lhe ordem. Até o conseguiu, mas sempre à custa de um ritmo demasiado lento, sem surpresas ou passes de génio.

Cristiano Ronaldo. No início dispôs de mais espaço do que costume, mas raramente conseguiu aproveitá-lo. Os detalhes não saíram. Uma finta, duas, às vezes três, mas depois um ressalto, um segundo a mais, uma decisão errada. Queda suspeita na área albanesa, muita dificuldade em lidar com a marcação dos adversários.

Hugo Almeida. Um ponta-de--lança é aquilo. Estava bem colocado, aproveitou o erro dos centrais e assinou um golo simples.

Boa Morte. Chamar o esquerdino é uma estranha forma de renovar a Selecção. Carlos Queiroz devia ter um objectivo, mas em campo comprovou-se o que era muito provável antes: a ideia do seleccionador era fraca. Boa Morte foi sempre um corpo estranho para a equipa, o que se compreende. A culpa não é dele.

Simão. Acrescentou pouco à equipa.

Edinho. Queiroz escolheu-o, em detrimento de Postiga e Nuno Gomes. Quando precisou de um ponta-de-lança demonstrou que afinal não confia.

Nani. Sem tempo.

'HOUVE MÉRITO E VONTADE DE VENCER'

Carlos Queiroz reconheceu que o triunfo sobre a Albânia foi conquistado no limite do esforço. 'Foi uma vitória arrancada a ferros. Hoje, juntou-se o mérito dos nossos jogadores com a determinação e a vontade de vencer. Quando isto se junta, estamos mais perto de fazer história', avaliou o seleccionador nacional. 'Especialmente na segunda parte, justificámos plenamente a vitória', elogiando a Albânia. 'É uma equipa muito aguerrida e com excelentes jogadores no meio-campo e no ataque.'

O treinador vê agora a possível qualificação mais ao alcance, pelo menos através do segundo lugar, dado que a Suécia perdeu com a Dinamarca. 'Ficamos numa posição mais favorável para o segundo lugar, mas a depender de um deslize da Dinamarca para chegar ao primeiro.'

O treinador disse que a Selecção foi pragmática. 'O importante é ganhar e seguir em frente. O mais importante não é a exibição', referiu, admitindo que a equipa nacional jogou no risco. 'Tínhamos de jogar na aventura.'

PAI DE BRUNO: 'UM ORGULHO ESPECIAL'

Bruno Alves dedicou o golo da vitória – conseguido já em tempo de descontos – ao pai e Washington era um homem naturalmente satisfeito instantes após o triunfo (2-1) de Portugal sobre a Albânia. 'Dá--me um orgulho especial. A equipa precisava deste golo. Portugal não jogou bem, mas este era um encontro chato e difícil. O mais importante é o resultado', ressalvou o antigo jogador do Varzim ao CM.

Depois de ver o desafio com a família, Washington acredita que esta vitória 'pode ser um ponto de viragem para Portugal'. 'Primeiro é preciso a Selecção qualificar-se. Depois poderemos ficar contentes, pois o Mundial é um sonho para qualquer jogador', acrescentou. n J.P.G.

FRASES

'Foi uma vitória arrancada a ferros. Hoje, juntou-se o mérito dos nossos jogadores com a determinação e a vontade de vencer. Quando isto se junta, estamos mais perto de fazer história'

Carlos Queiroz

'Estes golos e esta vitória dão mais esperança e mais vontade de trabalhar. Acredito que vamos estar na África do Sul'

Bruno Alves

'QUEIROZ FICA ATÉ AO FINAL DO CONTRATO'

O contrato de Carlos Queiroz com a Federação Portuguesa de Futebol (FPF) é para cumprir até ao fim, independentemente da qualificação (ou não) de Portugal para o Mundial 2010, garantiu ontem Amândio de Carvalho, vice-presidente do organismo.

'Não há da parte da FPF uma ideia pré-concebida no sentido de alterar o que quer que seja e cancelar o contrato de Carlos Queiroz', disse o dirigente, em Tirana, adiantando que 'a saída nunca foi colocada em equação'.

NOTAS

BRUNO ALVES: 'ESPERANÇA'

'O golo e a vitória dão mais esperança e mais vontade de trabalhar. Acreditámos até ao fim na vitória e confio que vamos estar no Mundial. Dedico o golo ao meu pai', disse Bruno Alves

HOLANDA: PRIMEIRA EUROPEIA

A Holanda garantiu ontem a qualificação para o Mundial 2010 depois de vencer, fora, a Islândia por 2-1. Com este triunfo, os holandeses fizeram o pleno com seis vitórias noutros tantos jogos

ESTÓNIA: QUATRO DISPENSADOS

A Holanda garantiu ontem a qualificação para o Mundial 2010 depois de vencer, fora, a Islândia por 2-1. Com este triunfo, os holandeses fizeram o pleno com seis vitórias noutros tantos jogos

HUMBERTO: VITORIOSO

A selecção da Tunísia, liderada pelo português Humberto Coelho, recebeu e venceu ontem Moçambique, por 2-0, em jogo de qualificação para o Mundial 2010

LITUÂNIA: COUCEIRO PERDE

A Lituânia, treinada por José Couceiro, perdeu por 1-0 na Roménia e praticamente ficou afastada da luta pelo apuramento no grupo 7 da zona europeia

JAPÃO: PRIMEIRO APURADO

O Japão foi o primeiro país apurado para o Mundial, ao vencer (1-0) o Uzbequistão. Também Austrália e Coreia do Sul já garantiram o apuramento na zona asiática

PAULO DUARTA: BURKINA FASO

O técnico Paulo Duarte conduziu ontem o Burkina Faso a uma vitória sobre o Malawi, por 1-0 (golo de Dagano). O Burkina Faso lidera o grupo E da zona africana de qualificação

SUB-21: DERROTA EM TOULON 

O técnico Paulo Duarte conduziu ontem o Burkina Faso a uma vitória sobre o Malawi, por 1-0 (golo de Dagano). O Burkina Faso lidera o grupo E da zona africana de qualificação

GRUPO 1

Suécia 0 - 1 Dinamarca

Albânia 1 - 2 Portugal

SELECÇÃO / PONTOS / JOGOS

1. Dinamarca: 16 / 6

2. Hungria: 13 / 6

3. PORTUGAL: 9 / 6

4. Suécia: 6 / 5

5. Albânia: 6 / 8

6. Malta: 1 / 7

Jogos já disputados

Malta 0-4 PORTUGAL (06/09/08)

PORTUGAL 2-3 Dinamarca (10/09/08)

Suécia 0-0 PORTUGAL (11/10/08)

PORTUGAL 0-0 Albânia (15/10/08)

PORTUGAL 0-0 Suécia (28/03/09)

Albânia 1-2 PORTUGAL (06/06/09)

Jogos de Portugal

Dinamarca-PORTUGAL (05/09/09)

Hungria-PORTUGAL (09/09/09)

PORTUGAL-Hungria (10/10/09)

PORTUGAL- Malta (14/10/09)

São apurados para a fase final os primeiros classificados de cada grupo. Os oito segundos melhores jogam um playoff final a duas mãos; apuram-se mais quatro 

FICHA DE JOGO

Fase Apuramento – Mundial 2010, Grupo 1

Local: Estádio Qemal Stafa (Tirana) – Assistência: 20 000

ALBÂNIA: Hidi, Vangjeli, Cana, Curri, Vrapi, Bequiri, Agolli, Bulku, Duru (Berisha 87’), Skela (Bylykbashi 90’), Bogdani (Salihi  65’).

Treinador: Josip Kuze

PORTUGAL: Eduardo, Bosingwa, Ricardo Carvalho (Nani 76’), Bruno Alves, Duda, Pepe, Raul Meireles, Deco, Cristiano Ronaldo, Boa Morte (Simão 45’), Hugo Almeida (Edinho 69’).

Treinador: Carlos Querióz

Árbitro: Florian Mayer (Alemanha) 5

Golos: 0-1 Hugo Almeida (27’) 1-1 Bogdani (29’) 1-2 Bruno Alves (90+3’)

Disciplina:  Amarelos: Vangjeli (9’), Curri (20’), Agolli (54’), Raul Meireles (54’), Hidi (76’) e Pepe (80’)

Classificação do jogo 4

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)