Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
3

Sempre pensei que Juan não fosse punido

"Não estava à espera da decisão. Pelo que vi do lance nem me apercebi. Sempre pensei que o Juan Severino não fosse punido.” As palavras de Tomaz Morais reflectem a incredulidade do seleccionador com o castigo de quatro semanas aplicado ao luso-argentino Juan Severino, na sequência de uma alegada agressão a um jogador da selecção da Escócia na estreia no Mundial (derrota por 56-10).
14 de Setembro de 2007 às 00:00
Tomaz Morais defende o recurso da suspensão do jogador
Tomaz Morais defende o recurso da suspensão do jogador FOTO: Bernardo Coelho
“O râguebi tem mão pesada e gosta de dar o exemplo. As equipas mais fracas são sempre ‘para deitar fora’ e nós até somos conhecidos pela nossa lealdade”, disse o treinador ao CM, insatisfeito por perder um jogador que foi titular na estreia na prova. “É uma pena, ele tem feito um trabalho fantástico e fez um grande jogo. Ele perde os três jogos e a equipa perde com a sua ausência.”
Tomaz Morais está de regresso a França, depois de uma breve viagem a Lisboa para acompanhar um problema de saúde da filha, uma situação que divide as atenções do seleccionador: “Infelizmente, não está a ser o Mundial que sonhei.”
No entanto, os Lobos não vão baixar os braços relativamente a Juan Severino. “É nossa intenção avançar com o recurso. É a minha opinião, outra coisa é o que a Federação vai fazer. Mas têm feito sempre tudo pelos jogadores”, sublinha o técnico, que aponta Diogo Coutinho, Tiago Girão e David Penalva como alternativas ao luso-argentino. E deixa ainda uma mensagem ao jogador: “Ele terá sempre o meu apoio.”
Visão semelhante ao treinador e divergente da Federação Internacional de Râguebi (IRB) tem Rui Alvarez, manager da Selecção. “A IRB agiu mais no espírito da lei do que a lei em si mesma. As circunstâncias estão certas. Nunca neguei. Há uma agressão, mas não como retaliação ou de forma gratuita”, adianta o dirigente ao CM, apontando os exemplos do árbitro e do fiscal de linha, que “não se aperceberam de nada”.
A direcção dispõe agora de 48 horas para apresentar o recurso.
HOJE HÁ VISITA DAS FAMÍLIAS
A véspera do embate com a Nova Zelândia, amanhã (12h00), fica marcada pela visita das famílias dos jogadores. “É uma forma de matar as saudades e de se motivarem”, disse Tomaz Morais. Ontem à noite, a Selecção reuniu-se para uma apresentação ‘científica’ da Nova Zelândia. “Mas não há nenhum jogador que não os conheça”, conclui o técnico. Entretanto, segundo a Betfair, uma empresa de apostas de intercâmbio on-line, a vitória de Portugal rende 2840 euros por cada 10 euros apostados.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)