Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
6

Sporting: a fonte da juventude

A aposta nos novos valores pode ser ouro para o Sporting
27 de Julho de 2013 às 00:00

Houve um tempo em que os clubes portugueses anunciaram aos céus que iam apostar no jovem jogador português. Que o iam criar, alimentar, acompanhar no crescimento, colocar nas equipas principais e depois rentabilizariam como craque.

O novo modelo de negócio, com academias e equipas B, era a galinha dos ovos de ouro das SAD. Mas, como na história de Peter Pan, os clubes não cresceram. Depois da euforia dos negócios com Ronaldo, Figo ou Simão, rapidamente preferiram apostar em jovens estrelas que vinham da América Latina ou de África. Até o Sporting, aquele que mais apostou na sua Academia, acabou por sucumbir à lógica da contratação de pretensas estrelas emergentes. O resultado é visível: qualquer jogador português, para chegar ao 11 de Jorge Jesus no Benfica, precisa ultrapassar um perigoso Adamastor e o Cabo das Tormentas.

A célebre escola de defesas centrais do FC Porto desapareceu. E o Sporting, só sob a ameaça da implosão financeira, percebeu o básico: há que criar estrelas para rentabilizar o futebol profissional. Um bom trabalho de Jesualdo Ferreira e a nova lógica do presidente Bruno de Carvalho, abriram os olhos do clube para a realidade.

A vitória na Taça de Honra da AFL e as boas prestações de alguns jovens jogadores leoninos no Canadá, mostram que uma equipa de futebol consistente pode, todas as épocas, receber sangue novo das escolas (se houver uma filosofia de jogo similar, tanto melhor), que juntará a um núcleo de jogadores experientes. A forma como os jovens leoninos driblaram a equipa do Benfica (também composta por alguns supostos craques), é uma lição a quem não quer ver a realidade. Há o perigo de muitos comissionistas desejarem lucros rápidos com os novos valores, mas aí cabe ao clube resguardar-se a tempo.

Agora é óbvio que entre os novos valores do Sporting (e já nem se fala em Bruma), há jogadores muito interessantes como William Carvalho, João Mário, Filipe Chaby ou Cristian Ponde. Que podem ser armas numa equipa de Leonardo Jardim onde haja também experiência. Este é um modelo que, bem gerido, pode dar lucros: ao clube, aos jogadores e também aos comissionistas. Mas, para isso não se pode esperar que a galinha dê ovos de ouro todos os dias.

 

 

MARTINO NO BARCELONA

 

O NOVO CICLO ARGENTINO DO TIKI-TAKA

 

Há quase 20 anos o treinador argentino Ángel Capa, no “El País”, escreveu que o essencial do futebol é o toque. “Joga-se tocando, avança-se tocando, chega-se à zona de definição, tocando”. O tiki-taka estava criado e o Barcelona, com um argentino como mestre, Messi, elevou o conceito a arte. Não admira que, esgotado o ciclo de Guardiola e de Vilanova, o Barcelona tendo ido às raízes do futebol de toque, a Argentina, buscar o seu novo treinador.

“Tata” Martino vai tentar que a equipa volte à sua fonte da juventude e ao futebol que maravilhou o mundo. O seu grande mestre é outro treinador de sonho, Marcelo Bielsa. No Newell’s Old Boys provou o seu saber. As suas equipas são claras em termos tácticos: privilegiam a posse da bola, a pressão no meio-campo adversário e, claro, o toque certo. Ninguém vem introduzir uma nova filosofia no Barcelona: Martino vem apenas afinar a orquestra.

“O passe é a premissa do futebol”, diz Martino. Tem de se ter respeito pela bola. Tiki-taka, pois claro. O novo treinador tem uma filosofia idêntica à do Barcelona e agora só há uma incógnita: será possível tornar a dupla Messi/Neymar compatível no mundo do tiki-taka? Martino é uma incógnita para o futebol europeu. Por isso não terá tempo para se ambientar. E, sobretudo, tem de jogar como se bailasse em campo, trocando os olhos aos adversários, e ganhando.

 

ATAQUES

 

Marco sólido

 

O Estoril perdeu a final da Taça da AF Lisboa, mas a equipa mostrou competitividade. Marco Silva tem ideias fortes.

 

A força de Catió

 

Para além de estar no centro da “tempestade Bruma”, Catió Balde, é hoje a ponte entre os jovens oriundos da Guiné-Bissau e os clubes. Influência crescente.

 

DEFESAS 

 

A pena de Martins

De sucessor de Rui Costa, o inconstante jogador vai agora penar para a equipa B dos encarnados. Faltou trabalho mental.

 

 

APANHA-BOLAS

 

“Cardozo só quer trabalhar”

Pedro Aldave

 

Ele quer, mas parece que uma coisa é querer e outra é poder. A história da sua transferência é uma comédia sem piada.

 

sporting scp
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)