Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
2

TRIUNFO HISTÓRICO NA UEFA

Um golo do argentino Ávalos garantiu a vitória do Boavista sobre o Hertha de Berlim, qualificando o Boavista para os quartos-de-final da Taça UEFA. Uma vitória do sofrimento, apenas manchada pelo mau perder dos alemães.
27 de Fevereiro de 2003 às 22:33
Jaime Pacheco sofreu até ao fim
Jaime Pacheco sofreu até ao fim FOTO: Arquivo CM
Correspondendo às indicações sugeridas pelo técnico Jaime Pacheco, que era importante marcar cedo frente ao Hertha de Berlim para desfazer a desvantagem trazida da capital alemã, o Boavista começou o jogo com uma oportunidade soberana para se adiantar no marcador. O 'pistoleiro' Silva surgiu no coração da área na melhor posição para chegar ao golo, só que o disparo foi defendido por Kiraly...

Pela frente ainda restavam 89 minutos de jogo e estava dado o sinal quanto às intenções axadrezadas para este reencontro com o Hertha. Só que aos poucos, o futebol frio e calculista dos alemães acabou por prevalecer.

Com o jogo perfeitamente controlado à medida que progrediam os ponteiros do relógio, a equipa alemã assenhoreou-se do meio campo e foi aparecendo com alguma insistência junto à baliza de Ricardo.

O técnico Jaime Pacheco ainda procurou dar uma outra criatividade ao meio do campo do Boavista com o recurso a Goulart, só que persistia a tendência da primeira parte.

Valeram as intervenções do guarda-redes Ricardo, que por duas vezes negou o golo a Alex Alves e Marx, respectivamente. Dois lances que garantiam a inviolabilidade da baliza do Boavista, que pouco depois fazia a festa da eliminatória com o golo de Ávalos.

RICARDO

O guarda-redes boavisteiro negou por diversas vezes o golo aos alemães e deu a confiança necessária aos seus companheiros de equipa para partirem em busca de um resultado positivo. Foi ele que segurou a ofensiva do Hertha, mas a noite também foi de glória para Ávalos, o autor do golo solitário. Um dia histórico para o futebol nacional.

VIOLÊNCIA

Os alemães revelaram mau perder. Após o golo de Ávalos, os germânicos não se contiveram e com a eliminatória perdida partiram para as agressões. De tal ordem que o guarda-redes chegou a atravessar todo o campo para tentar atacar Ricardo. Uma tristeza e uma demonstração daquilo que o futebol não deve de ser.
Ver comentários