Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
8

Tudo a postos

Com o início do ‘qualifying’ arranca hoje a 16.ª edição do maior evento tenístico português. Em perspectiva: um duelo hispano-argentino nos homens e um torneio feminino de grande categoria.
23 de Abril de 2005 às 00:00
Tudo a postos
Tudo a postos FOTO: Luís Neves
O palmarés masculino do Estoril Open tem apresentado uma interessante mudança nos últimos anos: a hegemonia da ‘Invencível Armada’ espanhola, traduzida pela conquista de nove dos 12 primeiros títulos em discussão (entre 1990 e 2001), parece ter dado lugar à primazia argentina, com dois campeões e um finalista das Pampas nas últimas três edições. Será precisamente esse o principal aliciante competitivo da 16.ª edição do torneio: o duelo hispano-argentino.
Os espanhóis Carlos Moya e Juan Carlos Ferrero, como ex-campeões de Roland Garros e do Estoril Open (para além de terem sido ambos número um do mundo), apresentam-se como grandes candidatos a vencerem novamente no Jamor e serão os chefes-de-fila de um poderoso contingente que inclui ainda Albert Costa (também ele ex-campeão de Roland Garros e do Estoril Open), Feliciano Lopez, ‘Beto’ Martin, Albert Montanes e o emergente David Ferrer.
Os argentinos serão liderados por Gaston Gaudio, campeão em título de Roland Garros, e por Juan Ignacio Chela, actual titular do Estoril Open. Mas também Agustin Calleri, finalista derrotado (pelo russo Nikolay Davydenko) em 2003, tem valor para se imiscuir nas fases mais adiantadas do torneio.
O latino-americano Nicolas Massu pode ter igualmente uma palavra a dizer na corrida para o título, embora o chileno bicampeão olímpico (singulares e pares!) só tenha retomado a competição esta semana em Houston, após ausência de vários meses por lesão.
Os verdadeiros ‘outsiders’ poderão ser eventualmente encontrados nos contingentes escandinavo (dois suecos e um dinamarquês) e checo (quatro elementos) – com particular destaque para o viking Joachim Johansson (12.º jogador mundial e detentor de um dos mais poderosos serviços da história do ténis) e para o eslavo Jiri Novak (o último jogador a derrotar Roger Federer numa final).
DE OLHOS EM BICO
Mas o grande salto qualitativo do Estoril Open tem a ver com a vertente feminina, que desde 1998 faz com que o torneio seja um dos raros eventos combinados do circuito profissional.
A grande novidade consiste na ‘invasão amarela’ personificada por uma comitiva de cinco jogadoras liderada por Na Li e Jie Zheng. As chinesas estão a chegar em força ao circuito e em breve estarão a lutar pelos títulos principais – e são sérias candidatas a erguer o troféu no Jamor.
A sérvia Jelena Dokic, ex-número quatro mundial, é o nome mais sonante do elenco e tentará ressuscitar a sua carreira ao mais alto nível – após um ano sabático em que recuperou de lesões e serenou uma conturbada vida privada. Também a talentosa russa Dinara Safina (irmã do famoso Marat Safin) e a eficaz italiana Flavia Pennetta (namorada de Carlos Moya) estão entre as principais favoritas, mas haverá uma outra ‘familiar’ que convém acompanhar de perto: a menina-prodígio holandesa Michaella Krajicek, meia irmã do já retirado Richard Krajicek (campeão de Wimbledon em 1996), tornou-se número um mundial de juniores com a idade de apenas 15 anos e aos 16 anos já está a dar boa conta de si no circuito profissional.
OS PRINCIPAIS FAVORITOS NO JAMOR
JELENA DOJIK
Sérvia
Nascimento: 12-04-1983 (22)
Altura: 1,75
Peso: 60 kg
Sony Ericsson WTA Tour Ranking: 447.ª
Estilo: Dextra (esquerda a duas mãos)
Presenças Estoril Open: 0
Prize-Money: 2 874 768,51
M. KRAJICEK
Holanda
Nascimento: 09-01-1989 (16)
Altura: 1,77
Peso: 68 kg
Sony Ericsson WTA Tour Ranking: 120.ª
Estilo: Dextra (esquerda a duas mãos)
Presenças Estoril Open: 0
Prize-Money: 44 230,34
DINARA SAFINA
Rússia
Nascimento: 27-04-1986 (18)
Altura: 1,82
Peso: 70 kg
Ranking: 38.ª
Estilo: Dextra (esquerda a duas mãos)
Presenças Estoril Open: 1 ½ finais (2002)
Prize-Money: 435 293,21
G. GÁUDIO
Argentina
Nascimento: 09-12-1978 (26)
Altura: 1,75
Peso: 70 kg
Ranking: 8.º
Estilo: Dextro (esq. a uma mão)
Presenças Estoril Open: 2 1/8 final (2000)
Prize-Money: 2 998 087,65
J.C. FERRERO
Espanha
Nascimento: 12-02-1980 (25)
Altura: 1,83
Peso: 72 kg
Ranking: 58.º
Estilo: Dextro (esquerda a duas mãos)
Presenças Estoril Open: 3 Vencedor (2001)
Prize-Money: 7 326 853,84
CARLOS MOYA
Espanha
Nascimento: 27-08-1976 (28)
Altura: 1,91
Peso: 85 kg
Ranking: 7.º
Estilo: Dextro (esquerda a duas mãos)
Presenças Estoril Open: 5 Vencedor (2000)
Prize-Money: 8 587 609,21
O DESAFIO LUSO
Como já é habitual, também haverá representantes lusos nos quadros principais do Estoril Open. Não por mérito absoluto, porque não há qualquer jogador nacional com ‘ranking’ suficientemente elevado para aceder directamente às melhores grelhas, mas porque o director do torneio, João Lagos, dispõe de um determinado número de convites (’wild cards’) que tradicionalmente são oferecidos aos tenistas portugueses.
No entanto, João Lagos não os entrega de mão beijada. Para o efeito, criou um torneio denominado ‘Troféu RTP’, competição onde os portugueses competem entre si pelo direito de ganhar os referidos ‘wild cards’ e marcar assim presença no Estoril Open. E o ‘Troféu RTP’ de 2005 terminou ontem...
Assim, no sector masculino, Rui Machado tem assegurado o lugar no quadro principal, depois de ter derrotado na final Leonardo Tavares por 6-1 e 6-2. No entanto, Leonardo ainda poderá beneficiar de um ‘wild card’ que ainda está em aberto, tendo a decisão sido tomada ontem à noite.
Nas senhoras, Neuza Silva bateu Mélanie Gloria por 6-2 e 6-4, mas tanto a setubalense como a luso-canadiana receberam ‘wild cards’ para o quadro principal da competição.
PORTUGUESES NA QUALIFICAÇÃO
Certo é que a fase de qualificação arranca hoje e em acção estarão muitos portugueses: o ‘qualifying’ feminino conta com Ana Nogueira, Magali De Lattre, Catarina Ferreira, Kátia Rodrigues, Rita Freitas, Liliana Pereira, Inês Moura, e ainda Daria Neretina (russa radicada em Leiria), além de Tara Wigan (jovem inglesa radicada em Cascais).
Quanto ao ‘qualifying’ masculino, as inscrições fecharam após o fecho desta edição.
Ver comentários