Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
6

Um bom emprego no dia seguinte

Sobre as vantagens de um bom agente quando as coisas correm mal

11 de Junho de 2011 às 00:00
Um bom emprego no dia seguinte
Um bom emprego no dia seguinte

José Sócrates, o nosso ex-primeiro-ministro, não precisou de mais de 24 horas sobre a sua derrota eleitoral para arranjar um excelente emprego que se adivinha bem renumerado e aliciante do ponto de vista empresarial. Os jornais noticiaram com grande relevo que Dilma Rousseff, a presidente do Brasil, ofereceu a Sócrates o posto de representante das grandes empresas europeias junto das instâncias políticas e económicas europeias.

Este intróito de cariz político remete para as actuais situações profissionais de dois dos maiores ídolos do Sport Lisboa e Benfica dos últimos largos anos: Rui Costa e Nuno Gomes, ambos a viver na praça pública, através da imprensa e do falatório comum, situações pouco abonatórias tendo em conta os respectivos passados e as relações de afecto que conseguiram construir com a exigente plateia benfiquista.

 

Sócrates, que viveu um domingo negro, logo arranjou na segunda-feira um emprego condigno com o seu currículo. E, melhor ainda, um emprego sediado no estrangeiro que lhe vai permitir viajar muito e, possivelmente, usufruir de generosas ajudas de custo para as deslocações. E é caso para se dizer que agora é que vai começar realmente a verdadeira carreira do ex-primeiro ministro português. Rui Costa e Nuno Gomes, ao contrário de Sócrates, já não têm idade para assinar contratos como futebolistas por grandes potentados no estrangeiro.

 

Rui Costa já deixou mesmo de jogar há um bom par de anos e Nuno Gomes para lá caminha ainda que os jornais, esta semana, voltassem a falar do interesse de alguns clubes das Arábias pelo seu concurso e, também, do interesse de um clube do Minho, o Sporting de Braga, nos préstimos do veterano goleador. Ao contrário de José Sócrates, que vai deixar de ser político para ser um intermediário financeiro de campo, Rui Costa e Nuno Gomes estão naquela fase das suas vidas em que deixaram de ser jogadores de campo para se transformarem em elementos da acção política da Luz.

 

Rui Costa é, vai para três anos, o director-desportivo do Benfica e a Nuno Gomes, sempre de acordo com informações veiculadas pela imprensa, foi já oferecido o cargo de director de relações externas do clube, posto que, por exemplo, também foi oferecido a Vítor Baía no FC Porto não tendo o ex-guarda-redes demorado muito tempo a constatar na prática que não era essa, de modo algum a sua vocação.

 

A situação em que Rui Costa e Nuno Gomes se encontram é confrangedora. Parece que lhes foram oferecidos empregos de favor sem que houvesse a preocupação de saber se têm qualificações para tal. E hoje vemos Rui Costa num papel desautorizado e Nuno Gomes num papel reciclado. A verdade é que neste momento das suas carreiras ambos sofrem da falta de um bom agente. Uma Dilma Rousseff, por exemplo.

 

ERRAR É HUMANO

 

Dois parceiros de luxo, por favor

 

O Benfica ficou a dever, em parte, a sua bela época de 2009/2010 a uma dupla de defesas centrais de categoria muito acima da média, Luisão e David Luiz. Mas David Luiz foi para o Chelsea logo a seguir ao Natal e o encanto desfez-se naquela zona fulcral do campo com resultados à vista de todos. Jardel não foi o substituto à altura do substituído e pode estar de saída. Sidney vai para a Turquia e o jovem Roderick deve ser posto a rodar noutras paragens para ganhar corpo e experiência.

 

Luisão, que acumula a função de capitão do Benfica, disse à partida para férias que gostaria muito de ter, na próxima época, "um parceiro de luxo". Compreende-se perfeitamente a sua preocupação. Mas deveria ter sido mais exigente, não só em defesa dos interesses do Benfica como da sua própria tranquilidade. Esta semana, Luisão foi convocado para a Copa América e, assim, sendo, só regressará à Luz quando a época oficial já tiver começado e o Benfica já tiver disputado a pré-eliminatória de acesso à Liga dos Campeões. E com que defesas centrais vai arrancar o Benfica para a temporada de 2011/2012?

 

Sabendo-se como o deficiente arranque do Benfica na época passada condicionou todo o percurso dos ex-campeões nacionais, pedia-se a Luisão maior arreganho no momento das reivindicações. Dois parceiros de luxo, por favor. E é o mínimo exigível para levar a coisa a sério.

 

POSITIVO

 

COSTA PEDALA

 

Também se chama Rui Costa mas é ciclista. Tem 24 anos e parece querer afirmar o seu nome nos grandes pelotões de nível internacional. Numa prova clássica, o Critério Dauphiné, andou pelos lugares cimeiros a lutar com os maiorais.

 

POSTIGA MATADOR

 

A selecção portuguesa não tinha outro remédio no sábado passado: vencer a Noruega para saltar para o primeiro lugar do Grupo H. A coisa esteve complicada mas Hélder Postiga resolveu a preceito, com um golo à maneira de um matador.

 

JARDIM PROMOVIDO

 

Elogiado por Pinto da Costa, em Janeiro, como um treinador promissor, Leonardo Jardim foi apresentado esta semana como o sucessor de Domingos Paciência no Sporting de Braga. O seu desempenho será uma das curiosidades da próxima Liga.

 

 

PÉROLA

 

"Sou do Real Madrid desde pequenino."

FÁBIO COENTRÃO

 

Fábio Coentrão tem contrato com o Benfica até 2016 mas não o quer cumprir. A época desgraçada que o Benfica protagonizou será, em parte, explicação para a vontade de Coentrão em partir rapidamente para um patamar superior de competição. O jogador tem tudo para se afirmar em Madrid. O Benfica luta pelos 30 milhões. É esta a crise.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)