Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
1

Um grande golo à Quaresma

O FC Porto venceu ontem em Paços de Ferreira, por 1-0, ganhando pontos ao Benfica e ao Sp. Braga e conseguindo o sétimo zero defensivo em dez jogos. O FC Porto marcou cedo, logo aos 11’, num lance pela esquerda em que Paulo Assunção lançou Ibson e o cruzamento deste teve conclusão perfeita no remate de primeira de Quaresma.
7 de Novembro de 2005 às 00:00
Ricardo Quaresma tenta vencer a oposição do pacense Edson: o extremo portista fez um grande golo na Mata Real
Ricardo Quaresma tenta vencer a oposição do pacense Edson: o extremo portista fez um grande golo na Mata Real FOTO: João Abreu Miranda, Lusa
Num esquema de 4x4x2, com Lucho na direita do meio-campo, Ibson ao lado de Paulo Assunção e Ricardo Quaresma na esquerda, o FC Porto fez uma boa primeira parte, dominando sempre, embora sem criar muitas oportunidades. Mas ameaçou várias vezes, sobretudo por Quaresma que até já sabe defender, situação em que apareceu muitas vezes para equilibrar a equipa. Co Adriaanse fez ainda regressar César Peixoto a defesa-esquerdo, jogando com Lisandro e Hugo Almeida na frente.
A equipa de José Mota teve assim grandes dificuldades em fazer uso do seu contra-ataque. O 4x3x3 era quase sempre 4x5x1 porque Edson e Didi tinham muito que defender e pouco tempo para as tarefas ofensivas. O FC Porto concedeu pouco, mas, aos 25’, o Paços criou perigo. Pepe escorregou e Didi pegou na bola a meio-campo. O avançado podia ter chutado mas preferiu tocar o esférico bola para o lado e, no meio de uma grande embrulhada, a defesa do FC Porto conseguiu cortar o lance. Houve protestos por uma mão de César Peixoto na área, mas o lance foi de muitos ressaltos e era de difícil análise para o árbitro Pedro Proença.
A segunda parte continuou no mesmo estilo de um lado e de outro, com a diferença que o FC Porto viu negado um segundo golo de Hugo Almeida, aos 57’, por fora-de-jogo inexistente. Mas o Paços continuou sem conseguir realizar uma jogada de princípio, meio e fim com perigo e Vítor Baía só teve de se aplicar em meia dúzia de cruzamentos.
Nota para a assobiadela que ouviu Co Adriaanse, quando, aos 75’, fez a primeira substituição já que saiu Hugo Almeida quando toda a gente esperava que fosse Quaresma ou Lisandro, uma vez que estes estavam claramente em défice físico. Nos últimos minutos o FC Porto teve ainda várias oportunidades para dilatar a vantagem, mas acabou por não conseguir voltar a marcar.
O MELHOR: GOLO DE QUARESMA
Foi logo ao minuto 11, num remate de primeira sem deixar a bola cair no chão, de pé direito e em posição frontal. Toda a jogada foi bem conseguida, desde Paulo Assunção até Ibson, que foi à linha fazer o cruzamento atrasado. No FC Porto, boa exibição de Ibson em todo o jogo e de Lucho Gonzalez, utilizado numa posição mais lateral onde aliás costuma jogar pela selecção argentina. Boa nota também para a defesa portista, sempre muito certa.
O PIOR: GOLO MAL ANULADO
Aos 57’, Hugo Almeida fez o segundo golo do FC Porto, a passe de Ibson, mas o árbitro assistente anulou-o por fora-de-jogo impossível. Seria a execução da diferença entre as duas equipas, já que o Paços só muito raramente entrou na área de Vítor Baía. Não conseguiu fazer um contra-ataque em todo o jogo, por culpa do bom posicionamento do FC Porto, mas também pelo facto de o meio-campo do Paços ter falhado muitos passes.
ADRIAANSE: "PODEMOS JOGAR MELHOR"
Co Adriaanse, treinador do FC Porto, não estava muito satisfeito com a exibição da sua equipa. O mais importante foram os três pontos garantidos e a aproximação ao líder Sp. Braga, mas o holandês espera mais dos seus jogadores.
“Merecemos ganhar, não há qualquer dúvida. Penso, no entanto, que podemos jogar melhor e que temos ainda de melhorar muito. Prometi aos adeptos marcar golos e não temos conseguido fazer muitos. Há, sobretudo, que rever as falhas na zona de finalização”, disse o treinador do FC Porto.
Por sua vez, Ricardo Quaresma, o herói na Mata Real, completou ontem 100 jogos na Liga portuguesa e como prémio marcou o único tento do encontro. Contudo, estava bem mais satisfeito por ter garantido a vitória do que pelo seu êxito pessoal. “Estou bastante feliz por ter marcado. Esta vitória era muito importante para nós depois da derrota do Braga e do empate do Benfica”, referiu o antigo jogador do Sporting e do Barcelona.
APONTAMENTOS
ONZE JOGADORES A AQUECER
José Mota só montou a táctica de jogo no balneário após o aquecimento. O treinador do Paços de Ferreira preferiu ver se Co Adriaanse ia jogar ou não com dois pontas de lança. Como o técnico do FC Porto só chamou Hugo Almeida à titularidade, José Mota optou por jogar com o esquema habitual.
PAÇOS RECEBEU TAÇA DE CAMPEÃO
Antes do apito inicial de Pedro Proença, o Paços de Ferreira recebeu o troféu de campeão da Divisão de Honra, relativo à temporada passada.
JORGINHO PELA 1.ª VEZ NO BANCO
O brasileiro Jorginho ficou ontem pela primeira vez no banco em jogos na Liga Portuguesa. Até havia sido titular em todas as nove partidas e só por duas vezes não jogou os 90 minutos.
FICHA DO JOGO
Local: estádio da Mata Real, em Paços de Ferreira (13.000 espectadores)
Árbitro: Pedro Proença (Lisboa)
PAÇOS DE FERREIRA: Peçanha, Primo, Geraldo, Luiz Carlos, Fredy (Rui Dolores, 83m), Pedrinha, Paulo Sousa, Júnior, Edson, Edinho (Ronny, 62m) e Didi. Treinador: José Mota.
FC PORTO: Vítor Baía, Bosingwa, Pepe, Pedro Emanuel, César Peixoto, Lucho Gonzalez, Paulo Assunção, Ibson (Raul Meireles, 90m), Quaresma (Alan, 84m), Lisandro Lopez e Hugo Almeida (Jorginho, 75m). Treinador: Co Adriaanse.
Marcador: 0-1, Quaresma (11m)
Acção disciplinar: Amarelos - Pedro Emanuel (40m), Edson (70m), Quaresma (74m), César Peixoto (89m), Lisandro Lopez (90m), Paulo Sousa (90m) e Raul Meireles (90m)
Melhor jogador: Ibson.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)