Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
2

Valentim e árbitro no banco dos réus

O caso Naval-Chaves, que diz respeito a um jogo que contava para a Liga de Honra e que se realizou em Novembro de 2003, vai chegar agora a uma fase crucial. A decisão instrutória está marcada para os primeiros dias de Junho, não sendo ainda conhecida a data definitiva por haver um pedido de um dos advogados para que a mesma seja alterada.
23 de Maio de 2007 às 00:00
Valentim Loureiro e Paulo Baptista enfrentam mais um processo no âmbito do ‘Apito Dourado’
Valentim Loureiro e Paulo Baptista enfrentam mais um processo no âmbito do ‘Apito Dourado’ FOTO: Jorge Godinho / Jorge Paula
Valentim Loureiro e Paulo Baptista, o único árbitro da 1.ª categoria que já está formalmente acusado no âmbito do processo ‘Apito Dourado’, saberão agora se vão ou não a julgamento, depois de terem sido acusados pelo Ministério Público da Figueira da Foz. A instrução decorreu durante vários meses e tudo indica que a decisão possa ser idêntica à proferida em Gondomar.
As mesmas questões – inconstitucionalidade da lei que pune a corrupção desportiva e nulidade das escutas telefónicas – foram levantadas pela defesa dos dois arguidos (à semelhança do ocorrido no processo principal, em Gondomar), que tentam também questionar a validade dos indícios recolhidos pelo Ministério Público.
Mais uma vez, o processo assenta em escutas telefónicas, designadamente em contactos mantidos entre Valentim Loureiro e Paulo Baptista. O Ministério Público defende que a pressão feita ao árbitro da 1.ª categoria teria como contrapartida favorecer o clube da Figueira da Foz para que aquele, depois, apoiasse Valentim nas eleições para a Liga. Mesmo assim, as suspeitas que recaíam sobre Aprígio Santos (presidente do Naval) e Júlio Mouco (vogal da comissão de arbitragem) foram arquivadas, sendo apenas passíveis dos crimes de corrupção activa e passiva as suspeitas que recaíam sobre Valentim e Paulo Baptista.
Recorde-se, ainda, que, em uma das conversas, Paulo Baptista diz a Valentim: “Depois temos de ver isso dos observadores”, o que o Ministério Público defende ser a garantia exigida pelo árbitro para beneficiar o Naval, sem ser prejudicado nas classificações.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)