Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
9

VAMOS DAR MUITA LUTA

O técnico do Leixões, António Carvalhal, revelou-se ontem preparado para contrariar o favoritismo do PAOK, apesar de tecer rasgados elogios à formação grega, considerando que o adversário não tem quaisquer pontos fracos.
16 de Setembro de 2002 às 22:59
“Quase todos os jogadores da formação grega são internacionais por variadíssimos países. Formam uma equipa muito forte e coesa, por isso não lhes reconheço pontos fracos. No entanto, estamos todos preparados para tentar contrariar o favoritismo do PAOK. Vamos dar muita luta e nunca seremos cobardes”, revelou Carlos Carvalhal.

O técnico leixonense salientou ainda a grande experiência internacional do PAOK, mas destacou principalmente a atitude competitiva do conjunto grego, comparando-a à do Boavista. “São extremamente agressivos na posse de bola, um conjunto difícil com argumentos sólidos, como o Boavista normalmente apresenta", acrescentou.

Desfalcado do influente Besirovic, a recuperar de lesão, o técnico vai apostar na experiência e irreverência dos seus jogadores para “conseguir alcançar alguns pontos, para Portugal subir no ranking internacional de clubes”.

Por seu turno, o defesa Marco Aleixo reconheceu que o Leixões tem pela frente uma missão “muito difícil”, mas prometeu que os jogadores vão “fazer o melhor e encarar o jogo com espírito de vitória, pois queremos continuar este sonho. Vamos assim fazer com que os sócios se orgulhem de nós, porque eles bem merecem”.

Também o presidente do clube, José Manuel Teixeira, garantiu que o Leixões vai fazer tudo para dignificar o futebol português. ”Seria bonito vencer o PAOK, mas se não conseguirmos espero que seja um bom espectáculo de futebol e uma grande festa para assim dignificar o futebol lusitano”, afirmou o dirigente.

Apesar do “tempo e da hora a que o encontro se realiza não ser a melhor” (17h00), José Manuel Teixeira espera que os adeptos compareçam em bom número no Estádio do Mar, adiantando que serão esperados cerca de oito mil espectadores, “para fazerem a festa”.
Paok revela respeito

O treinador do PAOK, Angelos Anastasiadis, revelou ontem ter muito respeito pelo Leixões, considerando que a sua equipa terá de provar em campo o teórico favoritismo com que parte para este confronto.

“Hoje vamos ter pela frente um jogo muito difícil. No entanto, vamos entrar em campo para vencer, sabendo contudo que o Leixões tem muito valor e vai tentar fazer o mesmo”, afirmou o técnico, manifestando ainda algum receio pelas condições atmosféricas que poderão afectar as aspirações da sua equipa. “É a primeira vez que vimos cá, pelo que não conhecemos o recinto em que vamos jogar. Se chover será ainda mais difícil. Mas também o será para o Leixões”, salientou o grego.

O avançado jugoslavo Sladjan Spasic, lesionado numa perna, e o médio cipriota Giotis Engomitis, afastado da competição há cerca de um ano a recuperar de uma grave lesão, são as principais "baixas" na formação helénica.

As equipas deverão apresentar os seguintes “onzes”: Leixões - Rui Marcos, José António, Nuno Silva, Marco Aleixo, Néné, Guerra, Israel, Abílio, Brito, Zamorano e Pedras. PAOK- Majdan, Feutchine, Koutsis, Chasiotis, Kozminski, Markos, Kafes, Georgiadis, Kukielka, Okkas e Yiasoumi.
Ver comentários