Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
7

VIEIRISMO OU VIEIRICE?

Numa época ímpar da vida do Benfica – pré-eliminatória da Liga dos Campeões; inauguração do novo estádio; eleições; ano do Centenário – Luís Filipe Vieira tentou satisfazer as exigências de Camacho sem nunca perder o realismo no romance.
25 de Junho de 2003 às 00:19
O episódio rocambolesco, que o CM relatou ontem, da vinda, abortada já em pleno avião, de Luis Fernandez a Lisboa, mostra que Vieira aprendeu alguma coisa nos anos de aliança com Pinto da Costa.
Se o homem forte da SAD decide sozinho os destinos do futebol. Se, nas suas próprias palavras, foi decisivo para a construção do estádio, para a viabilização económica do futebol, para o avanço do centro de estágio. Se, cada vez mais, o Benfica é ele, o que faltará então a Vieira para que assuma a ascensão a 33.º presidente da história encarnada? Desejo não será certamente, nem “boa vontade” da imprensa especializada.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)