Correio da Manhã

Portugal consegue triunfo moralizador frente à Argélia
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Por Mário Figueiredo | 01:30
  • Partilhe
Cristiano Ronaldo voltou e liderou a equipa numa vitória fácil no derradeiro teste para o campeonato do mundo da Rússia.

Portugal obteve esta quinta-feira um triunfo moralizador, por 3-0, no derradeiro teste antes da partida para o Campeonato do Mundo, no qual tem a estreia marcada para o dia 15 frente à poderosa Espanha.

Your browser doesn’t support HTML5 video


A seleção portuguesa, já com Cristiano Ronaldo a titular, foi sempre a melhor equipa em campo. Aliás, só a presença de CR7 transforma a equipa. Dá-lhe mais agressividade, talento, velocidade e profundidade. Golos também. Ontem foram três, mas podiam ter sido mais.
A missão foi cumprida. Portugal ganhou fácil, não houve lesões e levou da Luz um banho de carinho. Os portugueses estão com a equipa e as clubites ficaram de lado. Rui Patrício, que rescindiu com o Sporting e está sem clube, mereceu aplausos.

Certo é que Portugal entrou com tudo no jogo. No primeiro minuto ficou clara a vontade de resolver a partida. Há talento e craques na Argélia, mas não há uma equipa e isso notou-se nas dificuldades em defender e a sair a jogar.

A seleção nacional entrou pressionante. O capitão estava de volta e queria uma vitória no jogo 150. E esteve muito perto do golo, num livre à entrada da área, em que Moutinho acabou por desperdiçar na recarga. CR7 ainda marcou um golo, mas foi anulado num fora de jogo muito duvidoso.

A equipa de Fernando Santos mostrava um futebol pressionante e fluido. Os movimentos compactos criaram grandes problemas para a Argélia sair com a bola da defesa. O tridente de Portugal, com Bernardo Silva, Gonçalo Guedes e Cristiano Ronaldo, fez estragos.
O primeiro golo surgiu num passe a rasgar de William Carvalho para Bernardo Silva assistir Gonçalo Guedes.
O golo libertou ainda mais a equipa. E Bruno Fernandes mostrou-se a Fernando Santos com um golo, de cabeça, após cruzamento de Ronaldo.

PUBLICIDADE
Na etapa complementar, Portugal continuou a ser a melhor equipa. As substituições retiraram acutilância e o resultado confortável fez os jogadores retirarem o pé, de forma a evitarem lesões que pudessem comprometer a presença no Mundial da Rússia.
No entanto, a equipa manteve os corredores muito ativos. Raphael Guerreiro ainda assistiu Guedes para o 3-0, antes de ser substituído.
Já com a equipa com profundas alterações, João Mário viu um golo anulado pelo VAR. Um golo que traduziria um resultado mais justo, tal a supremacia evidenciada por Portugal.

ANÁLISE
A força de CR7
Cristiano Ronaldo é o motor desta equipa. Com ele, todos sobem de rendimento e acrescentam mais ao coletivo. Lidera pelo exemplo e ontem até ajudou a defender. No ataque, é objetivo e sempre com a baliza na mira. Assistiu Bruno Fernandes num golo.

Argélia tenrinha
Fernando Santos esperaria certamente mais oposição. Os argelinos revelaram-se tenrinhos, sem pressão e sem vontade de jogar. O tridente ofensivo Mahrez, Slimani e Brahimi não teve bola e por isso pouco ou nada incomodou Rui Patrício.

Arbitragem fraca
O inglês teve uma arbitragem fraca, primeiro ao anular um golo a Cristiano Ronaldo por um fora de jogo e, depois, a deixar passar em claro um agarrão de Slimani a Pepe para penálti. Afinal havia vídeo-árbitro e até anulou um golo a João Mário.

Siga o CM no Facebook.

  • Partilhe
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE