Correio da Manhã

Portugal mostra incompetência nas grandes penalidades
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Por Octávio Lopes | 01:00
  • Partilhe
Chilenos foram implacáveis na marca de 11 metros e acabaram por vencer bem.

Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Foto Reuters
Cristiano Ronaldo e Fernando Santos
Portugal mostrou ontem incompetência nas grandes penalidades e foi eliminado pelo Chile nas meias-finais da Taça das Confederações, que está a decorrer na Rússia. Quaresma, Moutinho e Nani permitiram a defesa de Claudio Bravo, enquanto Vidal, Aránguiz e Alexis Sánchez não deram qualquer hipótese a Rui Patrício.

Antes, decorreram 120 minutos de um futebol intenso e bem jogado, com os chilenos a mostrarem quase sempre maior acutilância nas ações ofensivas, embora as duas equipas tenham criado lances de golo iminente.

A primeira parte começou com o Chile a mandar e a inventar uma grande oportunidade, logo aos 6 minutos: Alexis Sánchez fez um soberbo passe vertical para Vargas, que ficou isolado, mas atirou contra Rui Patrício. Na resposta, imediata, Ronaldo fez um passe de morte para André Silva também acertar em Claudio Bravo. Depois, a partida serenou, com a bola muito trabalhada no meio-campo e com os sul-americanos a mostrarem uma notável segurança no passe e na receção, ao contrário dos lusos.

Nos minutos 28 e 30, Aránguiz pregou dois valentes sustos a Patrício: solto na área, cabeceou muito perto do alvo; outra vez na área, sem oposição, rematou ao lado na cara de Patrício. Portugal não tremeu e voltou a equilibrar, sem apoquentar Claudio Bravo.

Na segunda parte, pouco ou nada se alterou. O Chile continuou a trabalhar muito a bola com Portugal a espreitar sempre que podia o contragolpe e, por breves períodos, chegou mesmo a estar por cima. No minuto 57, Rui Patrício brilhou a um remate à meia-volta de Vargas, na área. No contra-ataque, Portugal chegou à área contrária em velocidade e Ronaldo estourou contra as mãos de Bravo. Até final dos 90’, o encontro voltou a ser repartido, com os guarda-redes pouco incomodados.

PUBLICIDADE
No prolongamento, o Chile foi sempre mais perigoso. 94’ - Alexis Sánchez, na área, cabeceou com perigo, com a bola ainda a tocar no poste; 119’ - Vidal rematou ao poste e, na recarga, Rodríguez acertou na barra. Portugal teve algumas iniciativas atacantes interessantes, só que falhava na finalização, sobretudo em tiros de média distância.

Nos penáltis, o Chile mostrou concentração e pontaria. Portugal, não.

Árbitro comete erro grave
O iraniano Alireza cometeu um erro grave, ao não ter marcado uma grande penalidade contra Portugal. No minuto 112, José Fonte errou um passe; depois tentou corrigir e pisou o chileno Silva. O juiz nem sequer recorreu ao vídeo-árbitro.  

Mais: O enorme Claudio Bravo 
O experiente guarda-redes do Chile Claudio Bravo, de 34 anos, defendeu, com brilhantismo, três grandes penalidades e teve ainda uma intervenção enorme quando parou um remate à queima-roupa de André Silva, após um espetacular passe de Cristiano Ronaldo.

PUBLICIDADE
Menos: Pouca inspiração no ataque luso 
Portugal trabalhou muito no meio-campo, mas ao contrário de outros jogos mostrou pouca inspiração na hora de finalizar as jogadas. Cristiano Ronaldo ofereceu um golo de bandeja a André Silva, que permitiu a defesa de Claudio Bravo. E André Gomes foi uma nulidade nos remates de meia distância.

Siga o CM no Facebook.

  • Partilhe
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE