Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
7

Chapecoense vence Atlético Nacional, quatro meses após acidente aéreo

Equipas do Brasil e Colômbia voltaram a encontrar-se para jogo da Supertaça sul-americana.
5 de Abril de 2017 às 12:52
Neto, Jackson e Alan Rusche, sobrevivente do acidente na Colômbia, foram homenageados
Fogo de artifício na homenagem às vítimas de Chapecó
Adeptos da Chapecoense saíram à rua para festejar o regresso da equipa aos jogos internacionais
Reinaldo marcou um dos golos na vitória da Chapecoense
Neto, Jackson e Alan Rusche, sobrevivente do acidente na Colômbia, foram homenageados
Fogo de artifício na homenagem às vítimas de Chapecó
Adeptos da Chapecoense saíram à rua para festejar o regresso da equipa aos jogos internacionais
Reinaldo marcou um dos golos na vitória da Chapecoense
Neto, Jackson e Alan Rusche, sobrevivente do acidente na Colômbia, foram homenageados
Fogo de artifício na homenagem às vítimas de Chapecó
Adeptos da Chapecoense saíram à rua para festejar o regresso da equipa aos jogos internacionais
Reinaldo marcou um dos golos na vitória da Chapecoense
A Chapecoense venceu hoje por 2-1 na receção ao Atlético Nacional, em jogo da primeira mão da Supertaça sul-americana de futebol, quatro meses após o acidente aéreo que vitimou 71 pessoas, a maioria das quais da equipa brasileira.

Num encontro com muitas homenagens às vítimas do acidente, os golos de Reinaldo, aos 23 minutos, de grande penalidade, e Luiz Otavio, aos 73, deixaram a Chapecoense em vantagem para a deslocação ao estádio da equipa colombiana, que tinha inaugurado o marcador aos 13, por Macnelly Torres.

As equipas deviam ter-se defrontado em novembro de 2016, na final da Taça Sul-Americana, mas o avião que transportava a equipa brasileira caiu, matando 71 pessoas, e o troféu foi atribuído à Chapecoense, por proposta do clube colombiano.

O Atlético Nacional já tinha vencido a Taça Libertadores, a principal competição de futebol da América do Sul, o que lhe garantiu a presença na Supertaça, mas também atingiu a final da Taça Sul-Americana, a segunda prova continental, na qual devia ter defrontado a Chapecoense.

Em 29 de novembro, 19 futebolistas da equipa brasileira morreram num acidente perto de Medellin, quando o avião a caiu por falta de gasolina: a aeronave transportava 77 pessoas, sendo que 71 faleceram.

A Chapecoense tem-se reconstruído com novos futebolistas e patrocinadores, embora os familiares das vítimas estejam ainda a ser penalizados pela falta de compensação financeira pelas suas perdas.

O clube brasileiro precisou de uma autorização especial para receber o desafio, já que o seu estádio, o Arena Conda, alberga apenas 22.000 espetadores, quando as regras da CONMEBOL definem que as finais continentais devem ser realizadas em recintos com um mínimo de 40.000 lugares.

A CONMEBOL declarou que os 200.000 habitantes de Chapecó desejam "pagar na sua própria cidade um tributo especial ao Atlético Nacional pelas suas ações de solidariedade e apoio oferecido à equipa na altura do acidente".
Chapecoense Atlético Nacional Supertaça CONMEBOL Taça Sul-Americana Taça Libertadores jogo tragédia voo
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)