Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
6

Alerta máximo para jogo que marca regresso da I Liga de futebol

Autoridades de saúde e de segurança reuniram-se para definir as regras a aplicar nos jogos de futebol.
Liliana Rodrigues, S.P.C. e Francisca Genésio 3 de Junho de 2020 às 01:30
Super Dragões - Imagem de arquivo
Super Dragões - Imagem de arquivo FOTO: Vítor Chi
A Polícia de Segurança Pública (PSP) e a Direção-Geral da Saúde (DGS) reuniram-se esta terça-feira para definir as regras de segurança a aplicar nos jogos de futebol, no regresso da Liga, que arranca esta quarta-feira com o Portimonense-Gil Vicente, às 19h00.

Mas o jogo que mais preocupa as autoridades de saúde e de segurança, com alerta máximo, é o Famalicão-FC Porto, marcado para as 21h15, no terreno dos famalicenses.

Em causa está o anúncio da claque Super Dragões de que vai apoiar a equipa com cerca de 300 adeptos no exterior do estádio - o que poderá colocar em causa o cumprimento das regras definidas pela DGS. Desde logo, a proibição de grupos com mais de 20 pessoas. Em Lisboa, o número é reduzido para 10.

"Relativamente ao distanciamento social, o ideal são dois metros. Mesmo se estiverem a assistir pela televisão, em espaços fechados, não devem esquecer esta regra, e outra muito importante, que é a partilha de objetos como copos ou garrafas", apelou Graça Freitas, diretora-geral da Saúde. Acontece que os dois metros só são obrigatórios entre grupos diferentes e em espaços fechados.

Por saber está o plano de atuação da PSP para o cumprimento das regras da autoridade de saúde. A estratégia é esta quarta-feira apresentada, em conferência de imprensa. Sobre o assunto, o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, diz que o efetivo policial destacado é "proporcional às circunstâncias".

Para já, sabe-se apenas que será definido, à volta do estádio, um perímetro de segurança que os adeptos "não vão puder ultrapassar", revelou o superintendente-chefe Magina da Silva.

O diretor-nacional da PSP mostrou-se confiante na atitude da claque Super Dragões, justificando-se com reuniões com os seus membros.

Distância nos festejos
A diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, pediu que que os golos das equipas sejam festejados "com distância", evitando, ao máximo, o contacto físico entre adeptos. "Apelo, sobretudo, ao sentido cívico de cada um", reforçou.

"Normas são iguais para toda a gente"
"As normas de segurança, aquilo que é exigido pela DGS, são iguais para toda a gente. A responsabilidade é a mesma para todos. Não são os Super Dragões que têm de ter mais ou o Sérgio Conceição por ser treinador do FC Porto", referiu o próprio técnico portista, na conferência de imprensa desta terça-feira.

Sérgio Conceição: "Queremos mostrar que somos melhores"
"Nós nunca parámos. Não fomos de férias e trabalhámos sempre. Isso demonstra a vontade e a esperança que tínhamos de que o campeonato ia ser retomado, para demonstrarmos no campo que éramos e que somos a melhor equipa." Sérgio Conceição lançou assim o regresso do FC Porto à competição em tempos de Covid-19, tendo de fundo as palavras de Luís Filipe Vieira sobre uma suposta vontade dos dragões em parar a Liga e ficar com o título.

O treinador diz que a equipa está preparada e mostrou-se satisfeito com os treinos desenvolvidos pelos atletas ainda em casa durante a pandemia que entende estar a ser igualmente prejudicial para todos os clubes. "Não beneficiou ninguém e é redutor falar a esse nível do futebol quando houve muita gente a perder pessoas queridas".

Conceição vincou que o FC Porto até vinha de uma boa sequência, que resultou na ultrapassagem ao Benfica.

"Trabalhámos nestes meses para tentar dar continuidade a essa dinâmica. Não estou a falar do último jogo, que foi um empate [1-1, com o Rio Ave], mas em que foi unânime a opinião de que deveríamos ter vencido até por mais do que um. Não o conseguimos devido a uma noite infeliz da terceira equipa ou estaríamos a três pontos do rival. Aproveito para desejar a maior felicidade do mundo às equipas de arbitragem e que, quem ganhar, ganhe com mérito", atirou. 

‘Naka’ é caso para a direção
"Nakajima? A direção está a tratar e tratará da melhor forma a ausência dele, não há mais a falar", disse Sérgio Conceição.

O japonês não integrou os treinos da equipa alegadamente porque terá receio de colocar em risco a família - a mulher é doente de risco. Não contará tão cedo para o treinador portista.
Mais informação sobre a pandemia no site dedicado ao coronavírus - Mapa da situação em Portugal e no Mundo. - Saiba como colocar e retirar máscara e luvas - Aprenda a fazer a sua máscara em casa - Cuidados a ter quando recebe uma encomenda em casa. - Dúvidas sobre coronavírus respondidas por um médico Em caso de ter sintomas, ligue 808 24 24 24
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)