Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
7

Ataque informático de Rui Pinto lança terror na Luz

Nuno Gaioso, ex-dirigente das águias, foi ouvido em tribunal. Hacker é suspeito de espiar PLMJ, que trabalhava no E-Toupeira.
Pedro Zagacho Gonçalves(pedrogoncalves@cmjornal.pt) 19 de Novembro de 2020 às 08:15
Nuno Gaioso, ex-dirigente das águias
Rui Pinto está a ser julgado por 90 crimes
João Medeiros é advogado
Nuno Gaioso, ex-dirigente das águias
Rui Pinto está a ser julgado por 90 crimes
João Medeiros é advogado
Nuno Gaioso, ex-dirigente das águias
Rui Pinto está a ser julgado por 90 crimes
João Medeiros é advogado
"Foi um período de terror!". Nuno Gaioso, ex-vice presidente do Benfica e ex-administrador da SAD encarnada, descreveu assim o ambiente vivido no clube, quando se soube do alegado ataque de Rui Pinto à sociedade de advogados PLMJ, um dos três escritórios contratados pelos benfiquistas para os representar no caso E-Toupeira, no final de 2018.

Ouvido como testemunha, esta quarta-feira, no Campus de Justiça, Lisboa, na 24ª sessão do julgamento do hacker, o ex-dirigente do Benfica - que não faz parte das novas equipas de Luís Filipe Vieira, recentemente reeleito – explicou quando se apercebeu da invasão, com a publicação no blogue ‘Mercado do Benfica’, de documentos supostamente roubados aos sistemas informáticos da PLMJ e ao advogado João Medeiros, que trabalhava para o clube. “Tenho nota de que há um momento em que o testemunho de Domingos Soares de Oliveira [administrador da SAD das águias] e de outros começam a ser divulgados. Foi o alarme generalizado, todos somos potenciais alvos. A preocupação foi logo reforçar a segurança”, recordou a testemunha.

Nuno Gaioso falou de um “enorme mal-estar” gerado, mas descarta que os advogados tenham sido, em algum momento, suspeitos da divulgação dos documentos secretos. No ‘Mercado do Benfica’, que o Ministério Público sustenta ter sido criado por Rui Pinto, eram habituais os anúncios de que seria divulgada mais informação a cada dia 18, às 18h00. Questionado sobre se a data e hora das revelações era referência à Porta 18, Nuno Gaioso admitiu:” Julgo que sim...”. Recorde-se que no caso de tráfico de droga com o mesmo nome, por ser ponto de entrada de cocaína na Luz, o ex-motorista de Vieira, José Carriço, foi condenado a sete anos e oito meses de prisão. n

“até andou numa psicóloga”
Catarina Medeiros, mulher de João Medeiros, foi ouvida na mesma sessão e relatou os efeitos do alegado ataque de Rui Pinto à sociedade PLMJ, onde trabalhava o marido. “Foi horrível. Ele nunca mais foi o mesmo. Até andou numa psicóloga por causa disto tudo!”, contou emocionada, recordando que documentos privados da família e dos filhos foram publicados na Internet. Também a secretária do advogado, Maria João Domingos, sublinhou a “tristeza, desorientação e preocupação”de Medeiros na altura. “Deixou de ser a pessoa que sempre foi”, disse.
Ver comentários