Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
5

Benfica gigante trava gigantes

Benfica garante apuramento se vencer a Juve em casa na 5ª jornada.
Filipe António Ferreira e Luís Oliveira 6 de Outubro de 2022 às 01:30
Messi, autor do golo do PSG, tenta fugir a David Neres, em lance do jogo de ontem à noite no Estádio da Luz
Messi, autor do golo do PSG, tenta fugir a David Neres, em lance do jogo de ontem à noite no Estádio da Luz FOTO: MIGUEL A. LOPES/LUSA

O Benfica continua invicto esta temporada. Voltou a empatar, pelo segundo jogo seguido, mas o adversário desta quarta-feira foi tão somente o PSG, uma das melhores equipas da Europa. Um empate justo das águias que continuam bem posicionadas para seguirem em frente na Champions.

De olhos nos olhos e sem mudar o figurino. Foi assim que Roger Schmidt montou a equipa para enfrentar o colosso parisiense. Durante os primeiros 20’, o Benfica foi superior ao PSG, que se limitava a ver jogar. Donnarumma, com quatro defesas de elevada dificuldade, evitou que o Benfica chegasse à vantagem, que seria de inteira justiça.

Mas a classe no PSG é mais que muita. E quando Messi quer, tudo acontece. O argentino pegou na bola, combinou com Mbappé, que passou a Neymar. O brasileiro voltou a tocar de primeira para o argentino, que num remate espetacular fez o 0-1. Abanou o Benfica, que passou alguns minutos a ver os parisienses a trocar a bola como queriam.

Contudo, as águias não estavam mortas e conseguiram o empate num lance fortuito. Danilo Pereira fez autogolo e deu justiça ao marcador, antes do intervalo.
O PSG voltou mais pressionante dos balneários e acima de tudo mais perigoso. Valeu o guarda-redes Odysseas, que brilhou a grande altura evitando que Mbappé, Hakimi e Neymar dessem vantagem ao PSG. O desgaste da primeira parte fez -se sentir entre os jogadores do Benfica, que raramente importunaram a baliza francesa. Ainda assim, a equipa portuguesa esteve perto do golo, mas Rafa não ultrapassou Donnarumma.

Para a semana há novo duelo com o PSG, em Paris. Independentemente do resultado desse jogo, o Benfica já sabe que se vencer a Juventus em casa, na jornada 5 (25/10) garante os ‘oitavos’ da liga milionária.

Positivo e negativo
Guarda-redes em grande
+Num jogo com tantos atacantes de qualidade, foram os guarda-redes a brilhar... e de que maneira. Na primeira parte, Donnarumma só não parou o autogolo de Danilo Pereira. Depois de uma primeira parte sem fazer uma defesa, Odysseas agigantou-se e manteve de forma estoica o empate.

Dupla pouco em jogo
-As estrelas Mbappé e Neymar até estiveram no golo do Messi, mas exigia-se mais da dupla. O francês praticamente só se viu num remate que Odysseas defendeu. O brasileiro, muito lento, veio buscar muito jogo, mas nunca conseguiu ultrapassar os abnegados jogadores do Benfica.

Arbitragem
Enzo arriscou muito
A intensidade alta do jogo promoveu algumas faltas, sem problemas para Gil Manzano. Mas em cima do intervalo, Enzo Fernández tem uma entrada muito dura sobre Verratti. Viu amarelo, mas o mais acertado seria o vermelho. O PSG reclamou ainda uma mão de Otamendi na área, mas o juiz mandou seguir.

Odysseas soberbo em bom jogo coletivo
Odysseas - 
Um pouco adiantado no golaço de Messi. Depois arrancou para uma exibição soberba, outra nas competições europeias. Este ponto ganho tem a sua assinatura como a principal. 
Bah – Jogo competente. Sempre que possível deu profundidade ao lado direito.
Otamendi – Quase marcou de ombro aos 67’. Foi o bombeiro viril de serviço.
António Silva – Aos 37’ rematou para defesa de Donnarumma, outra vez. O trio de craques não lhe meteu medo.
Grimaldo – Jogo ingrato onde não pôde subir com à-vontade. Levou pela frente um portentoso Hakimi.
Florentino – Jogo enorme. Foi um polvo no meio-campo onde teve que desarmar craques donos da bola.
Enzo Fernández – Entrou a todo gás e mostrou os dentes ao Neymar. Um poço de força e de vontade a jogar.
João Mário – Outra grande exibição; a desarmar, transportar, desmarcar e travar transições rápidas.
Rafa – Muito marcado, teve poucas hipóteses de fuga para a baliza. Aos 81’ quase marcou mas estava lá o... italiano.
Neres – Aos 18’ esteve perto do golo mas Donnarumma também defendeu. Muito marcado por Nuno Mendes.
Gonçalo Ramos – Aos 8’ isolado por António Silva permitiu a defesa a Donnarumma. No 1-1 forçou o erro a Danilo. Correu e lutou muito.
Draxler – Tentou mostrar que também é craque.
Aursnes – Segurou jogo.
R. Pinho – Sacou uma falta.

António Silva lamenta ineficácia
"Entrámos muito bem, criámos logo três oportunidades para chegar à vantagem. Infelizmente, com a qualidade que o PSG tem, o Messi fez um golo espetacular e tivemos de ir atrás do resultado", disse o central António Silva no final.

Ver comentários