Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
1

Benfica sem piedade na Taça de Portugal

Equipa de Almada aguentou-se bem até sofrer o 0-1 em cima do intervalo. Depois, foi uma autoestrada em direção à baliza de Tony.
Sérgio Pereira Cardoso 19 de Outubro de 2019 às 01:30
Carlos Vinícius marcou dois golos no jogo contra o Cova da Piedade
Cova da Piedade - Benfica
Cova da Piedade - Benfica
Cova da Piedade - Benfica
Cova da Piedade - Benfica
Cova da Piedade - Benfica
Cova da Piedade - Benfica
Carlos Vinícius marcou dois golos no jogo contra o Cova da Piedade
Cova da Piedade - Benfica
Cova da Piedade - Benfica
Cova da Piedade - Benfica
Cova da Piedade - Benfica
Cova da Piedade - Benfica
Cova da Piedade - Benfica
Carlos Vinícius marcou dois golos no jogo contra o Cova da Piedade
Cova da Piedade - Benfica
Cova da Piedade - Benfica
Cova da Piedade - Benfica
Cova da Piedade - Benfica
Cova da Piedade - Benfica
Cova da Piedade - Benfica
Sem Piedade na Taça. O Benfica arrumou o Cova com recurso a dois golos de Pizzi e outros tantos de Vinícius. Não foi preciso um recital, apesar dos ‘bis’, para derrotar a equipa da II Liga, que até se aguentou até sofrer o golpe decisivo em cima do intervalo.

Bruno Lage pegou na caneta e apostou numa dupla da frente com o mesmo valor do jackpot de sexta-feira do Euromilhões - 37 milhões de euros -, completando o boletim do onze com o regresso de Samaris para atuar ao lado de Gabriel na luta do miolo frente a um Cova da Piedade que até optou pela densidade populacional no corredor central. Objetivo: levar o Benfica para cruzamentos das alas, que terminavam sem perigo.

O plano foi resultando, com três exceções, todas com intervenção de Carlos Vinícius: aos 14’, isolou Pizzi, que perdeu o duelo com Tony; aos 23’, o próprio avançado brasileiro roubou a bola e desperdiçou na cara do guardião; até que à terceira, em cima do intervalo, foi de vez, com Pizzi a tabelar com Vinícius antes de marcar o 1-0.
Durou 45 minutos a resistência dos homens de Almada, que, diga-se, ainda provocaram um par de calafrios às águias, muito pelas arrancadas de Femi - enquanto durou fisicamente.

O golo e o intervalo trouxeram descanso a duplicar às águias. E por falar em duplicar, o matador deste ano - os números de Pizzi são impressionantes - não demoraria a voltar a faturar. Primeiro, De Tomas a permitir a defesa de Tony e o médio a mostrar como se faz. 0-2, aos 49’. Caminho da vitória aberto, faltava saber por quantos.
Aliás, a segunda parte tornou-se uma autêntica autoestrada até à baliza de Tony Batista, que lá foi segurando uma, duas... inúmeras investidas encarnadas, com destaque para RDT, que continua com bloqueio para os golos em solo nacional.

Seria o seu parceiro da frente a assinar o terceiro tento do Benfica, após jogada de insistência de Caio Lucas pela esquerda. Remate eficaz do avançado brasileiro, aos 63’, que poderia ter festejado de novo dez minutos depois, mas tentou de calcanhar, sem sucesso. E em termos de números acrobáticos - ou não estivesse um Chico Chen em campo - até Grimaldo tentou imitar Ronaldo de bicicleta, mas nem a presença de Dolores Aveirona bancada ajudou a um idêntico sucesso do lance. Foi outra vez Vinícius a assinar o golo final, nos descontos. Benfica em frente, sem surpresas.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)