Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
9

Capitão Pizzi salva Benfica no jogo frente ao Desportivo das Aves

Golo de André Almeida, aos 89 minutos, garante vitória muito suada do Benfica, no jogo entre o primeiro e o último classificados da Liga.
Mário Pereira 11 de Janeiro de 2020 às 01:30
Pizzi não esteve nos seus  melhores dias. Marcou  o penálti do empate
Benfica - Desp. Aves
Benfica - Desp. Aves
Benfica - Desp. Aves
Benfica - Desp. Aves
Pizzi não esteve nos seus  melhores dias. Marcou  o penálti do empate
Benfica - Desp. Aves
Benfica - Desp. Aves
Benfica - Desp. Aves
Benfica - Desp. Aves
Pizzi não esteve nos seus  melhores dias. Marcou  o penálti do empate
Benfica - Desp. Aves
Benfica - Desp. Aves
Benfica - Desp. Aves
Benfica - Desp. Aves
André Almeida regressou esta sexta-feira à equipa do Benfica para lhe oferecer uma das vitórias mais suadas da época. Com o jogo empatado 1-1, o capitão das águias correspondeu a preceito a um passe curto de Vinícius, bem no meio da área, e bateu Beunardeau pela segunda vez, aos 89 minutos. Um lance que garantiu os três pontos e deu descanso à plateia da Luz, que quase entrava em curto-circuito perante a perspetiva de um tropeção numa partida onde sobejaram oportunidades de golo para os encarnados.

O dono da braçadeira não jogava desde 30 de novembro, dia em que se lesionou no decorrer de um jogo frente ao Marítimo, bem mais tranquilo para o Benfica, que ganhou então por 4-0. Dir-se-ia que estava guardado para sexta-feira. Sem VAR, contudo, a história do encontro teria sido outra, pois André Almeida chegou a estar expulso, após uma ‘entrada’ imprudente sobre Mangas, aos 52 minutos. Carlos Xistra mostrou-lhe o cartão vermelho, mas acabou por retificar, após chamada de atenção pelo vídeo-árbitro. Decisão acertada, pois há falta de André Almeida, mas não merecedora de expulsão.

O capitão acabou, pois, por ser a figura na noite em que os olhos dos adeptos das águias procuravam o dono da camisola 28. Mas Weigl, reforço acabadinho de chegar, mostrou que precisa de mais tempo para se integrar nas dinâmicas coletivas do Benfica. Andou às apalpadelas e deixou para segundas núpcias a verdadeira análise ao que pode acrescentar. Esta sexta-feira não fez nada e acabou por sair aos 61 minutos.

Passemos então à cronologia do jogo. O Benfica fez uma deficiente abordagem do mesmo. Começou em ritmo baixo e deixou o Desp. Aves ganhar confiança. Os nortenhos identificaram rapidamente onde estava a brecha a explorar para chegar à baliza de Odysseas. Fizeram-no por uma vez, por duas vezes e à terceira chegou ao golo, por Mohammadi. Só então o Benfica percebeu que, frente ao último classificado, não bastava atirar as camisolas para dentro do campo.

Acelerou, a partir dos 25 minutos, e aumentou a carga na segunda parte, que quase passou a ter sentido único. Beunardeau brilhava na baliza e só de penálti foi batido pela primeira vez, aos 76 minutos (golo de Pizzi), num lance a punir carga de Falcão sobre Vinícius, que rendera ao intervalo o inconsequente Jota. Medida acertada de Lage, pois foi dos pés de Vinícius que saiu também o passe para o 2-1.

"Não gostei de como sofremos o golo"
"Vitória arrancada a ferros pelo número de golos, porque em termos ofensivos tivemos uma produção muito boa para marcar mais do que dois golos. Defensivamente, não gostei, não gostei da forma como sofremos o golo", disse Bruno Lage, técnico do Benfica.

O treinador português referiu, de seguida, que é necessário melhorar certos aspetos táticos. "Para representar um clube como o Benfica é necessário justificar. Temos trabalhado para não permitir estes espaços. Temos de continuar a trabalhar para crescer e ser uma equipa no seu todo", vincou Lage, salientando a boa exibição de Weigl. "Estamos muito satisfeitos. Acabou de chegar e precisa de jogar para ter rotinas", disse.

O técnico das águias falou ainda da importância do apoio incondicional dos adeptos. "Nunca enervaram a equipa e sentimos o apoio deles. Foi por isso que a equipa acreditou sempre", rematou.

André Almeida: "Não acertei com as pernas, acertei com a barriga"
André Almeida viu o cartão vermelho após entrada sobre Mangas, mas o árbitro, com auxílio do VAR, voltou atrás na decisão e mostrou amarelo. O defesa não ficou surpreendido com a decisão. "Estava tranquilo. Não acertei com as pernas, acertei com a barriga. O árbitro reviu o lance e teve a mesma opinião", disse. O capitão do Benfica acabou por ser decisivo no jogo ao fazer o 2-1. "Dedico o golo à minha sobrinha que faz hoje [sexta-feira] 11 anos", disse.

"Benfica foi um justo vencedor"
"O Benfica acaba por ser um justo vencedor pelas oportunidades que criou, sabíamos que íamos ter dificuldades", referiu Nuno Manta Santos.
Benfica Vinícius Pizzi André Almeida Luz Beunardeau VAR Mangas Weigl Lage futebol eventos desportivos
Ver comentários