Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
1

Darwin e Weigl fazem águia de Jesus voar

Benfica marcou nos dois primeiros remates enquadrados, ambos de cabeça, por Darwin e Weigl. Golaço de Sauer ainda assustou.
Sérgio Pereira Cardoso e Mário Figueiredo 21 de Setembro de 2021 às 01:30
Benfica-Boavista
Benfica-Boavista FOTO: Pedro Nunes / Reuters
Águia em voo pleno. O Benfica chega à sexta jornada com a sexta vitória, depois de um jogo que começou por resolver com dois golos de cabeça, de Darwin e Weigl. O Boavista ainda se revelou um adversário incómodo, mas o avançado uruguaio bisou e acabou com todas as dúvidas.

Ainda o encontro não tinha começado e já Darwin era o nome mais falado, uma vez que Jesus voltou à nuance tática de dois pontas na frente, desta vez com Núñez na parceria com Yaremchuk, os dois protagonistas da primeira jogada de perigo. O ucraniano faz um cruzamento perfeito que o uruguaio acaba por não aproveitar.

Não aproveitou aos 8’, aproveitou aos 14’. Novamente com a mesma dupla envolvida. Otamendi apercebe-se da defesa subida dos axadrezados e lança Yaremchuk em profundidade. Roman atrasa para Diogo Gonçalves e o centro acabou diretinho em Darwin, que se revelou mais certeiro pelo ar. 1-0.

Curiosamente, a bonança do primeiro golo seria seguida de um total marasmo benfiquista, aproveitado pela equipa visitante. Aos 30’, Sauer ensaiou o golo, mas Odysseas esteve superior. Só que, logo a seguir, Weigl perde a bola de forma displicente e Pérez volta a solicitar Sauer. E aí, nem com dois Odysseas. Remate fantástico do brasileiro de 28 anos e empate surpreendente na Luz.

Durou pouco. Dois minutos volvidos, lance de bola parada, João Mário a encontrar Otamendi e o argentino a assistir Weigl, que se redimiu de imediato. 1-2. O réu passava a herói. Tudo esquecido e o Benfica de volta ao comando - dois golos de cabeça nos dois remates enquadrados da primeira parte.

Ao intervalo, Lazaro substituiu Diogo Gonçalves e o Boavista chamou Ntep ao jogo. Entraram melhor os axadrezados, com três remates em cinco minutos, o último de Sauer, sempre com demasiado espaço.

Yaremchuk respondeu num tiraço com a primeira grande defesa de Bracali. E a verdade é que esta toada de oportunidades para ambas as equipas se manteve. Otamendi parece ter feito penálti um minuto antes de Lucas Veríssimo lançar a velocidade de Rafa, que encontrou Darwin a encostar para o bis, agora com o pé. 3-1 e tudo resolvido aos 61’. Aí, o Benfica até poderia ter marcado mais, mas já não era necessário para manter o início em pleno na Liga.

Positivo e negativo
+A evolução de Darwin
Está solto e mais confiante. Darwin Núñez é o espelho do bom momento benfiquista neste arranque de época. Marcou por duas vezes e esteve perto de somar mais à conta pessoal. Águia mete a sexta e volta a fugir aos rivais, novamente a quatro pontos.

-Sauer em feridas abertas
Exibição muito intranquila do Benfica no processo defensivo, com muito espaço para os jogadores axadrezados junto à área. Gustavo Sauer aproveitou para ferir águia com um golaço e ameaçou repetir a façanha por mais um par de vezes. A rever.

Arbitragem
Otamendi faz penálti
Não é um lance de fácil análise, mas Otamendi toca em Makouta antes de chegar à bola, aos 60’, provocando a queda do jogador axadrezado, já no interior da área benfiquista. Acaba por cortar para canto, mas o contacto é anterior.

Momentos do jogo
14’
Otamendi solicita Yaremchuk na profundidade e o ucraniano atrasa para Diogo Gonçalves. O cruzamento do ala saiu perfeito para a cabeça de Darwin, que não falha na cara do golo. 1-0 na Luz.

32’
Perda de bola de Weigl em zona proibida, com Sebastián Pérez a pôr de imediato em Gustavo Sauer e o brasileiro a disparar para um golaço ao ângulo. Odysseas nada podia fazer.

34’
Weigl redime-se do erro dois minutos depois. Livre para o Benfica, João Mário a encontrar Otamendi que faz a assistência para o poste contrário, onde o alemão encosta para o 2-1 encarnado.

Darwin bisa e faz xeque-mate
Odysseas – Uma defesa vistosa a remate de Sauer (30’), mas nada a fazer no remate que deu golo ao boavisteiro.
Lucas Veríssimo – Um passe à queima para Weigl que acabou por dar o golo ao Boavista.
Otamendi – Tem papel ativo no 2-1 quando assistiu Weigl de cabeça. Falta para penálti sobre Makouta.
Vertonghen – Discreto mas eficaz a defender. Não se aventurou no ataque.
Diogo Gonçalves – Boas arrancadas e cruzamentos para área a gerarem situações perigosas.
Weigl – Perde a bola em zona proibida e permite o golo do Boavista. Redimiu-se no lance seguinte ao fazer o 2-1 com um bom cabeceamento.
João Mário – Trabalhador. Recuperou muitas bolas e controlou o ritmo da equipa. Bom cruzamento para Otamendi que deu origem ao golo de Weigl.
Grimaldo – Imprimiu velocidade ao seu flanco e criou bastantes problemas à defesa axadrezada.
Rafa – Teve pouca bola e quando a tinha sofreu falta, algumas bem duras. Assistiu Darwin no 3-1.
Yaremchuk – Muito ativo no início da partida com um passe para Darwin que podia ter dado golo. Depois foi desaparecendo do jogo.
Darwin - Darwin entrou com tudo. Fez dupla com Yaremchuk e abriu o marcador logo aos 14’ num golpe de cabeça. Fez o 3-1, após assistência de Rafa e ainda ficou muito perto do hat trick.
Lazaro – Refrescou, mas foi menos acutilante. Bom cruzamento para Everton.
Everton – Um grande cabeceamento travado por Bracali.
Rodrigo Pinho – Ajudou.
Morato – Um corte.
Pizzi – Sem bola.

"6.ª vitória era importante"
"A sexta vitória consecutiva era importante por vários motivos, por ser frente ao Boavista, que no ano passado nos tirou essa marca. Somos uma equipa que em qualquer momento faz golo. O Benfica não precisa de estar muito tempo a atacar", disse Jorge Jesus.
Ver comentários