Estes russos são fogo

Supostamente, teriam fama de frios e calculistas, mas o historial dos russos no futebol português tem incendiado o panorama desportivo nacional. Os russos são uma mistura explosiva de talento com rebeldia e risco incalculado. Izmailov ‘só’ fugiu para Moscovo... em dia de jogo.
03.04.10
  • partilhe
  • 0
  • +
Estes russos são fogo
Marat Izmailov, de 27 anos, tem sofrido muitos problemas físicos no joelho direito e esteve parado mais de meio ano Foto Vítor Mota

Os primeiros episódios remontam ao início da década de 90, quando a abertura das fronteiras do Leste trouxe para a Luz e Alvalade os primeiros jogadores russos. Primeiro, Yuran e Kulkov para o Benfica, em 1991/92. Estiveram até 1993/94, num percurso acidentado. Ficou mesmo célebre uma frase de Toni, então treinador das águias no início dessa época que culminou no título de campeão, sobre os russos – Yuran, Kulkov e também Mostovoi: "Não vou pôr três maçãs podres num cesto de maçãs mais ou menos boas."

Contactado pelo Correio Sport, Toni desvalorizou o sentido dessa frase. "Yuran até já admitiu que não gostaria nada de treinar um jogador como ele era. Os russos eram grandes jogadores, muito evoluídos técnica e tacticamente, mas um pouco problemáticos. Se não fosse isso, Yuran e Kulkov podiam ter sido muito melhores, porque Mostovoi era o mais calmo e veja-se aonde chegou. Até tem uma estátua em Vigo." Yuran e Kulkov ainda jogaram no FC Porto e o primeiro até protagonizou um acidente grave, quando embateu num carro que fazia uma manobra proibida de madrugada. O acidente causou uma vítima mortal.

Em Lisboa, começou e acabou o sonho de um futebolista russo então jovem e talentoso. Cherbakov chegou ao Sporting em 1992/93, tinha tudo para uma carreira de sucesso, mas uma imprudente passagem de um sinal vermelho e uma colisão aparatosa, numa madrugada na capital, atirou-o para uma cadeira de rodas. Ficou então paraplégico e com a carreira abruptamente interrompida.

Ovchinnikov, guardião russo contratado pelo Benfica, foi o ‘carcereiro’ de Vale e Azevedo. Devido ao russo, o advogado e então presidente do Benfica acabou por ir parar à prisão. Foi no âmbito de uma investigação da Polícia Judiciária devido a um crime de peculato relativo à transferência do guarda-redes. Vale vendeu o passe de Ovchinnikov, por 500 mil contos, ao empresário Paulo Barbosa mas esse dinheiro nunca chegou a entrar nas contas do Benfica. Para saldar dívidas com o agente, Vale acertou as contas com duas empresas representadas por Barbosa e com o remanescente do dinheiro ainda comprou um iate de luxo, o ‘Lucky Me’ (‘Sorte a Minha’).

NOTAS

VIROSE

O russo Izmailov jogou com uma virose frente ao FC Porto no dia 28 de Fevereiro. Os leões venceram por expressivos 3-0.

DEU SUPERTAÇA

No primeiro jogo que fez em 2007, marcou o golo que valeu uma Supertaça frente ao FC Porto [1-0]. Custou 4,5 milhões à SAD.

IZMAILOV

Talvez o jogador mais pacato de todos os russos que passaram pelo futebol português. Mas também não se livrou ao seu momento de polémica: recusou jogar frente ao Atl. Madrid por sentir dores num joelho. Queixou-se de receber infiltrações, de jogar em esforço, de correr o risco de ter de ser outra vez operado se fizesse mais sacrifícios em competição. Veio a saber-se que viajou para Moscovo no dia em que o Sporting defrontou os ‘colchoneros’. Retractou-se, pediu desculpa, mas ficou malvisto.

BARBOSA É O ESPECIALISTA RUSSO

Paulo Barbosa é o empresário português com ligações mais profundas ao mercado russo. Através dele, chegaram ao Sporting, no Verão de 2007, alguns jogadores do campeonato russo mas apenas Izmailov, de 27 anos, triunfou. Marian Had, lateral-esquerdo, veio emprestado pelo Lokomotiv Moscovo e acabou ‘repatriado’ em Janeiro. Celsinho também chegou do Lokomotiv, Liga russa, rotulado de ‘novo Ronaldinho’ mas a única fama a que fez jus foi a de boémio, tal como a dos últimos tempos do craque do AC Milan. O Sporting explorou o filão russo e também negociou, para sair a custo zero, a chegada de Derlei a Alvalade. O luso-brasileiro alinhava no Dínamo de Moscovo.

NOITADAS, MULHERES E TRAGÉDIAS FORA DE HORAS

YURAN, O TERRÍVEL

Sergey Yuran era o menino terrível do Benfica. ‘Bon vivant’, era tão difícil de segurar dentro do campo como fora dele. Presença regular na ‘boîte’ Maxime, em Lisboa, adorava sair à noite acompanhado por esculturais mulheres russas. Tinha bom gosto.

KULKOV ERA O GUIA DAS 'EXCURSÕES'

Tido como o cérebro, como o líder dos russos, a personalidade forte e liderança ‘arrastavam’ com ele os amigos Yuran e Cherbakov pelas noites de Lisboa. Bem menos exuberante que Yuran e ‘Cherba’, Toni definia-o como um homem de gosto requintado. Adorava vodca.

KARYAKA ACUSOU RONALD KOEMAN

Karyaka passou quase despercebido na Luz. Em 2005, para que poucos o percebessem, disse a um jornal russo o que, traduzido, significava "Koeman prefere os jogadores brasileiros. Portugal é um país atrasado. Penso que Lisboa está 20 anos atrás de Moscovo". Acabou aí Karyaka.

NINGUÉM DEU POR MOSTOVOI

Uma passagem praticamente incógnita pela Luz. Eusébio chegou a dizer que Mostovoi era o melhor dos russos mas o jogador só deu razão à sabedoria do Pantera Negra quando saiu das águias.

CHERBAKOV ACELEROU DEMAIS

O russo era um talento quase ímpar – mas andou demasiado depressa. Acelerou na Baixa de Lisboa e embateu num carro com estrondo. Ficou paralisado da cintura para baixo aos 23 anos. Um drama terrível que deixou abalados todos os sportinguistas e desportistas em geral.

ALENITCHEV TEVE AMUO COM JOSÉ

Alenitchev chegou a amuar por Mourinho não fazer dele titular indiscutível do FC Porto. O médio russo, porém, acabou por ser determinante para as conquistas europeias dos dragões: marcou na final da Champions de 2004. Mourinho foi à festa de despedida.

SAIBA MAIS

PESADELO CSKA

O CSKA, da Rússia, provocou o maior pesadelo da história do Sporting ao vencer a Taça UEFA à equipa leonina, em Alvalade, por 3-1.

2

São dois os futebolistas portugueses que actuam na Rússia, ambos no Zenit Sampetersburgo: Fernando Meira e Danny.

COSTINHA

O actual director para o futebol do Sporting, Costinha, jogou na Rússia pelo Dínamo de Moscovo em 2005 e 2006, sem sucesso.

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!