Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto

FC Porto caça com Paços com golo de Mbemba

Com os avançados longe de criarem perigo, foi o defesa-central quem deu a vitória.
Mário Figueiredo 30 de Junho de 2020 às 08:26
Mbemba, autor do único golo do jogo de ontem, superioriza-se ao pacense Douglas Tanque
Mbemba, autor do único golo do jogo de ontem, superioriza-se ao pacense Douglas Tanque FOTO: Lusa

O FC Porto não perdeu a oportunidade de aumentar para seis pontos a vantagem sobre o Benfica ao bater o P. Ferreira, por 1-0. Com os  goleadores apagados, o dragão foi à caça com o central Mbemba.

O resultado foi bem melhor do que a exibição. A equipa de Sérgio Conceição continua longe do bom futebol que já praticou. No fundo, à semelhança do rival Benfica, que ontem voltou a claudicar, desta feita frente ao Marítimo. Quem não desperdiçou a oportunidade de disparar para o título foi Sérgio Conceição. Apresentou uma equipa com três alterações. Sérgio Oliveira ficou de fora por castigo e entrou Uribe. Danilo e Manafá também voltaram ao onze.

E o Dragão não precisou de muito tempo para se colocar em vantagem. Na sequência de um canto, o guarda-redes Ricardo Ribeiro afastou a bola para os pés de Mbemba e, aquele que é um dos mal-amados do plantel portista, fez o 1-0. Veio a tranquilidade e com ela a passividade na gestão do resultado.

Na etapa complementar, o adormecimento portista podia ter custos pesados. Valeram duas grandes defesas de Marchesín, a remate de Luiz Carlos e a uma bomba de Jorge Silva. Luís Díaz entrou e desperdiçou um golo fácil. Um triunfo justo, mas com alguns sustos.

Defesa dá liderança folgada
Marchesín – Duas defesas complicadas a remates de Hélder Ferreira e Luiz Carlos. Perto do fim o momento da noite: grande estirada a remate de Jorge Silva. Decisivo.
Mbemba - O central marcou o golo que dá seis pontos de vantagem ao FC Porto. Importante no ataque e seguro a defender. No segundo tempo não falhou.
Manafá – Boas descidas pelo flanco com alguns cruzamentos perigosos. Desconcentrou-se após o descanso.
Pepe – Alguns desposicionamentos. Subiu vários patamares no segundo tempo quando varreu o que tinha para varrer. Importante para manter a solidez defensiva.
Telles – Sentiu dificuldades no segundo tempo. Terminou em défice físico.
Danilo – Regresso à titularidade com muita disponibilidade física e pouco mais.
Uribe – Tentou ser o elo de ligação entre a defesa e o ataque. Não esteve mal, mas também não se destacou.
Otávio – Levou um raspanete de Conceição no final do primeiro tempo. Menos interventivo do que o costume, saiu descontente... com a exibição.
Corona – Parece estar a atravessar um momento menos positivo.
Marega – Esteve alheado do jogo, depois da grande exibição frente ao Boavista.
Soares – Lutou muito na frente. Várias vezes descaiu para as laterais, mas as coisas não lhe correram bem e acabou por ser o primeiro a sair.
Luis Díaz – Falhou de forma incrível o 2-0.
Loum – Para refrescar.
Fábio Vieira – Pouco tempo.
Vitinha – Boa transição.

ANÁLISE
Mbemba... goleador
É um dos mal-amados do plantel, mas ontem revelou-se decisivo ao marcar um golo madrugador que deu tranquilidade à equipa. Fez o quarto golo nesta época, depois de ter marcado frente ao Coimbrões (Taça), V. Setúbal e Rio Ave (Liga).

Falta de intensidade
A equipa de Sérgio Conceição continua a revelar grande falta de intensidade. Confundiu a tranquilidade do golo com uma enorme passividade e passou por momentos de dificuldade. Foi um triunfo justo, mas sem brilho e com poucas ocasiões de golo.

Dois lances duvidosos
Dois lances da partida foram suscetíveis de criar dúvidas por mão na bola dentro da área. Primeiro foi Pepe e depois Manafá. Em ambos os casos, o vídeo-árbitro mandou jogar. O juiz Luís Godinho esteve igualmente bem no capítulo disciplinar.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)