Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
6

Fernando Santos é o sexto treinador mais bem pago do Mundial

Selecionador Nacional recebe 2,25 milhões de euros. Quase o dobro do que auferia antes de renovar até 2020.
Mário Morgado Ribeiro 25 de Maio de 2018 às 01:30
Fernando Santos
Fernando Santos
Treino da Seleção Nacional
Fernando Santos
Fernando Santos
Treino da Seleção Nacional
Fernando Santos
Fernando Santos
Treino da Seleção Nacional
Fernando Santos integra o lote dos selecionadores mais bem pagos que vão marcar presença no Mundial, ao aparecer na sexta posição com um salário anual fixado nos 2,25 milhões de euros, revelou o site Totalsportek.

O treinador da seleção nacional viu o seu ordenado aumentado em 2016, justificado pela conquista do Campeonato Europeu. Antes da renovação, o técnico de 63 anos recebia 1,23 milhões de euros, pelo que quase duplicou o salário. A extensão do vínculo com a Federação, até 2020, foi uma forma de premiar Fernando Santos pelo feito histórico em França, mas também de dar continuidade ao trabalho do técnico, tendo em vista o Mundial na Rússia.

Ainda que o selecionador nacional seja um dos que têm o salário mais elevado, há quem tenha um ordenado bem maior. Joachim Löw, treinador da seleção alemã, lidera a lista com 3,85 milhões de euros anuais. Este ano, o técnico viu o seu ordenado aumentado, depois de renovar até 2022. Antes, auferia 2,74 milhões. Logo atrás estão dois selecionadores com o mesmo montante: Tite (Brasil) e Didier Deschamps (França). Ambos recebem 3,5 milhões por ano. Segue-se o espanhol ex-FC Porto Julen Lopetegui (3 milhões). Não é surpresa que estes quatro técnicos sejam os mais bem pagos, tendo em conta que as seleções que orientam são as favoritas para conquistar a competição. Já o russo Stanislav Cherchesov aufere 2,6 milhões de euros.

Há ainda a destacar o ordenado de Carlos Queiroz, selecionador do Irão, também ele um dos mais bem pagos com 2 milhões de euros, a par do inglês Gareth Southgate. Hervé Renard, técnico de Marrocos, outro dos adversários de Portugal além de Irão e Espanha, surge a meio da tabela com 780 mil euros.

O último lugar desta lista pertence a Aliou Cissé, selecionador do Senegal, com 200 mil euros por ano.

William e André no treino
 William Carvalho e André Silva foram os dois reforços para Fernando Santos, selecionador nacional, no treino de ontem, na Cidade do Futebol. O médio do Sporting é o primeiro jogador dos leões a integrar o estágio da seleção nacional que antecede a viagem para a Rússia, para disputar o Campeonato do Mundo de 2018, ficando a faltar Rui Patrício, Gelson Martins e Bruno Fernandes.

Já Bruno Alves, central do Glasgow Rangers, deixou elogios ao companheiro de posição do Benfica Rúben Dias, que integra pela primeira vez um estágio da equipa das quinas. "Um defesa tem de ser sempre mais forte, mais agressivo para conquistar a bola. O Rúben é agressivo, mas honesto. Quer sempre conquistar a bola e vencer", sublinhou. 

SAIBA MAIS
40 anos depois
A Itália ficou-se pelo play-off de apuramento para o Mundial diante da Suécia (derrota por 1-0 na 1ª mão e empate a zero na 2ª mão). Desde 1958 que os italianos não falhavam uma fase final do Campeonato do Mundo.

Contribuição leonina
O Sporting é o clube mais representado nas seis fases finais do Mundial em que a seleção nacional participou. Os leões contribuíram com 26 jogadores, contra 22 do Benfica e 18 do FC Porto. Chelsea e Real Madrid surgem logo a seguir com 4.

João Mário deixa uma  promessa "cabeluda"
João Mário, médio do West Ham, fez uma promessa há dois anos, antes da partida para o Euro 2016, que em caso de vitória, deixaria crescer o cabelo: não cumpriu. Desta vez, se Portugal conquistar o Mundial, o médio vai deixar crescer o cabelo, tal como o de Fellaini.












Ver comentários
C-Studio