Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
2

Golo irregular de Mateus 'salva' Boavista na visita ao Belenenses

Golo apareceu no final do encontro.
Lusa 10 de Janeiro de 2018 às 00:09
Jogo Belenenses-Boavista
Jogo Belenenses-Boavista
Jogo Belenenses-Boavista
Jogo Belenenses-Boavista
Jogo Belenenses-Boavista
Jogo Belenenses-Boavista
Jogo Belenenses-Boavista
Jogo Belenenses-Boavista
Jogo Belenenses-Boavista
Jogo Belenenses-Boavista
Jogo Belenenses-Boavista
Jogo Belenenses-Boavista
O Boavista salvou esta terça-feira um ponto na visita ao Belenenses (1-1), graças a um golo tardio e irregular de Mateus, no jogo que fechou a 17.ª jornada e a primeira volta da I Liga portuguesa de futebol.

Benny, aos 15 minutos, deu vantagem aos lisboetas, que acabaram por sofrer o empate aos 90 minutos, por intermédio de Mateus, num lance no qual o avançado angolano, que tinha sido lançado na segunda parte, beneficia de um fora-de-jogo não sancionado pela equipa de arbitragem.

Com esta igualdade, o Belenenses somou o 10.º encontro seguido sem vencer (aos sete do campeonato juntam-se os três da fase de grupos da Taça da Liga), ao passo que o Boavista perdeu a possibilidade de igualar Vitória de Guimarães e Desportivo de Chaves.

A proximidade das duas equipas na classificação fazia antever o equilíbrio que se registou, mas que acabou por ser desfeito por Benny, à passagem do quarto de hora: Yebda desmarcou Florent na esquerda, o guarda-redes Vagner retardou em demasia a saída da baliza e, quando se decidiu, já não foi a tempo de impedir o cruzamento do lateral, que serviu o jovem médio.

A resposta boavisteira surgiu pelo pés de Rochinha, mas Filipe Mendes mostrou segurança e evitou o empate, enquanto do lado contrário Vagner teve de se aplicar para impedir que Florent aumentasse a contagem.

De resto, o guardião 'axadrezado' apanhou novo susto em cima do intervalo, quando Benny surgiu em boa posição, mas viu a defensiva visitante fechar os caminhos para a baliza.

Para uma equipa que estava em desvantagem no marcador e que pouco tinha feito para alterar o rumo dos acontecimentos na primeira parte, o Boavista voltou a deixar muito a desejar durante quase toda a etapa complementar.

Por seu lado, o Belenenses era já uma equipa de controlo, que não permitia grandes veleidades ao adversário que poderia mesmo ter ampliado a vantagem, não fosse uma perdida inacreditável de Nuno Tomás, que surgiu sozinho na sequência de um canto.

Jorge Simão arriscou primeiro com a entrada de Mateus e, mais tarde, de Rui Pedro, alargando a frente de ataque, enquanto Domingos respondia com a entrada do central Sasso, o que, ainda assim, não evitou que Kuca quase fizesse o empate, num remate tirou 'tinta' ao poste.

O recuo do Belenenses, que já tinha o estreante Bakic em campo, 'convidou' os boavisteiros a procurarem o empate com maior assertividade e, já depois de Rui Pedro ficar perto de o conseguir, os portuenses alcançaram os seus intentos, por intermédio de Mateus, que 'corrigiu' o remate de Rui Pedro ao poste, mas beneficiou de posição irregular.

Ainda assim, os últimos minutos da compensação reservaram um enorme 'susto' aos visitantes, mas Vagner opôs-se de forma decisiva ao remate de Yebda, antes de Sasso falhar a recarga.
Ver comentários
}