Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
8

Greve de jogadores põe provas em risco

Lei laboral espanhola não permite alterações de partidas caso se realize uma paralisação.
Marco Ferreira 9 de Maio de 2015 às 14:00
Capitães das equipas da I e II ligas espanholas anunciaram a greve com Luis Rubiales
Capitães das equipas da I e II ligas espanholas anunciaram a greve com Luis Rubiales FOTO: D.R.

A Liga espanhola está em risco de terminar já neste fim de semana, quando ficam a faltar duas jornadas para o fim da prova.

A greve dos jogadores, com início marcado para o dia 16 de maio, coloca em risco a reta final da competição e também a final da Taça do Rei (Ath. Bilbao-Barcelona, a 30 de maio).

O diário ‘Marca’ escreve que, caso a paralisação avance, a lei laboral espanhola não permite que os encontros sejam reagendados ou adiados. Com isso, todas as equipas serão punidas com uma derrota por falta de comparência.

Na origem da greve está o decreto governamental, aprovado a 30 de abril, que centraliza a venda dos direitos televisivos e determina que os clubes da liga recebem 90 por cento do valor apurado, sobrando apenas 10 por cento para os do segundo escalão.

A Real Federação Espanhola de Futebol e a Associação de Futebolistas Espanhóis (que reclama ser parte ativa no processo) são contra esta normativa e decidiram unir esforços. O objetivo é claro: forçar o governo a alterar o decreto. A expectativa das duas organizações é chegar a um entendimento para que possa ser disputada a fase decisiva da liga e a final da Taça do Rei.

Javier Tebas, presidente da Liga espanhola, considera esta greve "ilegal" e apresentou ontem queixa na Audiência Nacional Espanhola (um dos mais altos tribunais do país). Na segunda-feira há uma assembleia geral extraordinária de clubes que pode ser determinante. 

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)