Leia as declarações do ex-funcionário do Sporting Bruno Jacinto em interrogatório judicial

Elemento que fazia a ligação do clube às claques revelou em tribunal organograma dos verdes-e-brancos.
06.12.18
  • partilhe
  • 2
  • +

Bruno Jacinto, ex-funcionário do Sporting que tinha a missão de fazer a ligação do clube às claques de futebol, negou qualquer envolvimento no ataque a Alcochete durante o seu primeiro interrogatório judicial, a que o CM teve acesso. Leia as declarações proferidas na íntegra:

Bruno Jacinto: Eles nunca me disseram e eu nunca soube, da maneira como eles estavam a planear ou deixavam de planear. Uma coisa que eles me tinham dito, o Tiago Silva [Bocas], "ir à Academia"… ok mas falar, para falar num tom mais exaltado com os jogadores. Era uma situação que já aconteceu noutras vezes. Agora agredir nunca me disseram, nem a forma como estavam a planear, nem isso eu sabia.

Juiz: Quando você diz, infelizmente ou felizmente, "estes jogadores eram bem malhados." Isso o senhor justifica como uma expressão. Não queria dizer para ninguém lhes bater…

Bruno Jacinto: Sim.

Juiz: "Esses eram bem malhados". Toda a gente sabe o que isso quer dizer. Bem ou mal, infelizmente ou felizmente… "bem malhados", malhar é bater. Pronto. Felizmente ou infelizmente foi isso que você disse. Não há dúvida.

Bruno Jacinto: Não era… se eu disse não era nesse sentido.

Juiz: Não estamos a falar em intenções, estamos a falar ipsis verbis aquilo que o senhor disse e aquilo que o senhor escreveu.

Bruno Jacinto: Se formos estritamente pela palavra…

Juiz: Quer dizer vamos malhar neles.

Bruno Jacinto: Às vezes a expressão "malhar", nem sempre quer dizer bater, pelo menos no meu ponto de vista.

Procuradora MP: Queria perguntar aqui ao arguido…

Juiz: Faça favor directamente senhora doutora.

Procuradora MP: O senhor diz que não se apercebeu de nada e teve o cuidado de referir agora que na verdade o encontro com o Bocas, Tiago Silva, que o senhor efectivamente esteve com ele presencialmente mas que o senhor Fernando Barata, mais conhecido por Fernando Mendes, estava afastado. Mas por que é que o senhor telefonou para o Bocas, o Tiago Silva, e disse-lhe "já cá estou"?

Bruno Jacinto: E eu..

Procuradora MP: Mas por que é que telefonou? Se já na véspera…

Bruno Jacinto: Porque ele…

Procuradora MP: Qual era o assunto?

Bruno Jacinto: Taça de Portugal.

Procuradora MP: Desculpe lá, o Bocas é quem? Ele é o quê neste País e neste mundo?

Bruno Jacinto: Na altura dos acontecimentos…

Procuradora MP: Sim.

Bruno Jacinto: Era…

Procuradora MP: Esse senhor Tiago Silva é quê? Adepto de quê?

Bruno Jacinto: Era o responsável da Juve Leo pela gestão dos bilhetes.

Procuradora MP: Era desculpe?

Bruno Jacinto: Era o responsável da Juve Leo pela questão dos bilhetes.

Procuradora MP: Dos bilhetes.

Bruno Jacinto: Exatamente.

Procuradora MP: Pelo dinheiro que o senhor tinha em casa. Sim.

Bruno Jacinto: Era eu que falava com ele para saber o número de bilhetes que precisava.

Procuradora MP: Mas por que é que o senhor que falava com ele e não com o líder da claque?

Bruno Jacinto: Porque era o Tiago Silva o responsável no momento por essa gestão.

Procuradora MP: Mas por que é que era o Tiago Silva? Mas quem é que decidiu isso na claque da Juve Leo?

Bruno Jacinto: O líder.

Procuradora MP: Qual líder? Diga lá o nome do traficante! Por amor de Deus! De uma vez por todas! Diga o nome!

Bruno Jacinto: O Mustafá é que decide quem é que faz o quê.

Procuradora MP: Ahhh. Portanto o senhor achou que se na véspera o dito… O senhor tem este raciocínio: na véspera, véspera, alguém diz… "o senhor Tiago Silva é o responsável pelos bilhetes", ou seja, o dinheiro com o qual os senhores ficam. E o senhor também tinha os bilhetes em casa e ficou com o dinheiro. E já tinha os bilhetinhos do novo jogo, do Arsenal, fica a saber…

Bruno Jacinto: Sim.

Procuradora MP: Ah tinha?! Pois então tem de o devolver porque sabe perfeitamente que já não é funcionário do Sporting.

Bruno Jacinto: Sim.

Procuradora MP: Volto a repetir-lhe: foi chamado ao departamento dos recursos humanos para rescindir o contrato. Não sei porque é que está aqui a dizer que não foi. Não consigo perceber.

Bruno Jacinto: ‘Tá’ bem mas… acho eu…

Procuradora MP: ‘Tá’ bem não! Está a falar para um juiz e está a dizer que é funcionário quando sabe que foi chamado…

Bruno Jacinto: Fui chamado… Ainda não assinei…

Procuradora MP: Pois, está bem, eu não estou a dizer que assinou. Eu já lhe expliquei.

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!