Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
2

Moniz diz que Paulo Gonçalves colocou lugar à disposição mas o Benfica não aceitou

Vice das águias diz que foi "um ato nobre"do assessor jurídico do clube, apanhado na Operação e-toupeira.
14 de Março de 2018 às 19:16
Paulo Gonçalves
Paulo Gonçalves
Luís Filipe Vieira viu o seu braço-direito, Paulo Gonçalves, ser detido por corromper funcionários judiciais
Paulo Gonçalves
Paulo Gonçalves
Luís Filipe Vieira viu o seu braço-direito, Paulo Gonçalves, ser detido por corromper funcionários judiciais
Paulo Gonçalves
Paulo Gonçalves
Luís Filipe Vieira viu o seu braço-direito, Paulo Gonçalves, ser detido por corromper funcionários judiciais

José Eduardo Moniz, vice-presidente do Benfica, explicou que Paulo Gonçalves colocou o lugar à disposição face ao processo E-toupeira, mas viu a confiança reforçada por parte das águias.

"A primeira atitude que tomou foi colocar o lugar à disposição porque, segundo ele próprio afirmou, não queria colocar o Benfica perante nenhuma situação que porventura o fragilizasse. Acho que é um ato nobre, de alguém que tem a noção de que o Benfica está acima de qualquer um de nós. Está acima dele, de mim, do presidente. Como não queríamos antecipar-nos à justiça e julgamos que terá todas as possibilidades de se defender dos factos que lhe são imputados, não aceitámos", frisou Moniz à BTV.

"Aquilo que nós estamos a fazer aqui é a proteger o património do Benfica e a proteger os seus interesses e assegurar que o futuro do clube é auspicioso. É para isso que estamos aqui a trabalhar de forma apaixonada e desinteressada", acrescentou.

Benfica presidente José Eduardo Moniz Paulo Gonçalves E-toupeira BTV desporto futebol
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)