Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto

Movimento que apoia Bruno de Carvalho vai impugnar eleições no Sporting

Grupo que defende antigo dirigente considera ato eleitoral marcado para sábado como "uma aberração".
4 de Setembro de 2018 às 15:52
Bruno de Carvalho
Bruno de Carvalho
Bruno de Carvalho
Bruno de Carvalho
Bruno de Carvalho
Bruno de Carvalho
Bruno de Carvalho
Bruno de Carvalho
Bruno de Carvalho
O movimento que apoia a candidatura rejeitada de Bruno de Carvalho à presidência do Sporting tenciona impugnar as eleições de sábado, baseando-se na alegada ilegalidade da Assembleia Geral (AG) de destituição e dos processos disciplinares.

"Se não houver uma decisão judicial até essa data, no dia útil imediatamente a seguir [à Assembleia Eleitoral] entrará um pedido de impugnação da deliberação", afirmou o advogado de Bruno de Carvalho.

Numa conferência de imprensa, que não contou com a presença do presidente destituído, José Preto considerou "uma aberração" que o ato eleitoral marcado para sábado, que deverá eleger o sucessor de Bruno de Carvalho.

Alexandre Godinho, antigo vogal do Conselho Diretivo (CD) liderado por Bruno de Carvalho, foi o porta-voz do movimento "Feitos de Honra Leais ao Sporting", para explicar os principais fundamentos da impugnação das eleições, anunciada na segunda-feira, no Facebook, pelo presidente destituído.

"É impossível que o ato eleitoral não seja impugnado", disse Alexandre Godinho, referindo que na base da impugnação estará "a ilegalidade da AG de 23 de junho", que destituiu o CD liderado por Bruno de Carvalho, e a "ilegalidade dos processos disciplinares" interpostos pela Comissão de Gestão.

Alexandre Godinho, que também foi suspenso de sócio, enunciou outras alegadas irregularidades, lembrando que decorrem em tribunal processos sobre estas matérias.

O antigo vogal garantiu estar convicto de que se Bruno de Carvalho fosse a votos "ganharia" as eleições.

"Neste momento, assistimos a uma divisão de votos. Teríamos uma votação muito significativa, que nos levaria a uma vitória", referiu Alexandre Godinho, considerando que o CD suspenso está a ser alvo de "um julgamento sumário sem hipótese de defesa".

Eleito presidente do clube em março de 2013 e reconduzido em 2017, Bruno de Carvalho foi destituído do cargo na reunião magna de 23 de junho, com 71,36% dos votos, e posteriormente suspenso de sócio pela Comissão de Fiscalização criada na sequência da demissão da maioria dos membros do Conselho Fiscal e Disciplinar.

Na sequência da decisão, foram convocadas eleições para os órgãos sociais do clube, para o próximo sábado, e Bruno de Carvalho viu a sua candidatura rejeitada pela Mesa da AG, com base no facto de o ex-presidente estar suspenso de sócio.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)