Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
6

Leão deixa-se apanhar por águia

Equipa de Jorge Jesus divide liderança com Benfica.
Octávio Lopes 9 de Fevereiro de 2016 às 01:45
Slimani num lance durante o jogo desta segunda-feira frente ao Rio Ave
Slimani num lance durante o jogo desta segunda-feira frente ao Rio Ave FOTO: José Sena Goulão/Lusa

O Sporting empatou (0-0) ontem, em Alvalade, diante do Rio Ave, num jogo emotivo e intenso, em que o desfecho acaba por premiar uma equipa que montou uma segura muralha defensiva.

Os vila-condenses, porém, não se limitaram a tomar conta da sua baliza: tal como os leões, tiveram boas oportunidades para faturar. Rui Patrício e Cássio, aliás, acabaram por ser protagonistas, pelas defesas que efetuaram.


O jogo começou com as duas equipas a praticarem um futebol vistoso, numa toada da parada e resposta. No minuto 12, um alívio de Roderick contra Marcelo levou a bola até ao isolado Ruiz, que acertou em Cássio. Logo a seguir, João Mário isolou Slimani, que, com Roderick a incomodá-lo, atirou contra Cássio.

O Rio Ave respondeu aos 16 minutos - centro de Edimar para Tarantini se antecipar a Coates e atirar perto do alvo – e, aos 24, quando Kayembe obrigou Patrício a uma grande defesa. No lance seguinte, Adrien, solto na área, rematou para boa defesa de Cássio.

Na sequência do canto, o guarda-redes brasileiro voltou a brilhar, ao tirar a bola da cabeça de Coates, após passe, também de cabeça, de Teo. Este foi o lance que virou o jogo. A partir daqui, o Sporting passou a dominar. Cercou a área adversária, mas só criou perigo numa jogada com nota artística de João Mário: na área, recebeu no peito e rematou de primeira, respondendo Cássio com uma defesa complicada. Perto do intervalo, Bressan isolou Tarantini, que obrigou Patrício a uma intervenção difícil.


A 2ª parte começou, praticamente, com Patrício a fazer uma espantosa defesa, a um cabeceamento picado do isolado Kayembe. Depois deste lance, o Sporting foi o dono do jogo. E, no minuto 58, Slimani, a dois metros da linha fatal, cabeceou por cima. Após este susto, os vila-condenses armaram dois autocarros frente à sua área e o os leões tiveram enormes dificuldades para lá entrar. Contudo, Coates ainda marcou, golo que foi anulado, dado que tocou em Yazalde, impedindo-o de jogar a bola.

Apesar da férrea defesa adversária, Barcos e Gelson tiveram duas boas oportunidades: na primeira, Cássio parou o cabeceamento e, na segunda, a bola saiu ao lado. E num dos poucos ataques do Rio Ave, João Pereira derrubou Vilas Boas na área. Carlos Xistra mandou seguir. Enganou-se. Era penálti.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)