Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
7

Presidente do Sp. Braga acredita que Sporting vai cumprir acordo: "Rúben ganha 2,5 milhões"

Salvador acredita que Leão pagará dentro dos prazos.
Secundino Cunha 18 de Setembro de 2020 às 08:19
António Salvador e Rúben Amorim
António Salvador e Rúben Amorim FOTO: Luís Vieira
O presidente do Sp. Braga acredita que o Sporting vai cumprir o acordo, assinado há dias, relativo ao pagamento da transferência de Rúben Amorim para Alvalade, onde ganha 2,5 milhões de euros.

Em entrevista ao Next, o canal do clube, António Salvador revelou que quis renovar com o atual treinador dos leões, propondo-lhe um vencimento de 600 mil euros por ano, mas que, apesar disso, ele preferiu rumar a Alvalade. "Propus duplicar-lhe o salário, passando de 300 para 600 mil euros, e estender o contrato por mais um ano, passando de dois para três. Mas ele tinha uma proposta de 2,5 milhões por época e assim é muito complicado", explicou o dirigente minhoto.

O presidente arsenalista, que estreou o estúdio do canal televisivo do clube, lamentou toda a novela e o incumprimento por parte do Sporting, mas manifestou-se convencido de que os leões vão, agora, cumprir os prazos do novo acordo.

"O Sporting é uma instituição de bem e penso que, depois dos prejuízos resultados do primeiro incumprimento, vai cumprir os novos prazos, até porque, se não cumprir, terá de pagar mais 1,8 milhões de euros. De resto, este acordo só foi possível porque o Dr. Frederico Varandas reconheceu a dívida e aceitou os termos do novo acordo", acrescentou.

António Salvador falou também das propostas por Paulinho, da venda galáctica de Trincão, dos objetivos para a nova temporada e das dificuldades inerentes à pandemia.

Quanto a Paulinho, Salvador disse que "tem havido muitas abordagens, mas nenhuma que cumpra as nossas exigências", assumindo que o ponta de lança de 27 anos pretende dar o salto. Afirmou, ainda, que a venda de Trincão ao Barcelona "é fruto do grande investimento na formação".

Finalmente, o líder bracarense disse que, devido à Covid-19, "vêm aí tempos muito difíceis" e que o objetivo é "fazer melhor do que no ano passado".
Ver comentários