Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
5

Sporting 'apaga' a Luz e vive uma noite de sonho

Leão muito superior ao Benfica. Sarabia inaugurou marcador na primeira parte, Paulinho e Matheus Nunes aproveitaram avenidas na defesa encarnada.
Sérgio Pereira Cardoso, João Moniz e Mário Figueiredo 4 de Dezembro de 2021 às 01:30
Matheus Nunes festeja o terceiro golo do Sporting no Estádio da Luz. Um lance que ‘matou’ o jogo
Matheus Nunes festeja o terceiro golo do Sporting no Estádio da Luz. Um lance que ‘matou’ o jogo FOTO: Paulo Calado
Lição do campeão na Luz. Um grande Sporting saiu em alta de um jogo em que até teve muitas baixas. Um arraso de Amorim a Jesus com golos de Sarabia, Paulinho e Matheus Nunes. Atropelamento e fuga do leão na classificação - fica, junto com o FC Porto, a quatro pontos do Benfica, que ainda reduziu por Pizzi.

O jogo foi de sinal verde, mas até começou em tons de amarelo. Com a Covid a apertar, registou-se pouco distanciamento social na Luz. Aos 50 segundos e já o Sporting tinha dois cartões. Até ao intervalo, seriam cinco - João Mário como principal castigado - contra dois das águias.

Em futebol jogado, ainda maior superioridade da equipa de Amorim, que trouxe os miúdos Ugarte e Inácio para as posições de Palhinha e Coates. Jesus escolheu Lázaro e André Almeida e foi por aí que a coisa afundou. Aos 8’, Sporting chamou uma versão diferente da PSP - Porro, Sarabia e Pote. O primeiro combinou com Pedro Gonçalves e este fez um centro perfeito para Sarabia. À vontade, o espanhol rematou de primeira para um belíssimo golo no 0-1.

A resposta foi dada na única oportunidade benfiquista na primeira parte - cabeceamento de Grimaldo para defesa de Adán. De resto, sempre mais perigo no lado contrário. Pote atirou um par de bolas para fora e outra desviada por Odysseas para o poste (39’). O Sporting marcou mesmo, já nos descontos, por Paulinho, mas o VAR anulou por fora de jogo.

Intervalo e Jesus a tirar Lázaro para meter Yaremchuk, com Everton a ficar com a ala direita. Ora, Amorim também mexeu, mas devido a lesão de Feddal. À hora de jogo, o Benfica crescia e Darwin acertou no ferro, de cabeça. O Sporting levantou-se do susto, e de que maneira. Matheus Nunes abre uma avenida e isola Paulinho - o avançado pica sobre Odysseas. 0-2.

Rafa teve tudo para reacender a Luz, só que acertou também no ferro. Pior para a águia: a história repetiu-se. Matheus Nunes à vontade a correr até à baliza e 0-3. Festival verde que nem o 1-3 de Pizzi estragou. ‘Olés’ na bancada leonina. Assobios e lenços brancos para Jesus.

Positivo e negativo
Atropelamento e fuga
Sem Coates, sem Palhinha e, já com 0-1, sem Feddal. Rúben Amorim deu uma lição a Jorge Jesus e ganhou as apostas que fez - até na confiança que demonstrou nos pupilos. Atropelamento e fuga, com o Benfica agora a quatro pontos.

Jesus foi arrasado
Mau do início ao fim. Com André Almeida e Lázaro, as águias foram amarradas desde o começo e o cenário piorou com o tempo. A certa altura, o momento defensivo do Benfica foi uma avenida para os leões.

Arbitragem
Sem impacto no final
Começou a distribuir cartões, mas mais por culpa dos jogadores, numa primeira parte quentinha. O VAR anulou um golo ao Sporting e confirmou a anulação de outro ao Benfica. Alguns erros, sem impacto no final.

Momentos do jogo
8’
Combinação perfeita no lado direito do Sporting, com Porro a solicitar Pedro Gonçalves. Pote cruza de forma perfeita para Pablo Sarabia e espanhol remata de primeira para o 0-1.

62’
Paulinho começa a jogada no meio-campo e solicita Matheus Nunes. O médio aproveita uma avenida na Luz para isolar o avançado português, que pica sobre Odysseas para o 0-2.

68’
Passe rasteiro de Esgaio e Matheus Nunes, outra vez sem dificuldade, a passar por André Almeida até ficar na cara de Odysseas. A finalização é irrepreensível e estava feito o terceiro.

Rui Costa e Varandas lado a lado na tribuna
Rui Costa e Frederico Varandas, presidentes de Benfica e Sporting, respetivamente, assistiram ao dérbi desta sexta-feira lado a lado. Na tribuna presidencial do Estádio da Luz também marcaram presença vários antigos jogadores dos encarnados.

Um bote de náufragos à deriva
Odysseas – Enorme defesa aos 37’. Sem culpa nos golos.
André Almeida – Noite horrível. Fica mal visto nos três golos. Já não tem velocidade para equipas como o Sporting.
Otamendi – Tentou não afundar-se na defesa. Grande corte aos 57’. Mostrou raça quando se manteve em campo após magoar-se no joelho.
Vertonghen – Estava fora de posição no 1-0. Inseguro com a equipa a dois centrais.
Lázaro – Um a menos. Não fechou ao centro no 1-0, não deu segurança defensiva e também não apoiou o ataque.
Darwin - Até à entrada de Pizzi foi o único a remar no ataque contra a maré que afundava a equipa na defesa. Com náufragos como colegas manteve a cabeça à tona.
Weigl – Sem o apoio adequado nunca conseguiu desequilibrar a batalha do meio-campo a favor dos encarnados. Bem substituído.
João Mário – Displicente na recuperação defensiva, deixou todo o espaço para Pote centrar para o golo de Sarabia. Remate fraco à figura aos 62’.
Grimaldo – Mais um que nunca atinou com a mobilidade do trio ofensivo leonino.
Rafa – As jogadas individuais não deram em nada.
Everton – Um vazio. Não se percebe porque esteve em campo até aos 85 minutos...
Yaremchuk – Deu presença na área e pouco mais.
Gilberto – Inconsequente.
Taarabt – Não se viu.
Pizzi – Grande remate, belo golo. Porque não joga mais?
Gonçalo Ramos – Sem tempo para nada que se visse.

Matheus Nunes assumiu a batuta
Adán – Seguro e determinado. Transmitiu confiança à equipa nos momento difíceis. Sem culpa no golo.
Luís Neto – Bem no jogo aéreo e aguerrido na luta com os avançados.
Gonçalo Inácio – Está na senda do Coates. Um líder made in Alcochete.
Feddal – Não se deixou condicionar com um amarelo no primeiro minuto. Cumpriu.
Porro – Endiabrado. Fez o flanco todo criando perigo e dissabores aos defesas encarnados.
Matheus Nunes - Assumiu a batuta da equipa. Fez um golão, após uma grande arrancada e a assistência para o golo de Paulinho. Ainda ganhou a ‘guerra’ no meio-campo.
Ugarte – Não tremeu no lugar de Palhinha. Amorim pediu músculo e ele cumpriu com distinção.
Matheus Reis – Jogou simples. Travou as investidas de Lázaro e ainda teve papel ativo no golo anulado.
Pote – Tem um remate ao poste. Criou perigo com a bola nos pés. Grande assistência para o golo de Sarabia.
Sarabia – Dá experiência e qualidade. Fez um golão com um remate de primeira.
Paulinho – Um golo importantíssimo e viu um outro anulado por fora de jogo. Esforçado a defender.
Esgaio – Entrou e cumpriu. Grande passe no golo de Matheus Nunes.
Tiago Tomás – Ainda visou a baliza encarnada.
Bragança – Refrescou o meio campo.
Nuno Santos - Sem tempo.

"Sporting foi mais eficaz"
"A diferença esteve em quem foi eficaz e fez golos. O Sporting teve o mérito de marcar sempre que saiu no contragolpe", disse Jesus, que aponta já para o jogo com Dínamo Kiev: "As próximas horas não vão ser fáceis para os jogadores e técnicos, mas amanhã [hoje] já há treino e temos um importante jogo com o Dínamo. Queremos continuar na Champions."

"Todo o mérito dos jogadores"
"Utilizámos boas saídas dos três da frente. Tivemos muita calma com a bola em todo o jogo. Foi uma adaptação constante. Todo o mérito dos jogadores, que continuam a surpreender toda a gente", disse Rúben Amorim, que elogiou a prestação de Matheus Nunes: "Fez um jogo incrível". "São três pontos e podemos estragar tudo para a semana", salientou.
Ver comentários