Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
9

Supera meningite e torna-se o mais medalhado

Lenine Cunha mostra que a força de vontade não tem limites.
Neuza Campina Padrão 18 de Abril de 2015 às 17:31
Lenine Cunha
Lenine Cunha FOTO: Mariline Alves

Lenine Cunha é o atleta mais medalhado do Mundo. E é português. Quando aos 4 anos deu entrada no hospital devido a uma meningite, nada fazia supor que aos 32  iria ter 171 medalhas conquistadas. Isto contando apenas com as internacionais (Europeus, Mundiais e Jogos Paralímpicos): "As nacionais já lhes perdi a conta, são tantas que nem me apetece contar," diz em tom de brincadeira.

 

Tudo começou após uma meningite que o deixou sem andar, sem ver e sem falar. "Hoje digo que a doença foi das melhores coisas que me aconteceu", assume. E explica: "Era uma criança pouco de­senvolvida, a minha mãe convenceu-me a fazer atletismo precisamente para me desenvolver e para conviver. Por isso, tudo o que sou devo ao meu anjo, a minha mãe. Quis ajudar-me e descobri algo em que sou muito bom."

No início, competia com os "normais" – definição que dá aos atletas sem limitações –, mas quando conheceu o treinador José Costa Pereira percebeu que crescia mais se reconhecesse as suas limitações. Hoje, Lenine compete em deficiência intelectual, já que foi aí que ficaram as principais sequelas.

 

O resto da história conta-se pelo número de medalhas e pelos muitos recordes do Mundo em heptatlo, pentatlo, triplo salto e salto com vara. Só este ano, já conquistou oito medalhas e espera, até aos Jogos Paralímpicos do próximo ano, chegar as 199. "Era giro chegar às 200 no Rio", diz.

"Bronze foi de sonho" 
"Ganhar a medalha de bronze foi um sonho tornado realidade", diz Lenine sobre o feito alcançado nos Jogos Paralímpicos de Londres, em 2012. A primeira, e para já única, subida ao pódio aconteceu 12 anos depois da primeira participação em Sidney (2000). "Já tinha muitas medalhas mas faltava-me a dos Jogos, era um objetivo pessoal que acabei por cumprir com muito suor, lágrimas e dedicação", confessou o atleta.

Saiba mais

Recordes: Ao logo dos 25 anos de carreira, 15 em alta competição, conseguiu estabelecer recordes mundiais de heptatlo, pentatlo e triplo salto. Nos últimos dois anos, alcançou dois recordes do Mundo de salto com vara.

 

Das 171 medalhas internacionais (Europeus, Mundiais e Jogos Olímpicos) conquistadas são de ouro, 54 de prata e 46 de bronze.

 

Bolsas insuficientes: Aos 32 anos, Lenine Cunha é dos poucos atletas paralímpicos a viver apenas do desporto, o que só é possível graças aos patrocinadores individuais. A bolsa de 500 euros atribuída pelo Comité "não é suficiente para viver de forma independente", garante.

Lenine Cunha Jogos Paralímpicos José Costa Pereira Mundo Jogos Paralímpicos de Londres eventos desportivos
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)