Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
8

Peterhansel e Sunderland aclamados no Dakar

Gonçalves brilha entre portugueses foi o português mais bem classificado na chegada a Buenos Aires.
14 de Janeiro de 2017 às 16:48
Stephane Peterhansel
Stephane Peterhansel
Stephane Peterhansel
Stephane Peterhansel
Stephane Peterhansel
Stephane Peterhansel
Stephane Peterhansel
Stephane Peterhansel
Stephane Peterhansel
Stephane Peterhansel
Stephane Peterhansel
Stephane Peterhansel
Stephane Peterhansel, 'sinóniomo' de Rali Dakar, acrescentou hoje mais uma vitória, a 13.ª, ao seu recorde na emblemática prova de todo-o-terreno, enquanto Sam Sunderland tornou-se o primeiro britânico a vencer em motas.

Nas duas rodas, Paulo Gonçalves (Honda) foi o português mais bem classificado na chegada a Buenos Aires, concluindo a sua participação a 52.29 minutos de Sam Sunderland (KTM), que sucede ao australiano Toby Price, depois de ter abandonado nas suas duas participações anteriores.

Na última etapa, Paulo Gonçalves terminou em quinto lugar, a apenas 1.25 minutos do francês Adrien van Beveren (Yamaha), que venceu a derradeira especial, uma troço de apenas 64 quilómetros em Rio Cuatro, antes da ligação a Buenos Aires, para a consagração dos campeõees.

Hélder Rodrigues (Yamaha) terminou a prova em nono na classificação geral (16.° na etapa) a 2:03.6 horas de Sunderland e acima de Joaquim Rodrigues (Hero), que concluiu em 10.°, a 2:19.39 do britânico.

Na ligação entre Rio Cuarto e Buenos Aires, Gonçalo Reis (KTM) terminou em 22.° (26.° da geral), Fernando Sousa Jr. (KTM) em 37.° (42.°), Fausto Mota (Yamaha) em 62.° (49.°), Rui Oliveira (Yamaha) em 75.° (53.°), Mário Patrão (KTM) em 94.º (20.°), Pedro Bianchi Prata (Honda) em 97.º (57.°).

No final da competição Sunderland, de 27 anos, considerou "incrível" a ter concluído o Dakar em primeiro lugar.

"É incrível. Quando cruzei a meta emocionei-me. Levar todo o peso da carreira nos ombros durante mais de uma semana é um peso tremendo. É o primeiro Dakar que termino e fazê-lo em primeiro lugar é uma sensação incrível, é de loucos. Estou sem palavras. Foi difícil e stressante", disse.

Nos automóveis, o francês Stéphane Peterhansel venceu o Rali Dakar pela 13.ª vez, sétima na categoria, acompanhado no pódio pelos compatriotas e colegas de equipa Sébastien Loeb, nove vezes cammpeão do mundo de ralis (WRC), e Cyril Despres.

Peterhansel, recordista de triunfos no Dakar nas categorias de carros e motos, juntou esta vitória ao volante de um carro às alcançadas em 2004, 2005, 2007, 2012, 2013 e 2016, Nas motas, venceu em 1991, 1992, 1993, 1995, 1997 e 1998.

"Antes de iniciar a competição não era possível dar nada como certo. No total seríamos sete ou oito pilotos capazes de vencer. A meio do Dakar, éramos já apenas quatro e na última semana resumiu-se a um duelo de alta tensão e grande velocidade entre mim e o Sébastien [Loeb]", disse Peterhansel.

A Peugeot conseguiu nesta edição do Dakar a sua segunda tripla, depois de o ter feito em 1990, ano em que se retirou dos ralis todo-o-terreno, para regressar somente em 2015.
Ver comentários