Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
2

WSL pede que não se filmem ou fotografem rabos no circuito feminino

Organismo associou-se ao movimento #MeToo.
19 de Março de 2018 às 19:14

A World Surf League associou-se ao movimento #MeToo (de alerta para o assédio sexual) e pediu aos câmaras e fotógrafos que acompanham o circuito feminino algum cuidado na recolha imagens do traseiro das atletas, sobretudo das que competem de biquíni, quando elas realizam movimentos que deixam esta parte do corpo mais exposta. A revelação foi feita pela Stab Magazine

Segundo a revista, a WSL pediu ainda que "não se façam piadas inapropriadas sobre colegas ou atletas", sublinhando que tem de haver "igualdade de género" em toda a linha.

Quando a transmissão é em direto, pede a WSL que os "operadores de câmara usem o bom senso". As raparigas que competem de calções terão mais zoom nos ecrãs do que as que o fazem de biquíni.

Algumas das principais estrelas do circuito, como Stephanie Gilmore e Sally Fitzgibbons, já surgiram de calções esta semana em Snapper Rocks, na Austrália, mas Tyler Wright e Lakey Peterson ainda competem de biquíni.


metoo wsl rabos circuitos feminino surf World Surf League
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)