Barra Cofina

Correio da Manhã

Domingo
9

O elogio de uma vida mais natural

Naturistas estão de volta às praias portuguesas. Filosofia de vida defende liberdade individual e ligação à natureza
15 de Julho de 2012 às 15:00
Rui e Isa na Praia da Adiça, Fonte da Telha
A Praia da Adiça, Fonte da Telha, é uma das 19 onde se pode fazer nudismo
Rui e Isa na Praia da Adiça, Fonte da Telha
A Praia da Adiça, Fonte da Telha, é uma das 19 onde se pode fazer nudismo
Rui e Isa na Praia da Adiça, Fonte da Telha
A Praia da Adiça, Fonte da Telha, é uma das 19 onde se pode fazer nudismo

Rui e Isa usam na praia o mesmo que Adão e Eva no Paraíso. Despidos de roupa e preconceitos, são adeptos do naturismo, uma filosofia de vida que incita à comunhão com a natureza, ao convívio e à liberdade pessoal. Às dez horas de um sábado nubloso juntam-se ao grupo de amigos na praia da Adiça, Fonte da Telha. São adeptos da prática que em Portugal remonta aos anos 1920, foi reprimida durante o Estado Novo e teve ordem de soltura após 1974. E aos poucos somam-se mais praticantes no longo areal a poucos quilómetros de Lisboa. A praia da Adiça não é oficial, mas uma das 19 ‘toleradas' para a prática de naturismo.  Junto aos banhistas nus, casais em fato de banho brincam com os filhos à beira de água; outros escondem o corpo em toalhas apenas para evitar a brisa que arrefece a manhã.  Pelo à-vontade, nota-se que estar despido na praia não é um hábito estranho para quem ali pára. 

ESPAÇOS PARA TODOS

Apesar de pouco divulgado, o naturismo não é tabu no nosso País. "Os naturistas em Portugal não têm motivos para estigmas, vivem de forma legal e enquadrada na lei, têm praias oficiais e de uso e costume naturistas, têm actividades indoor e espaços abertos ao público naturista para a sua prática", explica Rui Elvas, relações-públicas da Federação Portuguesa de Naturismo (FPN), organismo que agrega os vários clubes e associações ligados a esta prática.

Em Portugal, são seis as praias oficiais, 19 as toleradas, a que juntam parques de campismo e clubes. Mais recentemente, a FPN criou também um horário na piscina municipal do Alvito, onde, além da natação, há ioga e meditação naturista, para "ajudar a manter este   espírito mesmo durante o Inverno". Ainda assim, Rui Elvas destaca que noutros países, como França, Alemanha, Croácia e Espanha, o naturismo tem muito mais espaço.

Foi precisamente em Espanha, numa praia junto a Marbella, que Rui e a mulher, Isa, 24 anos, se iniciaram nesta filosofia. "Estávamos de férias e havia duas praias, lado a lado, uma têxtil - como designam os locais onde os banhistas usam fato de banho - e outra naturista. Porque não experimentar aquela, onde as pessoas estavam mais à-vontade?", diz Isa a sorrir.


NATURISTAS MAIS JOVENS

Conta quem experimenta que um vez naturista a prática fica para sempre. Rui e Isa ficaram fãs e só lamentam que as praias oficiais não tenham apoios nem vigilância e que na Linha de Cascais, onde residem, não existam praias desta natureza. "Fiquei com marcas do fato de banho porque adormeci ao sol em Carcavelos", diz Isa, enquanto mostra o rosto e o corpo iluminados por uma gravidez de quatro meses. "Pessoalmente, faz-me bastante mais impressão estar na praia com biquini, que fica molhado e cola-se à areia". E na sua descrição elogia ainda um banho de mar sem roupa.

"É uma sensação única", confirma Júlio Esteves, 41 anos, militar, pai de duas filhas, que costuma praticar naturismo em família. A nudez é vista com "naturalidade" no clã Esteves. "Nunca forcei nada. Quando vamos para a praia, levamos calções e as minhas filhas despem-se se quiserem. O naturismo tem de ser assumido como uma prática individual, de liberdade pessoal", frisa.

JOVENS MAIS RETICENTES

Com adeptos de todas as idades, o naturismo português só sofre pela "não renovação de gerações", nota Rui Elvas, que é também presidente do Clube Naturista do Centro (CNC). "Até uma certa idade, os jovens acompanham os pais, depois, fruto da pressão social, dos amigos, da escola, das mudanças no corpo, etc., deixam de o fazer." No entanto, garante que por volta dos 25 anos  muitos regressam. Nessa faixa etária, assiste-se à redescoberta ou descoberta do naturismo, "associada a maior consciência social, ambiental e interior que ajuda a ultrapassar algumas barreiras edificadas ao longo da vida".

São exactamente esses novos naturistas que dão vida ao movimento. No ano passado, o número de federados cresceu cerca de 40%. E as motivações são várias. Há quem goste de exibir um corpo bem trabalhado, quem evite o desconforto dos têxteis e quem defenda a prática como uma forma de relacionamento social.

José, professor de 54 anos, viajou de Coimbra para Lisboa para participar no encontro promovido pelo CNC na praia da Adiça. "Estas acções facilitam o convívio e praticar  naturismo no seio de uma comunidade é sempre mais  agradável", assegura. O professor, que se começou a despir na época da Revolução, nota que já "houve mais aceitação. As gerações mais novas têm mais pudor, talvez por desconhecimento, por não estarem conscientes de que naturismo implica também o seguir de uma série de regras saudáveis, como a alimentação correcta, o respeito e a proximidade à natureza".

A norte, onde gosta de passar férias, sente falta de mais espaços naturistas. O parque de Oliveira do Hospital fechou há mais de dois anos e muitos portugueses rumam ao norte de Espanha para cumprir os seus desejos. Nem a água fria os demove. "A temperatura não difere muito da de Lisboa."

NA PRAIA EM SOSSEGO

Embora não sendo uma praia naturista oficial, o que não existe na região Oeste, a praia da Gralha, perto de São Marti-nho do Porto, protegida por uma encosta de cerca de 30 metros, é procurada ocasionalmente por quem pratica nudismo, tolerado pelos banhistas, que aproveitam o extenso areal para se protegerem de eventuais mirones.
 
Isabel Simões, 33 anos, professora, já fazia topless, mas só começou por se despir toda na praia depois de incentivada pelo companheiro, oito anos mais velho, administrativo numa empresa das Caldas da Rainha, e que já costumava fazer nudismo na praia da Gralha.
 
"Sempre tive vontade de experimentar, mas, tal como algumas amigas, tinha vergonha e por isso só acompanhada do meu namorado é que me sinto capaz de o fazer, pois dessa forma sinto-se mais protegida", conta.
 
No entanto, a exposição colocou-a um dia numa situação "algo constrangedora". "Encontrei os pais de um aluno na praia e fingi que não os conhecia. Eles estavam à beira-mar de fato de banho e eu não. Tive de esperar que se afastassem para sair da água", recorda.

SEM PRECONCEITOS
 
Com menos problemas de se expor nu na praia está Gentil Louro, de 55 anos, das Caldas da Rainha, bancário em serviço em Coimbra. "Quem quer faz, quem não quer não atrapalha", é a sua filosofia. "Já venho à praia da Gralha há mais de trinta anos e aqui ninguém fica chocado porque sabe que pode encontrar alguém nu, apesar de a maior parte dos banhistas não se despir totalmente", afirma.
 
Na ocasião em que falou com a Domingo usava fato de banho e a esposa fazia topless deitada na toalha. "Não tenho problemas em tirar os calções e ir assim para a água", assegura, indicando que quem costuma ver a fazer nudismo tem entre 35 e 55 anos. "Os mais jovens não fazem", relata.
 
Joaquim Branco, de 51 anos, pratica nudismo "quando apetece". Residente na região de São Martinho do Porto, o banhista afirma que, quando o faz, não tem "preocupação em olhar à volta para ver se está alguém". A companheira faz topless enquanto lê um livro e não se mostra interessada em falar sobre o tema. Joaquim diz que "o nudismo é para se fazer em sossego e não para dar nas vistas. Só assim faz sentido", sustenta.

DEFESA DA REBELDIA
 
Álvaro Campos, 58 anos, natural do Porto, mas residente em Lagos, no Algarve, conta que a atracção pelo naturismo começou na década de 70, "por rebeldia". "Foi na altura em que começaram a aparecer movimentos de pensamento diferentes, eu e uns colegas fomos para a praia do Cabo do Mundo, em Leça da Palmeira, e despimo-nos. Foi libertador", relembra. O ex-funcionário público, agora reformado, tem, desde então, seguido esse modo de vida. Há cerca de 30 anos mudou-se para Lagos, onde trabalhou como funcionário público na autarquia local. "Nunca tive qualquer problema com o facto de ser naturista. Sempre fui aberto em relação ao que fazia, tanto na vida privada como a nível profissional, e nunca me olharam de maneira diferente por isso", esclarece. "Nesta cidade já me conhecem bem por ser naturista."


NU EM CASA

Mas o nudismo não é só praticado nas praias: "Em minha casa é proibido usar roupa, até tenho uma placa a avisar. Tenho dois filhos, de 25 e 34 anos, que foram criados neste espírito e um deles até pertence ao Clube Naturista do Algarve (CNA)". Álvaro Campos também é da direcção do CNA, que este ano faz nove anos de existência e que desde o início tem tentado divulgar a prática de naturismo, bem como desmistificar esta filosofia de vida. Na região algarvia são 11 as praias onde o nudismo é permitido, do Barlavento ao Sotavento, mas apenas três estão devidamente legalizadas: a praia do Barril, em Tavira, parte da ilha Deserta, em Faro, e a praia das Adegas, em Odeceixe, esta última até tem um nadador-salvador, algo que o CNA, com 110 associados, tem lutado para implementar em todas. "Os naturistas também se afogam e precisam de fazer as necessidades fisiológicas. Queremos ser tratados como qualquer banhista e queremos as praias com condições", reclama.

O SEGREDO DA ARRIBA
 
Na praia dos Alteirinhos, Zambujeira do Mar, Odemira, os veraneantes e os naturistas partilham o mesmo areal. As arribas que rodeiam a praia são o esconderijo perfeito para quem está despido de preconceitos e vê na prática do naturismo um modo de vida ligado à natureza. É uma praia permitida a nudistas, sem infra-estruturas e de difícil acesso - por escadas íngremes -, onde é possível tirar a roupa apesar da proximidade dos restantes banhistas.
 
"Costumo vir para esta praia. Aqui sentimo-nos confortáveis quando praticamos nudismo, apesar de partilharmos o areal com pessoas que não o fazem", disse uma naturista de Lisboa, que preferiu não ser identificada.
 
Pura Martinez, natural de Badajoz (Espanha), é adepta do naturismo há mais de 20 anos. Diz que as praias portuguesas são a sua primeira escolha na época de férias. "Não tenho problemas com isso porque na minha idade não escondo nada". Divide-se entre a Zambujeira do Mar e a praia do Meco, onde o extenso areal lhe permite alguma tranquilidade, mas é na costa alentejana que encontra o merecido descanso. "As praias naturistas são mais reservadas e há uns anos havia mais pessoas a fazerem nudismo", reconhece a professora de 49 anos, acompanhada pela filha, Lucia Gañan, de 23, para quem o naturismo "é normal"; além da companhia da mãe "é habitual frequentar outros locais com amigos" adeptos do nudismo, em Portugal e Espanha.

CAUTELAS

Pura tinha a mesma idade da filha quando se deixou atrair pelo naturismo e razões não lhe faltam para se manter fiel. "Sempre gostei mais das praias onde se pratica nudismo, depois acabei por perceber que era mais barato e, por último, não fico com marcas no corpo. Em geral, as pessoas são mais bonitas e simples nuas do que vestidas."
 
Mas muita coisa mudou para a professora que não esconde as saudades dos tempos em que as praias eram muito concorridas: "Agora vejo mais gente vestida do que a praticar naturismo. Não tenho problemas com isso, mas prefiro que as praias naturistas sejam frequentadas apenas por quem faz nudismo."


CLUBES DE NUDISTAS NO MUNDO

Lista elaborada pelo site de turismo da CNN com os 15 destinos ideais para a prática naturista

1) Praia de Jerolim, Croácia
A ilha de Jerolim, perto da cidade de Hvar, no sul do país, é conhecida pelas águas cristalinas e praias preservadas , muito frequentadas por naturistas. Para mais privacidade, há pequenas enseadas escondidas por árvores.
 
2) Praia da Galheta, Santa Catarina, Brasil
A cerca de 20 km a sul de Florianópolis, entre a Barra da Lago e a Praia Mole (as praias mais frequentadas de Santa Catarina), existe uma praia protegida e apreciada por naturistas. Com um quilómetro de extensão, a praia da Galheta tem areia fina, vegetação e tranquilidade.
 
3) Praia Nudista de Marina di Camerota, Itália
A pequena cidade do sul da Itália Marina di Camerota, a 90 km de Salerno, é um dos melhores locais para um mergulho sem roupa. Recentemente, uma faixa de 300 metros das praias de Camerota, chamada praia del Troncone, foi atribuída a naturistas. Fica entre as águas límpidas do Mediterrâneo e o parque nacional de Cilento.
 
4) Villas Anantara Phuket, Tailândia
O resort de luxo Anantara Phuket Villas, na ilha de Phuket, Tailândia, tem 83 villas, equipadas com jardim particular, piscina e totalmente protegidas de olhares indiscretos. Apesar de este tipo de mergulho não ser comparável a um mergulho numa praia na natureza, um banho na piscina ou no jacuzzi, com um mini bar lotado, também tem charme.
 
5) Cruzeiro Naturista pela  Côte d'Azur, França
A empresa Croisière Med oferece cruzeiros diferentes para os que querem conhecer o belo litoral da Côte d'Azur sem usar fato de banho. Partindo de Marselha, os cruzeiros duram uma  semana e percorrem as águas azuis, parando em pontos escondidos para mergulhar, pescar ou fazer snorkeling. Sempre sem roupa. O preço é de 152 dólares diários por pessoa.
 
6) Black's Beach, Califórnia
A cidade balneária de La Jolla, no litoral de San Diego, tem uma das melhores praias naturistas dos EUA, numa longa faixa de areia protegida por penhascos impressionantes. San Diego, que tem uma lei antinudez, não aplica a regra a este paraíso nudista com frequentadores fiéis.

7) Racquet and Tennis Club, Nova Iorque,  EUA
O Racquet and Tennis Club é um clube exclusivo e tradicional de Manhattan, na famosa Park Avenue. Os sócios costumam ser ricos executivos, advogados e banqueiros de Nova Iorque que, além de jogar ténis querem dar um mergulho despidos após o trabalho.
 
8) Cachoeiras Lady, País de Gales
Kate Rew, autora de livros turísticos para nudistas, diz que as cachoeiras Lady, no parque nacional de Brecon Beacons, no sul de Gales, são um dos melhores lugares naturistas do Reino Unido. Um sentimento místico envolve o local, com belas quedas de água entre florestas, mas a zona não é reservadas para nudistas.
 
9) Capella Pedregal, Cabo San Lucas, México
Mergulhar numa piscina particular pode evitar problemas do nudismo em lugares públicos. O resort Capella Pedregal, no Cabo San Lucas, na ponta da península de Baja Califórnia, tem 66 quartos com vista sobre o mar e piscina protegida de mirones.
 
10) Maslin Beach, Adelaide, Austrália

A praia de Maslin Beach, a 35 km da cidade de Adelaide, no sul da Austrália, foi a primeira a ser declarada legalmente como praia nudista no país, em Fevereiro de 1975. Maslin, com boas ondas e um belo pôr-do-sol, recebe os Jogos Olímpicos nudistas do país uma vez por ano, com diferentes provas - todas sem roupa.
 
11) Golden Beach, Chipre
No nordeste da ilha de Chipre, Golden Beach é uma praia perfeita para os que querem aproveitar a areia fina e as águas azuis do Mediterrâneo, sem o incómodo de roupas de banho. Apesar de ser frequentada na maioria por naturistas, a praia não é declarada oficialmente como tal. Evite passear despido pelos cafés da área.
 
12) Little Brach, Havai
Apesar do nudismo estar proibido no arquipélago americano do Havai, existem praias onde mergulhos nus são tolerados. A ilha de Maui tem diversas praias escondidas, como a praia de Little Brach, situada no parque estadual de Makena, recomendada pela associação americana de nudismo.
 
13) Orient Bay, St. Martin
No litoral oeste da ilha de Saint Martin, na parte francesa, esta praia recebe visitantes variados. No resort Club Orient, fatos de banho somem para  aproveitar um mergulho nas águas quentes do Caribe.

14) Carpe Diem, Santorini, Grécia
O exclusivo hotel-boutique Carpe Diem, situado na ilha de Santorini, tem apenas dez luxuosas suites. Todas elas possuem terraço privado e piscinas onde os hóspedes têm suficiente privacidade para mergulhar sem inibições e com vista sobre um das mais belas ilhas gregas.
 
15) Onsen tradicionais, Japão
Onsen são banhos termais tradicionais japoneses, muito frequentados por habitantes de Tóquio para relaxar e escapar à agitação  da vida na capital japonesa. Por tradição, Onsen tem termas separadas por sexo e a entrada na água faz-se sem roupa. O Seta Onsen Sanga-no-Yu, no bairro de Setagaya, tem termas com uma vista soberba sobre o Monte Fuji.

TURISMO EM CRESCIMENTO

Na Europa, dos cerca de 20 milhões de praticantes, 12 milhões compram, anualmente, turismo naturista. Nos Estados Unidos a  procura excede 40 milhões, a que se juntam mais 20 milhões no resto do Mundo. Portugal, com 1793 quilómetros de litoral  "tem uma oferta reduzida face a outros países", explica Rui Elvas, relações-públicas da FPN. Por cá, além das praias, destacam-se o Monte Naturista O Barão, a Quinta do Maral  e a Quinta dos Carriços (parcial). Há ainda casas de hóspedes em turismo rural como Samonatura, Pool Houses, Naturest e Vale de Milhanos. Em Marvão há um projecto para um parque com dez hectares. Em 2008, Espanha captou três milhões de turistas naturistas e na Croácia a prática é considerada "um grande negócio".

Nudismo Naturalista praia
Ver comentários
}