Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
3

FMI avisa que ceder a pressões para atenuar reformas pode prejudicar crescimento

Fundo afirma que os riscos que podem limitar o crescimento estão sobretudo do lado externo.
29 de Maio de 2018 às 17:22
Mário Centeno
Mário Centeno
Mário Centeno
Mário Centeno
Mário Centeno
Mário Centeno
Mário Centeno
Mário Centeno
Mário Centeno
O Fundo Monetário Internacional (FMI) reviu ligeiramente em baixa a estimativa de crescimento da economia portuguesa deste ano para 2,3%, alertando que as pressões para atenuar as reformas tomadas, como no mercado de trabalho, podem prejudicar o crescimento.

Num comunicado divulgado esta terça-feira, de conclusão da missão a Portugal ao abrigo do Artigo IV, o FMI alinha a sua estimativa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) com a do Governo (2,3%), quando em abril se tinha mostrado ligeiramente mais otimista (ao prever 2,4%).

"A estimativa rápida para o primeiro trimestre de 2018 mostrou um crescimento algo subjugado devido a fatores temporários que estão a afetar as exportações, e devido a uma moderação da procura em alguns mercados de exportações", afirma o FMI.

O Instituto Nacional de Estatística (INE) deve confirmar na quarta-feira que a economia portuguesa abrandou no primeiro trimestre, ao crescer 2,1% em termos homólogos e 0,4% em cadeia.

O Fundo afirma que os riscos que podem limitar o crescimento estão sobretudo do lado externo, e "aumentaram recentemente", como, por exemplo, a incerteza política em Itália, que está a afetar os mercados europeus, ou um crescimento menos favorável da zona euro.

"Isto é um lembrete de que as condições externas, embora ainda positivas, podem tornar-se menos favoráveis", avisa a missão liderada por Alfredo Cuevas.

Por outro lado, a nível interno, "o principal risco é ceder a pressões para erodir os esforços de políticas anteriores, que facilitaram o sucesso da recuperação vista até agora", afirma o FMI.

Para o Fundo, as reformas no mercado de trabalho tomadas durante o programa de ajustamento "promoveram que a recuperação económica que está a decorrer tenha uma forte componente de criação de emprego".

Nesse sentido, "introduzir novas rigidezes ou reintroduzir antigas pode prejudicar a competitividade e a produtividade e tornar mais difícil para as empresas gerirem as flutuações da procura", considera o FMI.

Além disso, o Fundo alerta que há alguns setores da economia portuguesa -- como uma nova indústria têxtil (mais vocacionada para o design) e a farmacêutica -- que está "a começar a ter dificuldades em preencher vagas que estão disponíveis, sobretudo para empregos altamente qualificados".
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)