Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
8

Apoiar a banca custou 2200 euros a cada cidadão

Tribunal de Contas entrega documento sobre contas de 2021 antes do Orçamento.
Raquel Oliveira e Miguel Alexandre Ganhão(miguelganhao@cmjornal.pt) 5 de Outubro de 2022 às 08:13
Novo Banco
Novo Banco FOTO: MÁRIO CRUZ / EPA
Cada português financiou os bancos, em média, com cerca de 2200 euros, nos últimos 14 anos. Esta é a tradução do valor dos apoios públicos ao setor financeiro contabilizados pelo Tribunal de Contas, entre 2008 e 2021, e que ultrapassaram os 22 mil milhões de euros.

“O maior esforço financeiro do Estado concentrou-se no período entre 2012 e 2016, tendo sido o BES/NB a instituição financeira que mais beneficiou destes apoios públicos, com 37,6% [8,2 mil milhões de euros] do total, seguido pelo BPN, com 27,9%[6,1 mil milhões]”, segundo o parecer da Conta Geral do Estado de 2021, entregue ontem pelo presidente do Tribunal de Contas na Assembleia da República.

Pela primeira vez, o documento foi entregue antes da apresentação do Orçamento, de forma a incorporar as recomendações feitas. A despesa com estes apoios à banca ascendeu, em 2021, a 432 milhões de euros. “A despesa mais significativa no montante de 429 milhões de euros correspondeu à transferência do Fundo de Resolução (FdR) para o Novo Banco”, lê-se no documento.

O NB reclamou em 2021 um pagamento de 209 milhões de euros, mas o “FdR considera que não é devido, pelo que não fez qualquer pagamento em 2022”. Ainda no âmbito dos apoios financeiros, a receita de 2021 foi de 219 milhões de euros, com parte significativa a corresponder à recuperação de créditos garantidos (BPP, Parvalorem e Parups), no valor de 138 milhões.


Tribunal de Contas Conta Geral do Estado FdR serviços financeiros banca
Ver comentários