Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
8

583 mil portugueses procuram trabalho nos centros de emprego

O número de desempregados inscritos nos centros de emprego em Novembro subiu 6,7 por cento face ao mesmo mês de 2010 e 2,9 por cento face a Outubro, indicam os dados do Instituto do Emprego e Formação Profissional.
14 de Dezembro de 2011 às 08:37
Filas nos centros de emprego não páram de aumentar
Filas nos centros de emprego não páram de aumentar FOTO: d.r.

De acordo com os dados do IEFP a que a Agência Lusa teve acesso, os 583 420 desempregados inscritos representavam 84,6 por cento dos 689 844 pedidos de emprego nesse mês, o que representa uma subida de 36 494 desempregados face a Novembro do ano passado e mais 16.170 de Outubro para Novembro deste ano.

O aumento do desemprego afectou mais os homens do que as mulheres, comparando com Novembro do ano passado (aumentos de 9,9 e 3,9 por cento, respectivamente), e mais os jovens do que os adultos com mais de 25 anos (subidas de 10,5 e 6,1 por cento, respectivamente).

Olhando para os números do IEFP, constata-se que 61,1 por cento dos inscritos nos centros de emprego no mês passado andam à procura de um emprego há menos de um ano, enquanto quase 40 por cento não têm trabalho há mais de 12 meses. Este grupo, aliás, não aumentou, tendo-se verificado uma subida apenas na situação de curta duração, com um incremento de 12,2 por cento face ao período homólogo do ano passado.

Por outro lado, constata-se que é nos níveis de escolaridade mais elevados (secundário e superior) que o desemprego mais aumentou, com subidas de 16,2 e 21,4 por cento, respectivamente).

Numa perspectiva regional, o IEFP sublinha que "o desemprego aumentou em todas as regiões do país" e particulariza que, apesar de as maiores subidas terem sido registadas nas regiões autónomas (com a Madeira a liderar, ao ter uma subida de 48,8 por cento no fluxo de desempregados), é no Algarve que o desemprego mais subiu: 20,8 por cento.

Comparando os números de Novembro do ano passado com os de Novembro deste ano, constata-se que "o aumento do desemprego teve especial relevância nos 'docentes do ensino secundário, superior e profissões similares' e nos 'profissionais de nível intermédio do ensino' com, respectivamente, mais 105,6 por cento e mais 33,7 por cento", afirma o IEFP.

Os números negativos, no entanto, não se ficam por aqui: a oferta de emprego também desceu em Novembro, havendo 9.242 ofertas de trabalho, o que representa uma descida de 45 por cento face ao mesmo mês de 2010 e uma redução de 15,4 por cento face a Outubro deste ano.

As novas ofertas também mantiveram a tendência, tendo sido recebidas nos centros "6 711 ofertas de emprego, número inferior em 23,2 por cento quando comparado com o de novembro de 2010, e em 9,1 por cento quanto comparado com o do mês anterior", conclui o IEFP.

IEFP Emprego Trabalho Desemprego Crise Austeridade
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)