Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
9

“A situação é grave”

Helder Pedro, Secretário-geral da ACAP, sobre os baixos números da venda de viaturas em Janeiro

17 de Fevereiro de 2012 às 01:00
“A situação é grave”
“A situação é grave”

Correio da Manhã – Os números das vendas de automóveis no mercado europeu indicam que Portugal liderou as quedas em Janeiro. Quais são as perspectivas para os próximos meses?

Helder Pedro – As perspectivas são negativas. A situação é bastante grave. E a quebra arrasta todos os outros subsectores, dos serviços pós-venda, peças...

– A quebra de vendas atinge mais o mercado de particulares ou é igual para as empresas?

– A retracção é maior nos particulares. As empresas continuam, pontualmente, a renovar as suas frotas, mesmo com dificuldades. Os particulares adiam essa renovação do parque automóvel. Em 2011, a quebra de vendas para os particulares foi de cerca de 50 por cento. E com o desemprego, e as reduções de ordenados, vão continuar a adiar a compra de carros.

– Nota-se maior aposta das marcas em automóveis mais baratos. É uma coincidência ou uma resposta à crise?

– Ambas. Por um lado, coincide com a introdução de novos modelos mas, por outro, os modelos de cilindrada mais baixa são mais acessíveis.

– O que propõem para impulsionar as vendas?

– O principal é os incentivos ao abate de veículos em fim de vida. É uma medida decisiva.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)