Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
5

ATENÇÃO À CONTA DO TELEFONE

Os consumidores devem saber avaliar se os pacotes de preços das empresas de telecomunicações valem mesmo a pena, para não incorrerem no erro de aderirem aos mesmos por mero impulso e acabarem por gastar mais com a conta do telefone, alerta a Deco – Associação de Defesa do Consumidor.
7 de Setembro de 2004 às 00:00
“Este tipo de pacotes apenas pode ter interesse para públicos com um comportamento muito específico ao telefone ou então para o consumidor que queira pautar o seu comportamento a determinado plano, na perspectiva de poupar”, afirma ao CM o secretário-geral da Deco, Jorge Morgado.
É importante que haja dinamismo no mercado, pois só a concorrência permite ao consumidor ter algumas vantagens. “Mas nesta sociedade consumista, o cidadão tem de estar atento e ser consciente”, frisa.
Por exemplo, os pacotes que permitem falar de borla ao fim-de-semana “podem valer a pena se nesses dias for prática da família usar o telefone muitas vezes e demoradamente”, como normalmente acontece quando existem filhos adolescentes.
O secretário-geral da Deco alerta ainda para o facto de se usar muito, em casa, o telemóvel para chamadas locais, quando fica mais barato, neste caso, fazer a ligação através da rede fixa. “As pessoas pegam logo no móvel, nem pensam duas vezes”, sublinha Morgado.
O consumidor deverá ter ainda em atenção o peso que as telecomunicações, desde o telefone à Internet, têm cada vez mais no orçamento familiar. “As pessoas não podem andar distraídas quanto a estas matérias”, defende o dirigente da Deco.
Fonte oficial da Portugal Telecom garante ao nosso jornal que a empresa “conhece bem os seus clientes” e que os planos de preços são feitos à medida dos mesmos.
“Os nossos planos de preços adequam-se às necessidades dos consumidores”, assegura, adiantando que 1,1 milhões dos quatro milhões de clientes da PT já aderiram a planos de preços. Até final do ano, o objectivo da PT é a adesão de mais 200 mil clientes, o que significaria metade dos seus clientes residenciais.
Ontem a PT lançou mais dois pacotes: o MIX200 e o MIX100, que permitem chamadas a zero cêntimos por minuto aos fins-de-semana e feriados. O primeiro tem uma mensalidade de 8,9 euros (mais assinatura) e 200 minutos para falar à borla entre as 19 e as 9 horas. A mensalidade do segundo plano é de 7,4 euros (mais assinatura) e permite telefonar de graça até 100 minutos, entre as 19 e as 9 horas.
ESTATÍSTICAS DA ANACOM
CONCORRÊNCIA
A concorrência é cada vez maior entre os operadores da rede fixa. No primeiro trimestre de 2004, existiam 26 prestadores habilitados a prestar o serviço, dos quais 12 se encontravam em actividade, revela a Anacom.
QUOTAS
A PT detinha, no final do primeiro trimestre de 2004, uma quota de mercado de 94,2 por cento, inferior em termos homólogos (94,4 por cento). Os restantes prestadores aumentaram a quota de mercado de 5,6 para 5,8 por cento.
TRÁFEGO
O tráfego na rede fixa durante o primeiro trimestre de 2004 foi 3245 113 milhares de minutos, resultantes de 888 429 milhares de chamadas. Os valores representam uma redução de cinco e 2,9 por cento respectivamente.
PORTUGUESES SÃO ADEPTOS DO TELEMÓVEL
Durante 2003, foram originadas em Portugal 5,8 mil milhões de chamadas a partir de telemóveis, que por si só geraram mais de 10 mil milhões de minutos, o que corresponde a crescimentos anuais de quatro por cento e oito por cento, respectivamente, revelam dados da Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom).
Por sua vez, o tráfego telefónico originado e terminado em redes fixas, de todos os operadores incluindo acesso à Internet, ascendeu durante 2003 a cerca de 3 mil milhões de chamadas, que por si só geraram 12,6 mil milhões de minutos de ligação. Estes valores consubstanciam reduções anuais de nove por cento e de 14,66 por cento para o volume de chamadas e de minutos na rede fixa.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)