Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
7

Aumento de 50 euros no salário mínimo em cima da mesa

Negociações para subida do ordenado em 2020 arrancam esta quarta-feira.
Salomé Pinto 6 de Novembro de 2019 às 09:11
Dinheiro
Dinheiro
Dinheiro
Dinheiro
Dinheiro
Dinheiro
Dinheiro
Dinheiro
Dinheiro
O Governo não descarta a hipótese de aumentar o salário mínimo nacional dos atuais 600 euros para 650 euros já em janeiro de 2020, avançou esta terça-feira ao Correio da Manhã o secretário-geral da UGT, Carlos Silva.

"A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho, não fechou a porta à proposta da UGT", afirmou o líder da central sindical, no final de uma reunião com a governante.

Patrões e sindicatos arrancam esta quarta-feira as negociações com o Executivo socialista para definir o valor do salário mínimo para o próximo ano.

A UGT já tinha proposto "uma atualização para os 660 euros", mas "admite baixar a fasquia para os 650 euros, desde que em 2023 o salário mínimo atinja os 800 euros", esclareceu Carlos Silva.

A proposta do Governo é mais modesta, estabelecendo como objetivo os 750 euros até ao final da legislatura, o que, fazendo as contas, daria um valor de cerca de 635 euros em 2020. Contudo, a ministra acredita que será "possível chegar a acordo em sede de concertação social".

A CGTP considera que a meta do Governo "é um bom ponto de partida negocial", mas exige que a "curto prazo, no máximo até 2023, o salário suba para os 850 euros", disse ao CM o secretário-geral da intersindical, Arménio Carlos. O dirigente não avança com valores para 2020, preferindo antes "um compromisso para a legislatura", sublinhou.

Do lado das confederações patronais, o presidente da CIP -Confederação Empresarial de Portugal, António Saraiva, já adiantou que "é perfeitamente razoável" chegar aos 750 euros em 2023, admitindo ir mais longe "se a economia o permitir".

João Vieira Lopes, que dirige a Confederação do Comércio e Serviços, também já admitiu que está disponível para um aumento faseado do salário mínimo nacional.

Pormenores
Evolução desde 2015
Na anterior legislatura, o Governo de António Costa aumentou em 95 euros o salário mínimo nacional no setor privado, dos 505 €, em 2015, para os 600 €, em 2019.

Função pública
O aumento para os trabalhadores da Função Pública foi inferior, mas, no final, ficaram a ganhar mais. O salário subiu 55,07 € de 580 €, em 2015, para 635,07 €, em 2019.

Intersindical de fora
A CGTP não subscreveu os acordos da última legislatura entre Governo, patrões e UGT que permitiram o aumento do salário mínimo nacional.

CGTP quer subida de 90 euros para todos os trabalhadores do público e do privado
Mais 90 euros de salário para todos os trabalhadores dos setores público e privado é uma das propostas que a CGTP leva esta quarta-feira à mesa da concertação social.

"Independentemente do valor do salário mínimo, há uma necessidade de aumentar em 90 euros todos os ordenados já em janeiro de 2020", afirmou ao CM o secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos. "Só desta forma será possível evitar a aproximação dos salários mínimo e médio", esclareceu.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)