Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia

BCE vai fazer primeiro teste de 'stress' climático em 2022

Supervisor bancário europeu conta "identificar as vulnerabilidades, as melhores práticas e os desafios" do setor bancário.
Lusa 18 de Outubro de 2021 às 15:31
Banco Central Europeu
Banco Central Europeu FOTO: Getty Images
O Banco Central Europeu (BCE) vai realizar entre março e julho de 2022 o primeiro teste de resistência bancária para avaliar a exposição do setor financeiro da zona euro a catástrofes naturais e a uma transição ecológica mais rápida.

O supervisor bancário europeu conta "identificar as vulnerabilidades, as melhores práticas e os desafios" do setor bancário, de acordo com um texto publicado esta segunda-feira pelo BCE.

Vai ser analisada a "vulnerabilidade" dos bancos a um cenário de "aumento rápido" do preço do dióxido de carbono (CO2) a partir de 2022, no quadro de uma transição acelerada para uma indústria livre de carbono e da adoção "abrupta" de medidas de regulação ambiental.

Os principais bancos da zona euro devem indicar, em particular, "a que ponto dependem de rendimentos" provenientes de indústrias com elevadas emissões de CO2. O questionário do BCE também analisará a quantidade de emissões de gases com efeito estufa que os bancos "financiam", por exemplo, através de empréstimos.

O teste de 'stress' avaliará igualmente a vulnerabilidade das instituições em caso de inundações ou de episódios de seca ou de calor intensos.

Segundo um estudo do BCE publicado no fim de setembro, sobre o conjunto da economia, a inação de governos e de empresas no domínio do clima pode causar uma perda significativa do produto interno bruto no longo prazo na zona do euro.

A presidente do BCE, Christine Lagarde, tem considerado as alterações climáticas como um dos principais riscos para a economia e para o setor bancários nos próximos anos.

No verão, quando ocorreu a revisão da sua estratégia, o BCE decidiu integrar novos critérios relativos ao clima na sua política, nomeadamente no que se refere à compra de ativos.

BCE Banco Central Europeu CO2 economia negócios e finanças serviços financeiros banca sustentabilidade
Ver comentários