Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
4

Bloco diz que medidas são "descida aos infernos"

O Bloco de Esquerda considerou esta sexta-feira que o novo pacote de austeridade do Governo representa uma autêntica "descida aos infernos", porque penaliza os mesmos de sempre e ignora totalmente a justiça fiscal e a redistribuição dos sacrifícios.
11 de Março de 2011 às 12:45
Deputado bloquista José Gusmão reagiu a Teixeira dos Santos
Deputado bloquista José Gusmão reagiu a Teixeira dos Santos FOTO: João Cortesão

A posição do Bloco de Esquerda foi transmitida pelo deputado José Guilherme Gusmão, na Assembleia da República, em reacção ao anúncio feito pelo ministro de Estado e das Finanças, Teixeira dos Santos, de novas medidas de austeridade que actualizam o Programa de Estabilidade e Crescimento (PEC) em 2011, 2012  e 2013.  

Segundo a estimativa de Teixeira dos Santos, com as novas medidas adicionais conseguir-se-á cumprir as metas do défice, cortando custos na ordem dos 2,4 por cento do PIB na despesa e 1,3 por cento de aumento da receita.  
  
Perante estas medidas, o Bloco de Esquerda afirmou estar provado que "a política de austeridade, longe de ser a salvação, é uma autêntica descida aos infernos".  

"No ano em que há bancos privados que não vão pagar um cêntimo de impostos e em que foram chumbadas propostas (nomeadamente do Bloco de Esquerda) para reduzir as remunerações dos gestores de empresas públicas, o Governo carrega sobre os mesmo de sempre com cortes nas pensões, cortes nas prestações sociais e cortes na saúde", acusou José Guilherme Gusmão.  

Para o deputado do Bloco de Esquerda, o conjunto de medidas de austeridade  anunciado pelo ministro Teixeira dos Santos "terá um grave impacto social  ao nível das pensões de sobrevivência ou nos cuidados de saúde".  

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)