Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
7

Caixa corta 2200 postos de trabalho até 2020

Ex-presidente do banco diz que banco deverá apresentar lucros de 700 milhões de euros em três anos.
Diana Ramos 4 de Janeiro de 2017 às 10:45
António Domingues
António Domingues FOTO: Miguel Baltazar

O ex-presidente da CGD António Domingues, que cessou funções a 31 de dezembro, revelou no Parlamento que o plano de reestruturação e recapitalização que apresentou a Bruxelas prevê a redução de 2200 trabalhadores até 2020. 

"O que o plano prevê é uma redução de custos ao longo de cinco anos", explicou o banqueiro, referindo explicitamente que em três anos a redução no quadro de pessoal atingirá 2200 pessoas.

António Domingues confirmou também que as metas traçadas no plano apontam para que o banco público regresse a resultados positivos, após a recapitalização, em 2017, com "um despenho positivo na ordem dos 200 milhões de euros". No final de 2020, acrescentou, esse valor deverá subir para 700 milhões de euros, "remunerando os capitais investidos a uma média de 9%".

António Domingues voltou a repetir que o plano é "verosímil" e que a Caixa "tem condições" também para "melhorar o desempenho do ponto de vista das comissões", já que atualmente tem "um desempenho do ponto de vista das receitas abaixo do que pode ter".

 

CGD António Domingues Parlamento Bruxelas Caixa
Ver comentários