Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
5

Centeno alega "dever de segredo" e recusa divulgar auditoria sobre resolução do BES

Bloco pediu acesso ao documento e lembrou que Governo de que Centeno fez parte também tinha mostrado interesse no mesmo.
SÁBADO 2 de Setembro de 2020 às 21:47
Mário Centeno
Mário Centeno
O Governador do Banco de Portugal, Mário Centeno, recusou enviar para o Parlamento o relatório interno do Banco de Portugal sobre a forma como foi feita a resolução do Banco Espírito Santo em agosto de 2014, alegando o "dever de segredo". 

Na resposta ao Grupo Parlamentar do BE, o regulador escreveu que o "relatório solicitado – Relatório da Comissão de Avaliação das Decisões e Atuação do Banco de Portugal na Supervisão do Banco Espírito Santo – encontra-se sujeito a dever de segredo". Centeno acrescenta mesmo que não se verificam "nenhuma das circunstâncias legalmente previstas que determinam o afastamento do referido dever legal de segredo", o que impede o envio do documento. 

O Bloco não ficou satisfeito com a decisão e lembrou que o Governo no qual Mário Centeno foi ministro das Finanças até há bem pouco tempo também a tinha pedido. "O parlamento há anos que pede ao BdP esse relatório de auditoria, o Governo já pediu ao BdP esse relatório de auditoria. O primeiro-ministro já revelou publicamente o pedido do Governo e a sua curiosidade face a esse relatório. O PS já disse publicamente que estava contra a decisão do antigo governador de manter a auditoria encerrada num cofre", disse a deputada bloquista Mariana Mortágua, lembrando uma resposta de Costa que disse não ter tido acesso a esse mesmo relatório.

Mariana Mortágua explicou ainda que o Bloco pensava que sendo Centeno o novo Governador, a posição defendida pela instituição anteriormente presidida por Carlos Costa poderia ter mudado. "O governador Mário Centeno, recusa-se a enviar a auditoria à resolução do BES à Assembleia da República contrariando as posições do Governo, incluindo quando fazia parte do Governo enquanto ministro das Finanças", atirou ainda Mortágua que anunciou a proposta de uma comissão parlamentar de inquérito à gestão do Novo Banco.
Ver comentários