Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
7

CGD valoriza Qimonda em 72%

A salvação da fábrica da Qimonda em Vila do Conde está dependente da luz verde de Bruxelas. O salvamento, que prevê o empréstimo por parte da Caixa Geral de Depósitos (CGD) de 100 milhões de euros, depende ainda das condições que a Comissão Europeia venha a levantar, disse ontem o porta-voz da produtora de semicondutores.
23 de Dezembro de 2008 às 00:30
O primeiro-ministro, José Sócrates, quando visitou a fábrica em Maio deste ano
O primeiro-ministro, José Sócrates, quando visitou a fábrica em Maio deste ano FOTO: Estela Silva/Lusa

A notícia de que o banco do Estado estava disposto a emprestar 100 milhões fez com que as acções da Qimonda na Alemanha se valorizassem 72,3%, cotando-se nos 0,412 euros. O Grupo Infineon (a que pertence a Qimonda) estava a valorizar 21%, com os títulos a valer 0,80 euros.

Em relação às condições do plano de 325 milhões de euros, Ralf Heinrich, responsável da Qimonda na Alemanha, disse que "dependem das prescrições que a União Europeia possa vir a impor ao conjunto do pacote de financiamento", já que terá de ser aprovado pelos serviços competentes da Comissão Europeia.

O plano de salvamento prevê que a Qimonda receba um empréstimo de 100 milhões de euros da Caixa Geral de Depósitos, outro de 150 milhões de euros por parte do estado alemão da Saxónia e um terceiro empréstimo de 75 milhões de euros da alemã Infineon, que detém 77,5 por cento do capital da Qimonda.

PORMENORES

PREJUÍZOS

A Qimonda deu um prejuízo de três milhões de euros em 2008 ao Grupo Infineon.

950 DESPEDIMENTOS

Independentemente do pacote de ajudas, foram já anunciados cortes de 950 postos de trabalho.

ESTADOS UNIDOS

O principal mercado da Qimonda é o os Estados Unidos.

INVESTIGAÇÃO

A Qimonda vai desenvolver duas unidades de investigação, em Vila do Conde e em Dresden.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)